sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Fuja para a vida

Fuja das paixões da mocidade e procure viver uma vida correta, com fé, amor e paz, junto com os que com um coração puro pedem a ajuda do Senhor. (2 Timóteo 2:22)

Aqueles que gostam de chegar cedo para curtir uma praia e montam sua barraca perto das ondas sabem muito bem o que vai acontecer mais tarde: A maré irá subir e logo terão que se afastar para não serem arrastado pelas águas. O problema é que só encontrarão lugar atrás dos que chegaram depois. 

Existe um ditado que diz: se você não vai para frente, significa que você está indo para traz. Isso vale para a vida espiritual. Quando não progredimos, perdemos terreno.

Assim como devemos nos afastar para não sermos engolidos pelas águas da praia, devemos também fugir das paixões carnais para continuarmos vivos na fé. Não somente fugir, mas perseguir a justiça, a fé, o amor e a paz.

A palavra “fugir” implica correr o mais rápido que puder para longe de algo que possa ser prejudicial. É exatamente isso que Paulo está aconselhando fazer quando confrontados com “paixões da mocidade”, ou com atitudes que não glorificam a Deus. Da mesma forma, a palavra “perseguir” implica seguir de perto algo com o objetivo de captura-lo. Esta é a maneira que Deus quer que nós aproximemos dele – sempre nos esforçando para chegar a conhecê-lo melhor por meio de sua Palavra, seus mandamentos, e assim crescer na fé.

Quanto mais buscarmos os desejos divinos e a nossa aproximação com Cristo, mais rapidamente nos afastaremos das ações que não glorificam e honram a Deus. 

É uma escolha excludente, ou seja, fujamos para a vida – logicamente significa fugir da morte eterna – ou permaneçamos estacionados espiritualmente, sujeitos ao envolvimento contínuo com o pecado. Não podemos viver um estilo de vida que glorifique a Deus e continuar sendo arrastado por práticas prejudiciais ao crescimento espiritual. 

Em última análise, fugir para a vida – ou crescer espiritualmente – resume se a cada pequena escolha que fazemos. Com a força de Deus podemos negar desejos carnais, e optar por fazer a coisa espiritualmente correta.

Que o nosso relacionamento com Deus nos capacite a encontrar a rota de fuga das práticas contaminadas desse mundo e o caminho da vida eterna.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Precisamos de segurança

Eu penso que o que sofremos durante a nossa vida não pode ser comparado, de modo nenhum, com a glória que nos será revelada no futuro. (Romanos 8:18)

Estamos vivendo um momento de muita insegurança. Percebe-se cada vez mais a insuficiência das autoridades policiais no combate à criminalidade. O que observamos em nossa volta nos leva a concluir que precisamos estar abrigados por uma força sobrenatural. Mas esse medo não acontece só nos dias de hoje.

Na carta aos Romanos, Paulo já procurava tranquilizar as pessoas dizendo que o Espírito Santo nos torna livres do medo e, pelo seu poder, podemos contar com a proteção do Pai Celestial. O Espírito Santo em nós nos convence de que somos filhos do Deus Soberano, o mesmo que controla todos os acontecimentos do Universo, impedindo que o mal tome conta de tudo.

Sendo seus filhos, recebemos as bênçãos e as promessas que ele tem para o seu povo. Não somente agora, mas também na eternidade. O Universo, que se tornou assim porque Deus quis que fosse assim, geme, mas espera com muita impaciência o momento em que Deus irá restaurá-lo.

Um dia o próprio Universo ficará livre do poder destruidor que o mantém escravo do medo e tomará parte na gloriosa segurança preparada para os filhos de Deus.

Pois, não somente o Universo, mas nós, que temos o Espírito Santo como o primeiro presente que recebemos de Deus, também esperamos que Deus nos liberte completamente do medo.

Porém, se estamos esperando alguma coisa que ainda não podemos ver, então esperamos com paciência. Neste período de preparo podemos contar com a ajuda do Espírito Santo, pois com gemidos que não podem ser explicados por palavras, pede a Deus em nosso favor de acordo com a vontade divina.

De fato, Deus tem preparado um lugar maravilhoso, onde poderemos viver com segurança, paz e tranquilidade. Será um lugar lindo, cheio da glória de Deus. Nada neste Universo pode ser comparado ao que Deus tem preparado para aqueles que o amam. 

Então, apesar de tudo que vemos e sentimos, tenhamos a certeza de que “todas as coisas trabalham juntas para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles a quem ele chamou de acordo com o seu plano”. (Romanos 8:28).

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Velha e Nova República

E é assim que o julgamento é feito: Deus mandou a luz ao mundo, mas as pessoas preferiram a escuridão porque fazem o que é mau. (João 3:19).

O Supremo Tribunal Federal decidiu na quarta-feira (13/11) pela execução imediata das penas da maioria dos condenados do mensalão. Para o filósofo Roberto Romano, professor de ética e política da Universidade Estadual de Campinas, isso “não revolucionará a vida pública do país”. “No mesmo momento em que essas pessoas estão sendo punidas, crimes iguais são perpetrados no Brasil inteiro”, afirmou.

De acordo com ele, a decisão da corte “é um pequeno passo no sentido de decretar o fim da impunidade, mas temos uma série de escândalos similares ocorrendo no país, abrangendo muitas legendas, seja de situação ou de oposição. A corrupção no país é sistêmica. Isto é, todas as partes (governo e maioria do povo) dependem disso”.

Segundo esse filósofo, a política brasileira funciona assim: “Se você for oposição, não leva recursos para suas bases eleitorais, e consequentemente não é eleito”. Por sua vez, “o eleitor vota na pessoa que usa de meios antiéticos para trazer recursos para sua cidade”, pois só assim consegue melhorá-la. Sem perceber, a população endossa o “rouba, mas faz”' porque entre um candidato ético que não traz recursos para a cidade e um que usa estes expedientes, ganha o que traz recurso. O Brasil continua na Velha República.

Eu, porém, digo que o homem natural se envereda na escuridão por causa da natureza corrompida na qual nasce. É por isso que Jesus Cristo disse que precisamos nascer de novo. Para ele nos dar uma natureza livre da corrupção.

Mas como nascer de novo? É preciso nascer da água e do Espírito Santo, disse Jesus: “Quem nasce de pais humanos é um ser de natureza humana; quem nasce do Espírito é um ser de natureza espiritual.” (João 3:6).

Assim como Moisés, no deserto, levantou a cobra de bronze numa estaca, assim também o Filho do Homem teve de ser levantado numa cruz, para que todos os que crerem nele tenham vida eterna, que começa com o novo nascimento. 

Então, aquele que crê no Filho tem uma nova vida e não é julgado; mas quem não crê já está julgado porque não crê no Filho único de Deus. Pois todos os que fazem o mal odeiam a luz e fogem dela, para que ninguém veja as coisas más que eles fazem. Mas os que vivem de acordo com a verdade procuram a luz, a fim de que possa ser visto claramente que as suas ações são feitas de acordo com a vontade de Deus. (João 3: 18-21).

Assim como o homem, eu creio que, com Jesus Cristo, o Brasil pode nascer de novo para viver de fato a Nova Republica, conquistada com muito custo após a queda do Regime Militar.

Viva a Proclamação da (Nova) República!

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Cabide de toalhas

Que o Senhor os faça compreender melhor o amor de Deus por vocês e a firmeza que ele, Cristo, dá! (2 Tessalonicenses 3:5)

Quem já não fez alguma promessa consigo mesmo de cuidar melhor da saúde e começar a praticar exercícios físicos? Geralmente no início de ano muitas pessoas resolvem se tornar mais saudáveis e começam a cuidar do corpo. Isso é muito bom! Quantos chegam a comprar uma bicicleta ergométrica e colocá-la em frente a uma TV com a firme convicção de que “agora vou entrar em forma”? Entretanto, é comum ver bicicletas se tornarem cabides de toalhas.

Um personal treiner disse que está acostumado a ver as pessoas começarem animadamente a prática de exercícios. Apesar de dar grandes incentivos, ele percebe que em poucos meses muitos desistem. Sabendo disso, as academias pedem que o novo aluno assuma o compromisso de frequentá-las por um ano, exigindo que deixem cheques pré-datados em garantia. 

Fazer exercício físico é questão de perseverança. A mesma filosofia se ​​aplica à fé. Deus inúmeras vezes se revela ao homem pela sua graça e seu poder. A sua Palavra é a prova disso. Mas apesar de sua insistência, muitos, em momentos de dúvida ou fraqueza, questionam o plano divino para a sua vida e, diante das aflições, afastam-se do Senhor. 

A Palavra de Deus é o nosso equipamento de treino. É a nossa esteira da fé. Suas palavras oferecem incentivos para enfrentarmos as dúvidas e descrenças.

“Meus irmãos, sintam-se felizes quando passarem por todo tipo de aflições. Pois vocês sabem que, quando a sua fé vence essas provações, ela produz perseverança. Que essa perseverança seja perfeita a fim de que vocês sejam maduros e corretos, não falhando em nada! Mas, se alguém tem falta de sabedoria, peça a Deus, e ele a dará porque é generoso e dá com bondade a todos. Porém peçam com fé e não duvidem de modo nenhum, pois quem duvida é como as ondas do mar, que o vento leva de um lado para o outro. Quem é assim não pense que vai receber alguma coisa do Senhor, pois não tem firmeza e nunca sabe o que deve fazer”. (Tiago 1:2-8)

A verdade é que nossos exercícios espirituais não são diferentes dos físicos. Se você quer correr uma maratona, você primeiro tem que correr um quilômetro. Se você quer se tornar um vaso de bênçãos, você tem que começar a praticar a Palavra.

Portanto, não tenha medo de provações e desafios, mas abrace-os como oportunidades para amadurecimento da fé. No início não será fácil, pois é possível que você passe por experiências difíceis e dolorosas. Mas no final você vai olhar para trás e saber que se tornou mais forte. Não deixe seu equipamento da fé se tornar um “cabide de toalhas”.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Ele não se esqueceu de você

Até quando, Senhor? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o teu rosto? (Salmos 13:1)

A pergunta de Davi é uma que nós fazemos com freqüência, em tempos de dificuldade. O salmista se fez esta pergunta seis vezes. Até os mártires do evangelho perguntaram: “Até quando, ó soberano Senhor?” (Apocalipse 6:10)

Sei que há momentos tão escuros na vida que, humanamente, sentimos que Deus se esqueceu de nós. Davi passou por muitos momentos assim. Quando ele escreveu este salmo, estava fugindo de Saul. Eram tempos difíceis. Um dia, até chegou a dizer: “Há um passo entre mim e a morte”. (I Samuel 20:3)

De quem você está fugindo hoje? Que problema tenta esquecer? Que tipo de pressões enfrenta? Porventura já veio à sua mente que a única saída poderia ser abandonar tudo e desaparecer? Você olha para todo lado e não vê luz? Clama e dá a impressão de que Deus não responde?

Todos os dias precisamos aprender a lidar com os sentimentos. Eles, com freqüência, são traiçoeiros. Quando estamos bem, nos fazem sentir que estamos mal e vice-versa. Distorcem a realidade. Colocam uma venda em nossos olhos e nos impedem de enxergar a mão poderosa de Deus.

Outro dia, minha esposa e eu voamos de Charlotte para Saint Louis. O céu estava escuro e chovia bastante. Quando a aeronave começou a ganhar altura, vimos algo que nos ensinou uma grande lição. O avião tremeu ao atravessar as nuvens, mas em poucos minutos voava num céu azul e calmo, onde o sol brilhava em todo o seu esplendor.

Ah!, meu amigo, pode ser que neste momento a sua vida pareça rodeada de nuvens escuras, mas não se esqueça de que, por cima delas, o sol brilha. Não há nuvem, nem tempestade capaz de apagar o sol.

Portanto, não se desespere. Se Deus, na sua infinita sabedoria permite que você viva o momento que está vivendo, é porque tem algo maior e melhor para você. Espere um pouco e o sol brilhará de novo. Deus não se esqueceu de você. Não dorme nem dormita. Continua vigilante. Portanto, não se pergunte como Davi: “Até quando, Senhor? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o Teu rosto?”

Texto de Alejandro Bullon