quinta-feira, 11 de agosto de 2016

A história de dois atletas

"Vocês não sabem que de todos os que correm no estádio, apenas um ganha o prêmio? Corram de tal modo que alcancem o prêmio" (1 Coríntios 9:24)

Várias vezes, Paulo se referiu à vida cristã como uma corrida. Assim, amigo, você e eu somos atletas na corrida da vida. Mas a grande questão é: Por que corremos? E com ela vem outra pergunta interessante: Como corremos?

Os Jogos Olímpicos de 1924, sediados em Paris, França, foram caracterizados por dois atletas maravilhosos, ambos ingleses. Tratava-se de homens determinados; sua história, mais estranha do que qualquer ficção, deu origem ao clássico Carruagem de Fogo. Um deles, Harold Abrahams, era cabeça quente. Apesar de o pai dele, que era investidor, ser um homem muito rico, e apesar de Abrahams ter sido aceito para estudar na Universidade Cambridge, escola da elite, ainda sentia que tinha muito a provar, tanto ao mundo quanto a si mesmo. Abrahams era judeu e extremamente sensível a qualquer menosprezo, real ou imaginário, a qualquer sinal ou sugestão que indicasse que ele não fosse um verdadeiro inglês. Em vez de ceder às pressões sociais ou simplesmente suportar ser tratado com menosprezo, Abrahams levava o caso até as últimas consequências. Ele se tornou o melhor atleta da Inglaterra e conquistou o ouro olímpico.

Ao norte, nas Montanhas Escocesas, um atleta de características totalmente diversas também se preparou para ser o atleta mais rápido do mundo. Eric Liddell, filho de missionários na China, havia retornado à terra natal dos pais. Cristão devoto, ele se comprometeu a voltar ao campo missionário na China, mas apenas depois de testemunhar de sua fé na pista de atletismo.

Os dois foram selecionados para fazer parte da equipe olímpica britânica e partiram para a França com elevadas expectativas. Os anos em que Abrahams se submeteu a rígidos treinos compensaram: ele ganhou a prova dos 100 metros rasos, casou-se com uma linda atriz e teve uma vida boa, sendo respeitado e admirado.

Mas para Eric o sonho olímpico se tornou um pesadelo. Ele ficou gripado dois dias antes da competição dos 100 metros e havia tomado um medicamento proibido pela equipe antidoping. Eric sofreu uma terrível pressão para competir, mas permaneceu firme na sua convicção de que seria desleal correr com aquela substância ativa em seu organismo. A esperança de conquistar o ouro olímpico foi embora. Surgiu, então, um raio de esperança – não para os 100 metros, mas para os 400 metros. Liddell não havia se preparado para correr essa distância, mas decidiu participar da corrida e venceu, sendo aclamado por todos.

Amigo, por que você corre? E como? Você corre com a certeza de que está sendo leal aos princípios morais e éticos recebidos de Deus pela sua infinita graça? Corramos de tal forma que alcancemos o prêmio da soberana graça de Deus.