domingo, 21 de agosto de 2016

Vida abundante

“O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10:10)

Esse verso hoje em dia tem sido muito usado para embasar pensamentos errôneos de pessoas que querem moldar o significado da Palavra de Deus ao que eles querem e não ao que a palavra de Deus quer.

Com esse pensamento muitos têm afirmado que Deus quer que Seus servos tenham uma vida em abundância. Concordo que Deus quer isso para a vida de Seus servos, o problema é que as definições para essa “vida abundante” não estão no texto bíblico e muitas pessoas interpretam além daquilo que Deus comunicou na Palavra.

Algumas afirmam que vida em abundância é ter muito dinheiro, não passar por problemas na saúde, cobrar de Deus as promessas e determinar a Deus aquilo que se quer. Muitas perguntam como alguém pode ter uma vida abundante em meio a um desconforto? Não é incomum encontrarmos pessoas frustradas, pois creem que na vida do crente só acontecem coisas boas. E como nem sempre suas vidas estão uma maravilha, então vivem frustradas.

Mas será que essa é a vida abundante que Jesus disse que as Suas ovelhas teriam por causa da Sua vinda? Sabemos que qualquer interpretação correta de um texto deve considerar o contexto anterior e posterior ao que foi dito para que a mensagem do autor não fique prejudicada. Assim, fica evidente que para interpretarmos corretamente essa “vida abundante” citada por Jesus, precisamos achar o significado no contexto.

Veja que interessante o que Jesus diz no verso imediatamente anterior (V.9): “Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem” (João 10.9). Aqui está a nossa resposta. Quando Jesus diz no verso 10 que veio para que tivéssemos vida, está relacionando isso ao contexto em que acabou de afirmar. Ou seja, vida é igual a salvação. Jesus diz que essa vida seria uma vida abundante (v.10). Essa abundância está relacionada ao encontrar as pastagens citadas no verso anterior (V.9). 

O mais belo versículo do Salmo 23 diz: “Deitar-me faz em pastos verdejantes; guia-me mansamente a águas tranquilas” (Salmos 23:2). Para o rebanho de ovelhas pastos verdejantes é sinônimo de comida farta. Para os servos de Deus pastos verdejantes é sinônimo de fartura espiritual, porque nós devemos fixar a nossa atenção não nas coisas que podem ser vistas, mas nas coisas que são invisíveis. O que pode ser visto dura apenas por um tempo, mas o que não pode ser visto dura para sempre, conforme escrito em 2 Coríntios 4:18.

Portanto, não existe no contexto qualquer embasamento para afirmarmos que vida em abundância é qualquer coisa além da salvação e de uma vida com Deus, vida essa que conquistamos pela graça do próprio Deus derramada sobre nós através da obra de Jesus Cristo (a porta) realizada em nosso favor. Essa é a verdadeira vida em abundância apontada no texto.

Evidentemente que não pretendo afirmar aqui que seja errado que o crente busque a Deus pela sua boa saúde e que tenha prosperidade financeira. Deus também nos agracia com estas coisas. O erro está em afirmar que são essas coisas que representam a vida em abundância de um crente verdadeiro. Existem crentes verdadeiros que não têm riquezas e às vezes nem uma saúde das melhores, mas representam exemplos claros de pessoas com vidas abundantes na presença de Deus.

Lembremos dos exemplos de Paulo que foi fiel, mas acabou na prisão; João Batista que foi decapitado. Milhões de pessoas fiéis foram martirizadas, perderam tudo ou chegaram ao fim da vida sem nenhuma “bênção material para mostrar”.

“A vida em abundância não tem nada a ver com a abundância material. A fidelidade a Deus não garante o sucesso em uma carreira ou mesmo no ministério” (Rick Warren)