sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Prazer na fraqueza

Pelo que sinto prazer nas fraquezas. ... Porque quando sou fraco, então é que sou forte. (2 Coríntios 12:10).

A fraqueza física pode ser vantajosa, às vezes.

Na noite de 5 de fevereiro de 1945, o Capitão Tex e mais 468 prisioneiros, bem como uns 800 sobreviventes de Bataan e Corregidor, foram evacuados da prisão de Bilibid para a fábrica de calçados de Ang Tibay, nos arredores de Manila. A batalha pela libertação da cidade das mãos dos japoneses prosseguia; a cidade estava em chamas e o fogo crepitava inexoravelmente na direção do alojamento.

Sentados no chão, no escuro, em Ang Tibay, ele conheceu alguns dos sobreviventes da Marcha da Morte. Durante um mês, os dois grupos estiveram separados por uma parede de 4,5 metros; aquela era primeira oportunidade de conversar. Ele ficou sabendo que muitos dos companheiros daquele grupo haviam sido enviados de navio para o Japão, como trabalhadores escravos; o último barco lotado havia saído de Manila em meados de dezembro, e aquela embarcação tinha sido torpedeada por um submarino americano. Todos a bordo morreram.

Entre o grupo, naquela noite, estava outro soldado que tinha sido designado para ir naquele navio, mas por causa de uma debilidade física ficara para trás. Tex nunca se esqueceu de como, com lágrimas na voz, aquele soldado contou que sua vida tinha sido poupada por causa de sua deficiência física. Aparentemente, havia sido considerado incapaz para o trabalho escravo.

Todos que já tenham olhado cuidadosamente as fotos do Presidente Theodore Roosevelt, sabem que ele era míope. Durante sua campanha presidencial de 1912, ele foi atingido pelo disparo de um maníaco chamado Schrenk, mas sobreviveu à tentativa de assassínio. O médico que o examinou após o incidente disse-lhe que sua vida tinha sido poupada por um par de óculos com armação de aço que ele havia guardado no bolso do paletó.

"Não é estranho?" comentou Roosevelt. "Sempre achei um incômodo usar óculos por causa da miopia, e agora meu par de óculos de reserva, guardado no bolso, acabou por salvar-me a vida."

Talvez não entendamos neste mundo por que Deus nos permite sofrer aflições físicas. Mas em alguns casos podemos ter a certeza de que Ele as permite porque sabe que, assim como Paulo, somos espiritualmente mais fortes quando estamos fisicamente fracos.

Autor desconhecido