terça-feira, 14 de abril de 2015

Orações ouvidas

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido”. (Salmos 66:18)

O versículo no hebraico poderia ser traduzido: “Se eu tivesse iniquidade no meu coração, o Senhor não teria ouvido”. Em qualquer caso, Davi estava apresentando uma condição sob a qual sua oração não seria eficaz e não seria ouvida. A palavra hebraica traduzida por “contemplara” é raah, que significa apenas “ver”. Em outras palavras, se eu olho para minha vida e vejo pecado e o alimento, minhas orações são um exercício de futilidade. 

Isto significa que, se o pecado está presente em nossa vida, Deus recusa ouvir nossas orações? Não. Se fosse assim, toda oração seria fútil. Todavia, se nosso coração está endurecido em um espírito de impenitência, nossas orações não são apenas fúteis, mas também um escárnio de Deus. 

Davi recordou a si mesmo que há um tempo em que a oração é um ato presunçoso, arrogante, detestável e odioso perpetrado contra o Todo-Poderoso. Este salmo se abre com 17 versículos de alegria e de louvor a Deus por suas realizações poderosas. De repente, aparece no versículo 18 o lembrete sombrio de como toda a história poderia ter sido diferente. Somos alertados da importância de achegar-nos apropriadamente a Deus em oração. Se há algo pior do que não orar, é orar em uma atitude indigna. 

Outras passagens da Escritura refletem esta atitude. Salmos 109:7 sugere que a oração dos ímpios deve ser considerada pecado. João 9:31 afirma especificamente que o Senhor não ouve pecadores. Provérbios 15:29 diz: “O Senhor está longe dos perversos, mas atende à oração dos justos”. Provérbios 28:9 diz que a oração do desobediente ou rebelde é “abominável” para o Senhor. É repulsiva ou detestável para ele. 

Por outro lado, Tiago nos diz que a oração do justo realiza muito (5:16). Não somos justos em nossa vida diária, mas estamos vestidos da justiça de Cristo. Por isso, no que diz respeito à nossa posição diante de Deus, somos justos. 

Às vezes, os teólogos definem um conceito por dizerem o que algo não diz e o que ele realmente diz. O que o salmista não estava dizendo era que, se tivesse sido culpado de pecado, o Senhor não o teria ouvido. O salmista estava dizendo que, se tivesse pecado em seu coração, Deus não o teria ouvido. 

Portanto, para termos nossas orações ouvidas por Deus, precisamos nos arrepender dos nossos pecados e sermos justificados por Cristo por meio da fé.