segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Acesso a Deus

"Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo Céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus." (Hebreus 9:24)

Nos tribunais do Céu, Cristo está a interceder por Sua igreja, advogando a causa daqueles cujo preço de redenção Ele pagou com o próprio sangue. Séculos e eras nunca poderão diminuir a eficácia de Seu sacrifício expiatório.

O pecado de Adão e Eva provocou terrível separação entre Deus e a humanidade. Cristo Se interpõe entre o ser humano caído e Deus, dizendo: “Você ainda pode vir ao Pai; há um plano elaborado, pelo qual Deus pode ser reconciliado com a humanidade, e a humanidade com Deus. Por meio de um Mediador, você pode aproximar-se de Deus.” Agora, Ele permanece como seu Mediador. É o grande Sumo Sacerdote que está pleiteando em seu favor. Você deve apresentar seu caso ao Pai por meio de Jesus Cristo e, assim, ter acesso a Deus.

Cristo Jesus é apresentado como estando continuamente junto ao altar, oferecendo a cada momento sacrifício pelos pecados do mundo. Ele é ministro do verdadeiro tabernáculo, o qual o Senhor fundou, não o ser humano. As sombras típicas do tabernáculo judaico não têm mais qualquer virtude. Uma expiação típica diária e anual não mais deve ser feita, porém o sacrifício expiatório por meio de um mediador é essencial, por causa da prática constante do pecado. Jesus está oficiando na presença de Deus, oferecendo Seu sangue derramado, como tendo sido um cordeiro morto.

Mont Royal, Montreal, Canadá - Foto Elbem César
Os serviços religiosos, as orações, o louvor e a confissão penitente dos pecados sobem dos verdadeiros crentes como incenso para o santuário celestial; porém, ao passar pelos corruptos canais da humanidade ficam tão poluídos que, a menos que purificados pelo sangue, jamais podem ser de valor perante Deus. Todo incenso dos tabernáculos terrestres deve estar misturado com as gotas purificadoras do sangue de Cristo. Ele segura diante do Pai o incensário dos Seus méritos, no qual não há mancha de corrupção terrena. Ele acolhe em Seu incensário as orações, o louvor, as confissões de Seu povo e, com isso, mistura Sua imaculada justiça. Então, perfumado com os méritos da propiciação de Cristo, o incenso sobe perante Deus completa e plenamente aceitável, como se partissem do alto de uma montanha.

Que todos possam ver que sobre o incandescente fogo da justiça de Cristo tudo deve ser posto em obediência, em penitência, em louvor e agradecimento (A Maravilhosa Graça de Deus, p. 151, 152).