terça-feira, 19 de maio de 2015

A família de José

"José ao primogênito chamou de Manassés [...] Ao segundo, chamou-lhe Efraim" (Gênesis 41.51,52) 

José era bisneto de Abraão, neto de Isaque, filho de Jacó e pai de Manassés e Efraim. Foi fiel a seu pai, a seu patrão, ao Faraó e, sobretudo, a Deus. Foi fiel na pobreza e na riqueza, na humilhação e na exaltação. Chegou no Egito como escravo. Foi mordomo de Potifar. Foi caluniado por sua patroa. Passou parte de sua juventude na cadeia, mas terminou sua carreira no trono. Foi vítima do ódio de seus irmãos, da paixão destemperada de sua patroa, da condenação injusta imposta por Potifar c da ingratidão do copeiro do Faraó. 

Jogado de um lado para o outro, ao sabor das tempestades mais violentas, foi forjado na bigorna da dor, acrisolado no cadinho do sofrimento, para ser o homem mais forte do maior império do mundo. José foi tirado do calabouço para o trono; saiu das cinzas da humilhação para a coroa do triunfo. Casou-se no Egito e quando nasceu seu primogênito, Manassés, levantou um monumento vivo para publicar seu perdão a todos os seus desafetos. 

Manassés significa: "Deus me fez esquecer". O perdão é maior do que o ódio. O perdão liberta, cura e restaura. Quando nasceu seu segundo filho, chamou-lhe Efraim, cujo significado é duplamente frutífero. Quando olhou para o passado resolveu perdoar; quando olhou para o futuro, viu a boa mão de Deus o conduzindo em triunfo.

Pastor Hernandes Dias Lopes