sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Pode estar na imaginação

Estou derrotado e caído no chão; de acordo com a tua promessa, dá-me novas forças. (Salmos 119:25)

Existe uma história muito conhecida no mundo dos terapeutas sobre um elefante de várias toneladas amarrado a uma estaca tão pequena que até uma criança poderia arrancar. Por estranho que pareça, esse quadro tem uma explicação. Os elefantes têm uma memória prodigiosa, mas não são muito inteligentes. Quando pequenos e ainda sem muita força, são amarrados a estacas. Os filhotes se esforçam por libertar-se. Tentam inutilmente uma e outra vez, até que chegam à conclusão de que é impossível fugir. Nesse ponto, entra em ação a prodigiosa memória, e eles se lembrarão pelo resto da vida de que não podem arrancar a estaca.

É muito comum observar isso no comportamento humano. Quando crianças, algumas pessoas ouviram: “Você não presta”, ou “você nasceu pra sofrer”. Nesses momentos infelizes de suas vidas, uma pequena estaca imaginária foi colocada no inconsciente. Por causa da sua imaginação, as pessoas se acomodam achando que “a vida é assim mesmo” e não correm atrás dos seus ideais.

O salmista passou por experiência semelhante. Em algum momento da vida ele se sentiu derrotado e caído no chão, imaginou-se preso a uma estaca que não o deixava ser feliz. Ele se esforçava, lutava, mas seus complexos impediam-no de sair do marasmo em que se encontrava. Mas ele não se esmoreceu, confiou na promessa divina e clamou ao Senhor por força. A partir desse momento sua vida começou a mudar para melhor. Ele percebera que os males estavam na imaginação.

Você já passou ou tem passado por uma situação semelhante? Pode ser que você esteja passando por um momento em que se sente derrotado e caído no chão. Nada dá certo em sua vida. Sua profissão não deslancha. A família está em pedaços. Deus parece estar distante... 

Eu sugiro a você parar um pouco e refletir se existe alguma estaca imaginária aprisionando a sua alma. Pode ser um complexo inferior, um trauma, ou até mesmo um questionamento sobre a sua existência. Você pode se achar o mais fraco entre os homens, mas é nessa hora que Deus aparece para mudar a sua imaginação.

Quando Deus abre os nossos olhos, passamos a enxergar que a Palavra de Deus, que criou vida quando nada existia, tem poder para recriar tudo que o inimigo destruiu, restaurando a vida de maneira completa. Então, faça como o salmista: confesse ao Senhor que se sente derrotado e caído no chão, e ore pedindo forças.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Ainda há lugar

Mas eles, um por um, começaram a dar desculpas. O primeiro disse ao empregado: “Comprei um sítio e tenho de dar uma olhada nele. Peço que me desculpe.” (Lucas 14:18)

Há pessoas que são especialistas na arte de apresentar desculpas. Diante de um convite, dizem: “Olha, eu gostaria muito de ir, mas...”; “Não leve a mal dessa vez, mas não vai dar”; “Vai ter que ficar para a próxima”; “Surgiu um imprevisto”; “Você me mandou um e-mail?”; “Ué, você não recebeu?”; “Tentei te ligar, mas o celular estava fora da área.”

Seja na escola, no trabalho, no namoro, na hora da multa no trânsito, as desculpas são as mais criativas possíveis. Existem até sites que ensinam as pessoas a apresentarem uma boa desculpa para tudo.

Na história que envolve o verso acima, um homem rico havia enviado um convite com antecipação a muitas pessoas para uma grande festa. Ele esperava que todos fizessem do convite uma prioridade. Mas, dentre os convidados, surgiram três desculpas. A primeira foi a do homem preocupado com seu trabalho: “Comprei um terreno. Preciso ver se é produtivo, quem são meus vizinhos e as perspectivas de valorização.” O trabalho era mais importante do que o convite para a festa. O segundo tinha comprado dez bois. Estava preocupado com seu investimento. “Preciso ver se estão bem cuidados e se fiz um bom negócio.” E a terceira desculpa foi a mais fria: “Não posso ir.” “O relacionamento com minha família e com os amigos é muito forte. Minha esposa não quer ir.”

Note as três desculpas: trabalho, investimento e relacionamentos. Até hoje continuam sendo fatores importantes na hora da decisão.

Nós também, quando fazemos uma festa, queremos ter a casa cheia e ficamos aborrecidos quando a pessoa não dá satisfação. Da mesma forma, Deus espera que seu convite tenha prioridade.

O dono da festa não insistiu com os que trataram com descaso seu convite. Ele disse aos seus servos: “Já que alguns convidados não vieram, eu estendo o convite a todos. Saiam depressa e convidem a todos quanto encontrarem pela frente. É com eles que vou fazer a festa.” Como o compromisso da graça de Deus é alcançar tantos quantos seja possível, da mesma forma o convite para a Salvação foi estendido a todos. 

Em seu amor e graça, Deus quer ver em seu Reino a presença de muitos salvos. E Ele diz: “Venham, pois ainda há lugar.”

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Espantando a depressão

Na primeira vez em que fiz a minha defesa diante das autoridades, ninguém ficou comigo; todos me abandonaram. Espero que Deus não ponha isso na conta deles! (II Timóteo 4:16).

No momento em que escreveu a segunda carta a Timóteo, Paulo, um gigante na fé, estava na prisão e sua alma no fundo do poço. No versículo acima ele narrou que fora abandonado e desprezado pelos amigos e colegas de trabalho. Pela sua expressão, é possível sentir a situação desesperadora em que se encontrava. 

O seu estado emocional era muito delicado, pois além do desprezo, um dos seus amigos íntimos havia lhe causado muitos males, fazendo-o sentir-se traído.

Paulo não se esmoreceu diante do quadro depressivo que lhe sufocava. Num exemplo incontestável de fé e de confiança em Deus, ele tomou algumas atitudes fundamentais que lhe proporcionaram forças para espantar a crise de depressão.

A primeira delas foi pedir a companhia de alguém. (v.9). “Venha me ver logo que puder”, escreveu. Quando nos sentimos abandonados, devemos tomar a iniciativa de convidar alguém para estar conosco. Todos precisam de companhia e, por mais difícil que seja a situação, há sempre alguém em que podemos confiar e expressar nossos sentimentos e frustrações.

Paulo também compreendeu os erros das pessoas. (v.11). Marcos, um de seus colegas de trabalho, havia retrocedido durante uma missão obrigando-o a seguir sozinho a viagem. Quantas vezes somos largados no meio das lutas da vida! Mas Paulo não foi arrogante, perdoou e deu a Marcos outra chance de ajudar.

Paulo procurou aliviar o sofrimento. (v.13). Paulo não gostava de sofrer. Ele estava passando muito frio na prisão e pediu que lhe trouxessem a capa para lhe aquecer e dar conforto. Quantas pessoas sofrem, procuram o sofrimento, e acham que devem continuar assim! Mas Deus não gosta que maltratemos o corpo.

Paulo ocupou o seu tempo com algo útil. “Traga os livros também, principalmente os pergaminhos”. (v. 13). Como um grande filósofo, ele gostava de ler os pensadores da época. Como um fiel cristão, também jamais deixou de meditar na Palavra de Deus. 

Enfim, a principal atitude foi alimentar a certeza de que o Senhor estava presente dando força no momento crítico. Ele termina sua carta com a esperança de que “o Senhor me livrará de todo mal e me levará em segurança para o seu Reino celestial. A ele seja dada a glória para todo o sempre! Amém!” (v.18).

Certamente, as atitudes desse grande homem servem como referência para espantarmos esse mal do século chamado depressão.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Sede fortalecidos!

Tornem-se cada vez mais fortes, vivendo unidos com o Senhor e recebendo a força do seu grande poder. (Efésios 6:10)

O homem tem fraqueza moral, física, emocional e espiritual. A sua tendência é pecar, não de se santificar. O diabo está sempre à procura de fraquezas e brechas para jogar uma tentação. A solução é revestir-se de Deus e ser fortalecido na força do seu poder todos os dias. 

Quando somos fortalecidos pelo Senhor nos tornamos capazes de vencer as fraquezas. Não ficaremos perfeitos, mas caminharemos para a santificação, num processo contínuo que envolve também a nossa participação. 

Existem seis passos para o fortalecimento espiritual:

1. Orar – Não podemos negligenciar a oração. É preciso orar e pedir orações, pois nós não estamos lutando contra seres humanos, mas contra as forças espirituais do mal que vivem nas alturas, isto é, os governos, as autoridades e os poderes que dominam completamente este mundo de escuridão. (v. 11)

2. Ler Palavra – Não podemos deixar de fazer o nosso devocional com Deus. Devemos nos vestir com toda a armadura que Deus nós dá, para ficarmos firmes contra as armadilhas do Diabo. Assim, quando chegar o dia de enfrentarmos as forças do mal, nós poderemos resistir aos ataques do inimigo e, depois de lutarmos até o fim, continuarmos firmes, sem recuar.

3. Não caminhar sozinho – Não podemos desprezar as boas companhias, nem deixarmos de congregar, pois quando estamos juntos encontramos força para prosseguir na caminhada. (Hebreus 10:25)

4. Buscar os frutos do Espírito Santo e fugir das obras da carne – É impossível buscar o fortalecimento no Senhor sem antes buscar a direção do Espírito Santo, que nos livra de cairmos em tentações. (Gálatas 5:16-26)

5. Simplificar a vida – Às vezes estamos enfraquecidos porque queremos ter coisas das quais não precisamos! O trabalho em demasia por supérfluos nos toma tempo precioso que poderia ser gasto na busca do Espírito Santo.

6. Desprezar o descontentamento – Não há nada que enfraqueça mais a vida do crente do que o descontentamento. Em vez de reclamarmos, é preciso louvar a Deus em todo tempo.

Entretanto, se por acaso fraquejarmos espiritualmente, não fiquemos desesperados, mas confiemos, porque Deus nos fortalece e nos encoraja mediante a atuação do seu Espírito Santo em nós.