quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Mesa no deserto

Poderá Deus preparar uma mesa no deserto? (Salmo 78:19)

A pergunta estava no ar: “Será que Deus pode preparar uma mesa no meio do deserto?” A resposta circulava entre o povo: “Não. Deus não pode. E, se pudesse, não iria preparar.” Esse era o pensamento de pessoas que haviam testemunhado milagres colossais. Mas não era de se estranhar. Afinal, quando esquecemos o que Deus fez, a descrença é o estado normal que domina nossa mente.

Não sei se você já esteve no deserto. Eu estive e não gostei. Trata-se de um lugar solitário, árido, hostil, amedrontador. Areia por toda parte, sol inclemente, calor sufocante, paisagem desolada, o deserto é terra de abandono e morte. É preciso ter espírito de beduíno, couro de lagarto ou “tanque” de camelo para sobreviver na imensidão do nada, sem oásis e sem água.

Marcados por déficit de umidade, perdendo mais água do que recebendo e ocupando um terço (33%) da superfície da Terra, os desertos não têm vegetação suficiente para sustentar a vida. Por isso, em geral, são lugares desabitados. A própria palavra deserto, originada do latim desertum (“lugar abandonado”), foi utilizada durante muito tempo para descrever uma área despovoada. A expressão “ilha deserta” é uma lembrança dessa época. Somente mais tarde, o termo ganhou a conotação de aridez.

Em nossa vida, muitas vezes enfrentamos o deserto, longe da civilização e dos recursos que nos trazem comodidade. Você não está mais na situação confortável anterior e ainda não alcançou o destino. Saiu do Egito, mas não chegou à terra prometida. Fora do espaço familiar e adentrando um terreno desconhecido, sente—se deslocado, abandonado, descartado.

O deserto pode ser a espera por um emprego, o resultado de um exame médico, a conta bancária no vermelho, um filho desgarrado, o casamento desmoronando, um sonho esmagado, a perda de uma pessoa querida, a rotina vazia, uma depressão paralisante, um pesadelo interminável. Desertos existenciais são diversificados e preparados para testar todos os tipos de pessoas.

Entretanto, é no deserto que você percebe seus limites, desconfia de sua sabedoria, abandona a independência, reconhece seus fracassos, enfrenta a tentação, luta com Deus, desafia o diabo, descobre uma força que não conhecia, perde as ilusões, é purificado das vaidades e sai com uma nova visão da vida.

Qual é o seu deserto? Sua vida tem sido como o Atacama ou o Saara? Você também acha que Deus não pode preparar uma mesa no deserto? Para Deus, o deserto é apenas uma boa paisagem para criar um oásis. O deserto é o lugar para descobrir que você é menor do que pensava e que Deus é maior do que você imagina.