segunda-feira, 3 de março de 2014

O princípio da sabedoria

Para ser sábio, é preciso primeiro temer a Deus, o Senhor. Se você conhece o Deus Santo, então você tem compreensão das coisas. (Provérbios 9:10)

Hoje em dia, a grande maioria das pessoas se despreocupa totalmente acerca das realidades espirituais e eternas, amando os prazeres, ao invés de amar a Deus. Multidões se revelam tão indiferentes para com o bem--estar das suas almas. O desafio contra o céu vai se tornando cada vez mais evidente, mais desenfreado, mais ousado. “Não há temor de Deus diante de seus olhos” (Romanos 3.18). Outra coisa ainda, a ideia da autoridade das Escrituras tem sido tão deploravelmente rebaixada nestes últimos tempos. Mesmo entre aqueles que professam pertencer ao Senhor há pouca submissão à sua Palavra, sendo seus preceitos estimados como coisa insignificante e prontamente deixados de lado.

"O que precisa ser ressaltado hoje em dia é que Deus é Deus que deve ser temido. Bem-aventurada é a alma que atingiu um estado de temor a Deus, despertado pela contemplação da Sua majestade. Feliz a alma que tem uma visão da sublime grandeza de Deus, da sua inefável santidade, da sua justiça perfeita, do seu poder irresistível, da sua graça soberana."

Alguém poderia perguntar: “Somente os não salvos, os que estão sem Cristo, é que precisam temer a Deus?” Nesse caso, a resposta adequada é que os salvos, os que se acham em Cristo, é que são admoestados a desenvolver a própria salvação com “temor e tremor”. Houve época na qual descrever o crente como um “homem temente a Deus” era um costume generalizado; e, se esse costume se tornou quase extinto, isso serve apenas para mostrar até onde nos temos deixado levar. Mesmo assim, as Escrituras continuam afirmando: “Como um pai trata com bondade os seus filhos, assim o Senhor é bondoso para aqueles que o temem.” (Salmos 103.13)! 

Quando falamos de temor a Deus, não queremos sugerir o tipo de medo servil que prevalece entre os pagãos em relação a seus deuses. Não; estamos falando daquela atitude que o Senhor se comprometeu a abençoar, falamos daquele espírito descrito pelo profeta: “Mas o homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito e que treme da minha palavra” (Isaías 66.2). É isso que o apóstolo tinha em mente, quando escreveu: “Tratai a todos com honra, amai aos irmãos, temei a Deus, honrai ao rei” (1 Pedro 2.17). 

"E, para desenvolver esse santo temor, nada melhor do que o reconhecimento da soberana majestade de Deus e de uma atitude de obediência à Sua Palavra. Uma visão da pessoa de Deus nos permite reconhecer nossa pequenez e insignificância, e redunda no senso de dependência dEle, e de rendição de nossa pessoa às Suas mãos. Em outras palavras, um espírito de temor ao Majestoso produz uma vida diária calcada na obediência. Esse, pois, é o princípio da sabedoria e o antídoto divino contra a maldade e insensatez dos nossos dias." (A. W. Pink).

Que possamos reverenciar a Deus nestes dias com atitude de firme obediência à Bíblia Sagrada.