terça-feira, 28 de abril de 2015

Vida abundante‏

O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. (João 10:10)

Quando Jesus se referiu à vida abundante, estava falando de uma vida equilibrada; uma vida que garanta ao indivíduo crescer à imagem de Cristo. Jesus veio a este mundo para que as pessoas tenham nEle uma vida significativa, intencional, alegre e eterna. Jesus nos promete uma vida muito melhor do que poderíamos imaginar (1 Coríntios 2:9 e Efésios 3:20).

Antes de começarmos a ter visões de casas luxuosas, carros caros, cruzeiros por todo o mundo e mais dinheiro do que poderíamos gastar, precisamos parar e pensar sobre o que Jesus ensina a respeito da vida abundante. A Bíblia nos diz que a riqueza, prestígio, posição e poder neste mundo não são as prioridades de Deus para nós (1 Coríntios 1:26-29). Logo, a vida abundante não consiste de uma abundância de coisas materiais. Se fosse esse o caso, Jesus teria sido o mais rico dos homens. Mas não foi o que aconteceu (Mateus 8:20).

Vida abundante é a vida eterna, uma vida que se inicia no momento em que recebemos a Salvação e continua eternamente. “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17:3). Esta definição não menciona quantidade de dias, saúde, prosperidade, família ou ocupação. Na verdade, a única coisa que menciona é o conhecimento de Deus, que é a chave para uma vida verdadeiramente abundante.

A abundância é espiritual, não material. De fato, Deus nos garante que não precisamos nos preocupar com o que vamos comer ou vestir (Mateus 6:25-32, Filipenses 4:19). Bênçãos físicas podem ou não ser parte de uma vida centrada em Deus. A riqueza ou pobreza não é uma indicação certa da nossa posição com Deus. Salomão tinha todas as bênçãos materiais disponíveis a um homem, e ainda achou tudo insignificante (Eclesiastes 5:10-15). Paulo, por outro lado, estava contente em quaisquer circunstâncias físicas em que se encontrava (Filipenses 4:11-12).

A vida abundante ou eterna é determinada por uma relação íntima com Deus. Quando recebemos Jesus, recebemos também a vida eterna (1 João 5:11-13). Ela gira em torno de crescer “na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2 Pedro 3:18). Isso nos ensina que a vida abundante é um processo contínuo de aprender, praticar e amadurecer, bem como de falhar, recuperar, ajustar, resistir e superar. A vida abundante será plena quando não mais precisarmos lutar contra o pecado que tanto nos assedia.

Apesar de sermos naturalmente desejosos de coisas materiais, a nossa perspectiva sobre a vida deve ser revolucionada (Romanos 12:2), e o nosso entendimento de “abundância” deve ser transformado. A vida abundante consiste de uma abundância de amor, alegria, paz, e demais frutos do Espírito (Gálatas 5:22-23). Vida abundante não consiste numa grande quantidade de “coisas” ou longevidade. Vida abundante é vida eterna e, por assim ser, o nosso interesse está no que é eterno, e não temporal. Paulo nos adverte: “Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra; porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus” (Colossenses 3:2-3).