sábado, 21 de julho de 2018

De volta do campo missionário

"…enviou-me […] a pôr sobre os que em Sião estão de luto uma coroa em vez de cinzas, óleo de alegria, em vez de pranto…" (Isaías 61:1,3)

Estamos voltando de mais uma viagem missionária. Estávamos na cidade de Nova Ponte (MG) evangelizando as pessoas de casa em casa. Juntamente com mais de 200 missionários voluntários levamos o amor de Deus por meio de palavra e ações. Além de explicar a cada uma o plano de salvação da alma, oferecemos também cursos profissionalizantes, atendimento médico-ambulatorial e vestuário. Cremos que Deus é soberano e tem um propósito especial com cada vida, por isso pagamos o preço da obediência ao mandado de Jesus Cristo de ir "por todo mundo e pregar o Evangelho a toda criatura...". É muito gratificante voltarmos para casa sabendo que nosso trabalho no Senhor não é em vão, pois vemos a alegria em que somos recebidos pelas pessoas naquela cidade e quanta experiência cristã podemos trazer conosco. É maravilhoso ser um vaso nas mãos de Deus. Parabéns aos Missionários Voluntários!


É verdade também que sofremos retaliações espirituais e físicas, pois frequentemente adentramos o território de Satanás. Mas podemos contar com a fidelidade de Deus que está em nossa frente. Muitas provações nos advém nesse período e algumas delas nos deixam tristes e outras nos trazem dores e lutos. Mas temos a certeza de que Deus pode transformar nosso pranto em alegria, ainda mais quando temos em nossa retaguarda uma igreja em oração em favor da obra que está sendo realizada no campo missionário. Não só abençoamos as pessoas que nos ouvem, mas somos também ricamente abençoados.

Por outro lado, apesar de vivermos num mundo decaído onde enfrentamos dor e decepções, quando atendemos ao chamado de Deus, Ele pode nos levar do desespero ao louvor, como vemos na profecia de Isaías sobre a vinda de Jesus (Isaías 61:1-3). Ele nos dá esperança quando não a temos; nos ajuda a perdoar quando pensamos não poder; ensina que nossa identidade está nele e não no que fazemos. Ele nos dá coragem para enfrentar o futuro incerto. Ao vestirmos os trapos de “cinzas”, nos dá vestes de louvor.

Ao enfrentarmos perdas, não devemos fugir da tristeza, mas também não queremos nos tornar amargos ou inflexíveis. Ao pensarmos sobre a fidelidade de Deus, sabemos que Ele está disposto e pode transformar o luto em alegria novamente — nos dar graça suficiente nesta vida e plena alegria no céu.

Somos também ricamente abençoados quando abençoamos as pessoas.