domingo, 12 de julho de 2015

Fim do tratamento

"Volta, minha alma, ao teu sossego, pois o Senhor tem sido generoso para contigo." (Salmos 116:7)

Queridas e queridos.

Hoje eu concluo o tratamento quimioterápico adjuvante contra o câncer de cólon. É com muita alegria que os informo desta notícia. Não poderia deixar de ser grato à minha família, especialmente à minha mãe, que lutou comigo diretamente, me acompanhando às consultas médicas e às sessões de quimioterapia. Muito obrigado também às amigas e amigos, às irmãs e irmãos em Cristo, pelas orações, pela força, pelo carinho e pelo apoio espiritual nesses sete meses de tratamento. 

Agradeço também aos meus médicos, cirurgião Dr. Luis Lobato e oncologista Dra. Marcela Crossara e aos enfermeiros e para-médicos pelo empenho e dedicação. Dou graças a Deus que tem capacitado os cientistas para nos prover das mais avançadas técnicas de cura do câncer. Ainda estarei em acompanhamento médico nos próximos cinco anos até que finalmente, com a graça de Deus, eu serei clinicamente considerado curado da doença. 

Sabemos que Deus sempre esteve e estará no controle de tudo. Ele tem sido muito generoso para com todos nós. Por isso o louvamos e o exaltamos pelo que tem nos proporcionado, seja bem ou mal. Deus sempre será exaltado em toda a sua providência para comigo e para com a minha família.

Quero deixar convosco uma porção da Palavra de Deus no salmo 116. Creio que vos servirá como devocional.

Esse é um dos mais extraordinários salmos da Bíblia. Alguns expositores acreditam que é tão grandioso, quanto o salmo vinte e três. É um hino de gratidão a Deus por causa de suas obras maravilhosas de libertação.

No início do salmo há um momento em que o salmista parece não ter forças para resistir as provações. “laços de morte, me cercam, e angústias do inferno se apoderam de mim; cai em tribulação e tristeza”, se lamenta no verso quatro. Mas se você continuar lendo, verá que em meio ao desespero o salmista clama a Deus, e o Pai ouve o clamor do filho sincero.

No verso sete, o salmista encontra-se de novo frente ao perigo, mas desta vez, não cai em desespero. Sabe por experiência, o que Deus é capaz de fazer, e fala para si mesmo: “Volta a minha alma, ao teu sossego, pois o Senhor tem sido generoso para contigo.”

A palavra “generosidade” é chave. Tem a ver com misericórdia. Relaciona-se com um amor sem medidas. É desse modo que Deus nos ama. A proteção divina na hora da angústia não é um direito conquistado. Nada fizemos para merecer, mas Deus por sua generosidade, estende a mão em nossa direção.

Deus prometeu cuidar de nós e, nas horas mais difíceis, Ele sempre cumpre as suas promessas. Portanto, qual é o motivo para viver ansioso? Se Ele fez maravilhas no passado, por que não pode fazê-las hoje?

“Volta minha alma ao teu sossego.” Veja como o autor se dirige a si mesmo. Volta. Retorna. Há algo de errado com esta alma. Voou como pomba para longe do ninho, fugiu procurando socorro. As almas ansiosas sempre são almas fujonas. Fogem de Deus e da realidade. Criam fantasmas imaginários, desesperam-se, entram em pânico e cometem tolices.

Voltar ao sossego é voltar ao ninho. O ninho são os braços do Pai que estão sempre esperando. Sei que o drama que você está vivendo é grande. Mas em Cristo você terá a capacidade de enxergar a dimensão verdadeira do drama que vive e a partir daí achar a saída.

Portanto não desespere. Este pode ser o grande dia da virada. Com Cristo, todo dia é um dia de vitória. Por isso, todos nós podemos dizer como o salmista: “Volta, minha alma, ao teu sossego, pois, o Senhor tem sido generoso para contigo.”

Um forte abraço,