sábado, 15 de agosto de 2015

Digno de ser louvado

Grande é o Senhor e mui digno de ser louvado, na cidade de nosso Deus. (Salmos 48:1)

Os nossos corações se enchem de alegria nestes dias em que comemoramos o 55º aniversário da Igreja Presbiteriana Nacional (IPN). Este momento nos dá a oportunidade para refletir sobre o que a nossa querida Igreja pode significar para a sociedade. 

Há muitas evidências de como Deus a tem abençoado, por isso devemos ser gratos a ele. A IPN tem uma história de amor por evangelismo e missões, e também por comunhão e amor fraternal, além do zelo pela Palavra. É um privilégio fazer parte desta grande família!

Deus há de continuar realizando o seu propósito por meio desta comunidade. Mesmo que sob lutas, obstáculos e dificuldades, temos de nos lembrar que somos instrumentos nas suas mãos para abençoar e construir vidas. 

Este é o plano individual de Deus para nós membros do corpo de Cristo! Ele quer usar a nossa vida para estender a influência da Igreja no mundo e para ser um canal de bênçãos na sociedade. O nosso amor e dedicação é fundamental. O amor é a demonstração viva de que somos verdadeiros discípulos de Cristo: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (João 13.35).

Que Deus continue a nos abençoar. Que possamos fazer a nossa parte e o amor de Deus seja conhecido e experimentado. Parabéns a todos que já fazem parte desta comunidade e nela congrega para servir ao Grande Deus Criador do Universo.

A você que ainda não se sente integrado a esta família, eu o convido a louvar o nosso Deus. Muitos gostam de adorar pequenos deuses, marionetes que aprovem o que a criatura faz e estejam sempre ao seu serviço. Este tipo de deus não faz bem. Pode acalmar a consciência, aliviar a dor por um instante, mas não é a solução definitiva para os problemas do mundo em que vivemos. Mas nós gostamos de louvar o grande Deus soberano, eterno e pessoal. 

Por que ele deve ser louvado? Por que ele faz questão de se relacionar com a humanidade. Não é um Deus distante. Não se omite. Não é apenas uma força destituída de personalidade. Deus é amor e criou o ser humano por amor. Por amor compartiu a sua vida por meio de Jesus Cristo e, diante disto, a criatura sente imenso desejo de enaltecer seu nome, celebrá-lo, cantar louvores e glorificá-lo sempre. É justamente isso que fazemos quando nos reunimos em congregação. 

Nos tempos em que o Salmo 48 foi escrito, Jerusalém – que também é o nome da linda canção entoada pelos corais da IPN no grande culto comemorativo (assista pela Internet: www.ipn.org.br) – era considerada a “cidade de Deus”, o local de adoração. Mas hoje, a igreja é esse local. Há algo especial quando os filhos de Deus se juntam para louvar. O Espírito de adoração é contagioso. Você pode estar todo carregado de problemas, triste e aflito, mas quando você entra na “casa de Deus” e se junta aos outros adoradores, repentinamente passa a perceber a grandeza de Deus.

E para que tudo isto? Apenas para que Deus se sinta bem? Não, quem mais ganha com isso é você, porque se o seu Deus é grande, não existe problema que ele não possa resolver. Experimente isso. Procure uma igreja e louve ao Senhor digno de ser louvado.