segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Energia criadora

"Os céus por Sua palavra se fizeram, e, pelo sopro de Sua boca, o exército deles" (Salmo 33:6)

Foto: Elbem César
A energia criadora que trouxe os mundos à existência está na Palavra de Deus. Essa Palavra comunica poder e gera vida. Cada ordenança é uma promessa. Quando é aceita voluntariamente e recebida no coração, traz consigo a vida do Ser infinito. Transforma a natureza e restaura o ser humano à imagem de Deus.

A vida assim comunicada é mantida de maneira idêntica. As pessoas viverão “de toda a palavra que sai da boca de Deus” (Mateus 4:4).

A mente e a alma são constituídas por aquilo de que se alimentam. Fica sob nossa responsabilidade decidir com que se alimentarão. Está dentro das possibilidades de qualquer pessoa escolher os assuntos que ocuparão seus pensamentos e moldarão seu caráter. Em relação a todo ser humano privilegiado pelo acesso às Escrituras, Deus diz: “Eu lhes escrevi todos os ensinos da Minha lei”. “Clame a Mim e Eu responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não sabe” (Oséias 8:12; Jeremias 33:3).

A Palavra de Deus, da mesma forma que o caráter de seu Autor, apresenta mistérios que jamais poderão ser compreendidos amplamente por seres finitos. Porém, Deus concedeu nas Escrituras evidências suficientes da autoridade divina delas. A própria existência de Deus, Seu caráter e a veracidade de Sua Palavra são estabelecidos por testemunhos que falam à nossa razão; e esses testemunhos são abundantes. Realmente Ele não removeu a possibilidade da dúvida; a fé precisa se firmar sobre a evidência e não sobre a demonstração. Os que desejam duvidar terão oportunidade para isso; porém, aqueles que desejam conhecer a verdade encontrarão terreno amplo para a fé.

Não temos motivos para duvidar da Palavra de Deus por não podermos compreender os mistérios de sua providência. Na natureza, estamos constantemente rodeados de maravilhas que estão além de nossa compreensão. Não deveríamos, então, ficar surpresos ao encontrar também no mundo espiritual mistérios que não podemos sondar? A dificuldade está unicamente nas limitações da mente humana.

Os mistérios da Bíblia, longe de ser um argumento contra ela, estão entre as maiores evidências de sua inspiração divina.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Contemple as maravilhas

"Para e considera as maravilhas de Deus." (Jó 37:14)

Pessoas piedosas e de talento vislumbram as realidades eternas; porém, muitas vezes, deixam de compreendê-las porque as coisas visíveis ofuscam a glória do invisível. Quem quiser ter êxito na busca pelo tesouro escondido precisa se lançar em busca de coisas mais elevadas do que as deste mundo. Suas afeições e todas as suas capacidades precisam ser consagradas à pesquisa.

A desobediência tem fechado a porta a uma grande soma de conhecimentos que poderiam ser obtidos das Escrituras. Compreensão significa obediência aos mandamentos de Deus. As Escrituras não devem ser adaptadas ao preconceito e à descrença dos seres humanos. Somente podem entendê-las aqueles que humildemente procuram o conhecimento da verdade para poder obedecer-lhe.

Pergunta: Que preciso fazer para ser salvo? Antes de iniciar a pesquisa, é preciso depor as opiniões preconcebidas, as ideias herdadas e cultivadas. Se você examinar as Escrituras para justificar opiniões próprias, nunca alcançará a verdade. Pesquise para aprender o que o Senhor diz. Se ao estudar, vier a convicção, se verificar que suas opiniões acariciadas não estão em harmonia com a verdade, não interprete mal a verdade para acomodá-la à sua crença, antes aceite a luz concedida. Abra a mente e o coração para que você possa contemplar as maravilhas da Palavra de Deus.

A fé em Cristo, como o Redentor do mundo, exige o reconhecimento de uma inteligência esclarecida, dirigida por um coração que pode discernir e avaliar o tesouro celestial. Essa fé é inseparável do arrependimento e transformação de caráter. Ter fé significa achar e aceitar o tesouro do evangelho com todos os deveres que o mesmo impõe. […]

Necessitamos da iluminação do Espírito Santo para discernir as verdades da Palavra de Deus. As coisas aprazíveis do mundo natural não são vistas sem que o Sol, dissipando as trevas, as inunde de luz. Assim, as preciosidades da Palavra de Deus não são apreciadas sem ser reveladas pelos brilhantes raios do Sol da Justiça.

O Espírito Santo enviado do Céu, pela benevolência do infinito amor, toma as coisas de Deus e as revela a toda pessoa que tem fé implícita em Cristo. Por Seu poder, as verdades vitais das quais depende a salvação são impressas na mente, e o caminho da vida torna-se tão claro, que ninguém precisa se desviar (Parábolas de Jesus, p. 112, 113).

www.cpb.com.br

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

A equação da felicidade

“Sei bem o que é passar necessidade e sei o que é andar com fartura. Aprendi o mistério de viver feliz em todo lugar e em qualquer situação, esteja bem alimentado, ou mesmo com fome, possuindo fartura, ou passando privações” (Filipenses 4:12)

O seus desejos para 2017 são realizáveis? A sua equação da felicidade fecha?

Eu sempre digo em minhas palestras sobre educação financeira que o segredo da felicidade tem a ver com a redução de expectativas. Quem acaba de endossar essa tese são cientistas e sociólogos, cujas descobertas sobre o estado de espírito mais cobiçado pela humanidade estão na mira de corporações dos mais variados tipos e tamanhos.

Essa tal felicidade pode, claro, se fazer presente nas coisas mais simples da vida, como tomar um picolé ou curtir uma roda de violão. O “povo de humanas” tem muito a dizer sobre isso. Mas a lógica por trás desse sentimento tem sido cada vez mais alvo de estudo e pesquisa de instituições renomadas.

Se a academia tem chegado ao mesmo tipo de conclusão que a sabedoria paulina expressa no texto acima, a questão passou a ser como medir o grau de felicidade de uma pessoa ou de um grupo. Esse desafio toca principalmente neurocientistas e economistas: quantificar algo tão abstrato que deveria ser impossível de medir. Mas eles insistem. A busca não começou agora. Os gregos, como sempre, deram a largada lá atrás. Alguns séculos depois, a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, propôs uma experiência em longo prazo, da qual até o ex-presidente norte-americano John Kennedy participou. 

Também estão nesse jogo de passar a felicidade a limpo equipes como a da University College London, do Reino Unido. Eles publicaram em 2014 e atualizaram neste ano uma fórmula matemática que, segundo os criadores, é capaz de prever se uma pessoa será feliz e ainda determinar como a prosperidade alheia e a desigualdade social são capazes de afetar a felicidade individual.

Para chegar à “fórmula da felicidade”, o time liderado pelo neurocientista Robb Rutledge estabeleceu o seguinte processo na primeira etapa:

– 26 pessoas foram submetidas a uma série de tarefas em que, a partir de decisões que elas tomavam, poderiam ganhar ou perder dinheiro;

– Enquanto as decisões eram tomadas, os participantes respondiam o quanto estavam felizes naquele instante;

– Uma ressonância magnética media a atividade cerebral de cada participante no momento em que ele dava a resposta.

Com esses dados, os pesquisadores deduziram a equação, considerando o que os participantes esperavam ganhar, as recompensas obtidas e as sensações geradas no cérebro de cada um deles. E a conclusão da equipe foi que… sim, as suas expectativas definem o quanto você será feliz.

O time do dr. Rutledge ampliou a brincadeira. Por meio de um jogo de celular, estenderam o teste a 18 mil pessoas. O resultado: “expectativas mais baixas tornam mais provável que um resultado as supere e tenha um impacto positivo na felicidade”. E que o simples fato de planejar e esperar que algo bom aconteça pode nos deixar mais felizes, mesmo que por um breve momento.

Até aí, nenhuma grande novidade foi acrescentada à sabedoria de Salomão, expressa em Eclesiastes 6:9: “Mais vale contentar-se com o que os olhos veem do que sonhar com desejos irrealizáveis. Afinal, não é isso também total insensatez, como correr atrás do vento?”. Mas o endosso científico ajuda a entender distúrbios ligados às emoções humanas, como o transtorno de humor. Conseguir quantificar a possibilidade desse tipo de mal na população pode ajudar políticas preventivas de saúde e, claro, a evitar prejuízos ao capitalismo: uma pessoa infeliz tem grandes chances de produzir menos e pior.

Que Deus abençoe seus sonhos e projetos em 2017.