segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Quando restam perguntas

"Mas ele sabe o meu caminho; se ele me provasse, sairia eu como o ouro." (Jó 23:10)

Enquanto equipes buscam sobreviventes do rompimento de uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho (MG), técnicos começam a se debruçar sobre as causas da tragédia. Eles listaram perguntas que ainda não foram respondidas pela empresa e por autoridades - e cujas respostas ajudarão a compreender os motivos do desastre e a medir seus impactos. Muitas delas serão respondidas, mas sempre restarão perguntas cujas respostas somente fluirão de uma fonte sobrenatural.

Em 2014, uma nave experimental em teste se desintegrou e caiu em área deserta. O copiloto morreu; o piloto sobreviveu milagrosamente. Os investigadores logo determinaram o que acontecera, mas não o porquê. O título de um artigo de jornal começava com: “Restam perguntas.” 

Na vida, podemos ter pesares para os quais não há explicação adequada. Alguns são catástrofes com efeitos de longo alcance; outros, tragédias pessoais que alteram nossa vida individual e as famílias. Queremos saber o porquê, contudo encontramos mais perguntas do que respostas. No entanto, mesmo quando lutamos com o motivo, Deus nos alcança com Seu amor infalível.

Ao perder seus filhos e sua riqueza em um só dia (Jó 1:13-19), Jó se afundou em raivosa depressão e resistiu a toda tentativa de explicação por parte de seus amigos. Contudo, manteve a esperança de, algum dia, ter uma resposta de Deus. Mesmo em trevas, Jó pôde dizer: “[Deus] sabe o meu caminho; se ele me provasse, sairia eu como o ouro” (23:10).

O autor Oswald Chambers disse: “Algum dia, virá um toque pessoal e direto de Deus, quando toda lágrima e perplexidade, opressão e angústia, sofrimento e dor, erro e injustiça terão explicação total, extensa e avassaladora.”

Hoje, diante das perguntas não respondidas da vida, podemos encontrar ajuda e esperança no amor e nas promessas de Deus. — David C. McCasland

Diante de perguntas não respondidas, encontramos ajuda e esperança no amor de Deus.

Nenhum comentário :

Postar um comentário