terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Definição de família

“É por isso que o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua esposa, e os dois se tornam uma só pessoa.” [...] Cada marido deve amar a sua esposa como ama a si mesmo, e cada esposa deve respeitar o seu marido. (Efésios 5:31 e 33).

Está em curso uma pesquisa site da Câmara dos Deputados perguntando: “Você concorda com a definição de família como núcleo formado a partir de uma união formada entre um homem e mulher, prevista no projeto que cria o Estatuto da Família?” O resultado desta pesquisa costuma influenciar as decisões dos parlamentares, por isso, você que é uma pessoa temente a Deus deve votar “Sim”. Basta clicar aqui e votar.

Escrevo um pouquinho mais sobre a família. No final eu explico porque votei "sim" na enquete acima.

Todos os povos vivem em sociedade. A sociedade é um conjunto de comunidades que, por sua vez, são compostas por famílias. Pela lógica, a família é a base de tudo. 

Após os anos 40s, com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, paradoxalmente a importância da família começou a ser questionada. Muitos têm sido fortemente influenciados pelo individualismo e o hedonismo, onde a pessoa é o centro do Universo e, para isso, ela tem que procurar a sua própria felicidade, ainda que solitariamente.

O artigo XVI dessa Declaração estabelece que os homens e mulheres de maior idade, sem qualquer restrição de raça, nacionalidade ou religião, têm o direito de contrair matrimônio e fundar uma família. Gozam de iguais direitos em relação ao casamento, sua duração e sua dissolução. Bem antes dessa ideia ser escrita, o Criador reservara uma finalidade específica para o homem e outra para a mulher. Ele determinara que cada um devesse executar a sua tarefa para a qual fora designado. Mas não é bem isso que está acontecendo hoje em dia. Homem e mulher estão abdicando-se de suas atribuições bíblicas.

Para o Criador, o papel da mulher na sociedade é cuidar do lar. A mulher sábia constrói o seu lar, mas a que não tem juízo o destrói com as próprias mãos. (Provérbios 14:1). Isso significa educar ela mesma as crianças. Ninguém pode substituir a educação e o amor de mãe. Hoje, muitas mães dão prioridade à carreira profissional e esquecem-se da sua função básica. Por causa disso, os filhos crescem desnorteados com a vida, pois o que os direciona é o padrão que assimilam em uma educação de creche, de escola ou de rua.

Por sua vez, o papel do homem é prover o sustento para o lar. Cuidar dos seus negócios lá fora, aprontar a lavoura no campo e, depois, edificar a sua casa. (Provérbios 24:27). Ou seja, ao homem cabe ganhar o pão honestamente e prover o sustento da sua família. Existem muitos homens que não querem trabalhar, e por isso as mães acabam obrigadas a exercer um papel que não é delas. Essa inversão de papeis destrói o lar e enfraquece a sociedade. Eis um motivo pelo qual convivemos com tantas pessoas sem um referencial de pai e mãe, rebeldes, infelizes e até violentas.

Nós seres humanos não podemos nos rebelar contra o plano de Deus. Ele é o Supremo Criador. Ele criou homem e mulher (Gênesis 1:27) e ordenou que o homem deixe pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne (Gênesis 2:24) com o objetivo de gerarem filhos e assim perpetuar a espécie humana, a Sua obra prima.

Insurgir-se contra essa definição de família na qual o homem e a mulher têm seu papel claramente definido é destruir a instituição criada por Deus e sofrer as graves consequências com a visível degradação da sociedade dos nossos dias.