terça-feira, 30 de julho de 2013

Fé com prática

Portanto, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem ações está morta. (Tiago 2:26)

Sabemos que “sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a ele precisa crer que ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor.” (Hebreus 11:6).

Desde os anos 80, muitos cientistas estudam a influência da fé no bem-estar físico e mental. Os resultados são surpreendentes. “Diversas pesquisas já mostraram que pessoas mais espiritualizadas sofrem menos de ansiedade, depressão e estresse, estão menos vulneráveis a doenças cardíacas, vasculares, endócrinas e autoimunes; como consequência, vivem mais e melhor”, garante Ricardo Monezi, pesquisador do Centro de Estudos em Medicina Comportamental da UNIFESP. 

De fato, sem fé é impossível ter Deus ao nosso lado. E sem a ajuda dele, os desafios do dia a dia parecem mais complicados. “A experiência religiosa, na maioria das vezes, pressupõe a concentração e a busca do equilíbrio a partir da conexão com alguma força maior em que se acredita, que pode ser feita, por exemplo, a partir da oração”, esclarece Jorge Claudio Ribeiro, filósofo e professor da PUC-SP. “Assim, a pessoa que crê conta com recursos para se refazer mais rapidamente, enquanto a que não acredita em nada tem mais chances de se desesperar diante de uma dificuldade”, justifica. 

Quem acredita em Deus sabe que pode comunicar-se com ele na oração e na leitura da sua Palavra. Sabe que ele zela por nós. Isso por si só já produz um sentimento de segurança e conforto nos impulsionando a lidar com os grandes mistérios da vida.

Entretanto, segundo Tiago, é preciso colocar a fé em prática para que tenha valor. O contexto do verso acima encampa as obras sociais e o cuidado para com o próximo. Nesse sentido, podemos inferir que o foco de nossas ações também deve estar voltado para nós, pois é impossível amar o próximo sem amarmos a nós mesmos. 

Então, se cremos que Deus está ao nosso lado e zela por nós, precisamos externalizar essa crença com atitudes que comprovem a fé. “Quando há coerência entre o que se fala e o que se vive, a fé realmente passa a funcionar como um instrumento para o desenvolvimento pessoal, pautando a mudança real de atitudes”, afirma David Charles, teólogo e chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

Se quisermos boa qualidade de vida, a solução começa com o exercício prático da fé.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

A vontade de Deus

Porque aqueles que já tinham sido escolhidos por Deus ele também separou a fim de se tornarem parecidos com o seu Filho. (Romanos 8:29)

No meio da festa de comemoração de seu 86º aniversário, o mundialmente conhecido teólogo, escritor e evangelista John Stott pegou o microfone e compartilhou uma resposta à pergunta que mais incomoda a humanidade em todos os tempos: Qual é a vontade de Deus para o homem? E como ele nos faz cumprir a sua vontade?

Disse John Stott a uma imensa plateia: “Deus quer que o homem se torne como Cristo, pois semelhança com Cristo é a vontade de Deus para a humanidade.” 

Na verdade, todo homem foi predestinado a ser semelhante a Cristo. Esse é o propósito eterno de Deus. Mas ainda não somos como Cristo. Estamos sendo mudados, transformados pelo Espírito Santo a cada dia. Não alcançamos ainda a perfeição, mas seremos como Cristo quando ele se manifestar na sua volta. Naquele dia haveremos de vê-lo como ele é e a perfeição será plena.

Enquanto isso, procuramos ser como Cristo na sua maneira de viver como viveu aqui, com humildade; na sua forma de servir como serviu, não se considerando superior a ninguém; no seu jeito de amar como amou, ao ponto de se entregar na cruz para salvação da humanidade; na sua longanimidade, pagando o mal com o bem; no cumprimento da sua missão, fazendo discípulos em toda terra.

A consequência prática dessas atitudes é que a semelhança com Cristo nos faz entender claramente o problema do sofrimento aceitando-o como parte do processo de Deus para nos fazer como Cristo. Deus está sempre trabalhando para o nosso bem.

Também nos faz aceitar o desafio do evangelismo, reconhecendo que o sucesso dessa missão está no fato de que devemos parecer com o Cristo que proclamamos. A pregação mais eficaz provém daqueles que vivem conforme aquilo que dizem. 

“É importante saber acolher; é algo mais bonito que qualquer enfeite ou decoração. Isso é assim porque quando somos generosos acolhendo uma pessoa e partilhamos algo com ela - um pouco de comida, um lugar na nossa casa, o nosso tempo - não ficamos mais pobres, mas enriquecemos. Sei bem que quando alguém que precisa comer bate na sua porta, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida: como diz o ditado, sempre se pode 'colocar mais água no feijão'”! (Papa Francisco) 

Ao tentarmos parecer com Cristo passamos a compreender o mistério da habitação do Espírito Santo no nosso corpo mortal. Se o Espírito está em nós, claramente somos capacitados a viver uma vida como Cristo viveu. Isso acontece não pela nossa força, mas pela atuação do Espírito que nos regenera e nos transforma.

Que Deus nos capacite cumprir a sua vontade nos enchendo com o Espírito Santo.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Uma água especial

O anjo também me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro. (Apocalipse 22:1)

Porque é que não consigo ser feliz? Esta é a pergunta que muitos fazem. O desejo de ser feliz é o sentimento que está presente em todos os seres humanos. Existem coisas que contribuem para a nossa felicidade, mas nem todas nós conseguimos obter. Quando isso acontece, na nossa intimidade começa a florescer a angústia e a tristeza. Se não as desfazemos com rapidez, logo a desesperança e a infelicidade encontram terreno fértil. 

Mas o que vem a ser mesmo felicidade? Felicidade é o estado de ser em que a alegria é permanente. Muitas pessoas confundem felicidade com momentos de alegria ou divertimento. A alegria vem de fora, enquanto a felicidade tem sua origem no íntimo. “As pessoas desejam e se empenham pelo que acreditam que vá torná-las felizes – boa saúde, aparência atraente, casamento ideal, filhos, casa confortável, sucesso, fama, independência financeira. Entretanto, nem todos os que alcançam esses objetivos encontra a felicidade.” (Armand M. Nicholi, Jr) 

Há uma “sede” por felicidade que não é saciada com conquistas materiais. É algo parecido com que tomar água no deserto. Sacia-se por um instante, mas logo é preciso mais água para matar uma sede que não quer cessar. Essa “sede” só pode ser saciada com uma água especial. 

Era mais ou menos meio-dia quando Jesus, cansado da viagem, sentou-se perto do poço. Uma mulher samaritana veio tirar água, e Jesus lhe disse: — Por favor, me dê um pouco de água. A mulher respondeu: — O senhor é judeu, e eu sou samaritana. Então como é que o senhor me pede água? Então Jesus disse: — Se você soubesse o que Deus pode dar e quem é que está lhe pedindo água, você pediria, e ele lhe daria a água da vida. Quem beber da água deste poço terá sede de novo, mas a pessoa que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede. Porque a água que eu lhe der se tornará nela uma fonte de água que dará vida eterna. (João 4:10-14)

Deus, na expressão de Jesus Cristo, é a fonte da água especial capaz de matar de vez a nossa “sede”, simplesmente porque em seu plano da criação estava embutida a felicidade do homem. Mas, infelizmente, o livre-arbítrio possibilitou o homem encolher o caminho da felicidade sem depender da fonte da água da vida. 

Enquanto essa dependência de Deus não for restabelecida, todas as tentativas do homem de matar a “sede” da felicidade jamais serão suficientes, porque somente do trono de Deus e do Cordeiro sai o rio da água da vida capaz de saciar a nossa “sede” para sempre.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Ó dívidas!

Quem ficar como fiador de qualquer um acabará chorando. Será melhor não se comprometer. (Provérbios 11:15).

A expressão “qualquer um” significa alguém que conhecemos pouco. Não é prudente ser fiador de alguém que não conhecemos bem. Ou seja, para que possamos nos comprometer, é preciso saber como a pessoa administra os seus recursos financeiros.

Porque o dinheiro é algo fascinante, misterioso e ofuscante. Ele cega, confunde e corrompe muita gente. Muitas amizades foram desfeitas, algumas famílias destruídas e outros relacionamentos rompidos por causa do dinheiro, ou da sua má administração.

Eu gostaria de escrever um pouco sobre o mau uso do dinheiro. Embora não haja base bíblica para afirmar que pegar dinheiro emprestado seja errado, eu quero aproveitar o contexto do verso acima para afirmar que existem abundantes conselhos sobre o uso correto do dinheiro. Quando pedimos dinheiro emprestado, nós nos colocamos numa situação de dependência, fato que não é saudável.

A nossa sociedade é consumista e nós estamos no meio dela influenciados pelos costumes. A propaganda tem como propósito vender o que não estamos pensando em comprar. Se não estamos pensando em comprar é porque não estamos precisando. Existe algo de cruel na publicidade, que cria em nós necessidades que não existem. Sentimos-nos infelizes por não podermos comprar o que vemos na mídia, ou acabamos gastando o dinheiro que não temos.

Embora as propagandas dos agentes financeiros – e até mesmo do governo – não deixem transparecer, o acesso desenfreado ao crédito se torna facilmente o passaporte para uma vida com preocupações e estresses. As dívidas mal administradas sempre se transformam numa bola de neve difícil de ser desfeita.

Não pensemos que a melhor ajuda à pessoa endividada seja emprestar-lhe dinheiro ou dá lhe fiança. A melhor ajuda nessas circunstâncias é sentar-se com ela e ajudá-la a reavaliar a maneira de administrar o dinheiro que ganha e viver dentro do limite do seu orçamento. 

Após isso, pode-se orar com ela pedindo que Deus lhe dê força para cumprir o compromisso consigo mesma de viver dentro do padrão de vida condizente com a sua renda. Essa é uma saída para o problema da dívida.

Que Deus abençoe o nosso bolso, e o nosso crédito também.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Não tenho medo de nada

O Senhor Deus é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? O Senhor me livra de todo perigo; não ficarei com medo de ninguém. (Salmo 27:1)

Sabemos que o medo é uma reação protetora e saudável do ser humano. O medo “normal” vem de estímulos reais de ameaça à vida. A cada situação nova, inesperada, que representa um perigo, surge o medo. Mas, e quando tudo tem causado medo, como ultimamente no dia-a-dia?

Todo mundo teme algo - assaltos, aviões, doenças, dentistas, solidão, entre outras coisas. Claro que a intensidade do medo é intensificada pelo histórico de vida de cada um. Diante dos pavores, muitas pessoas lutam, outras fogem. Mas a Palavra nos afirma que temos uma terceira opção, porque Deus está agindo por nós.

O Salmista confiante em Deus não temia porque percebia que quando os maus o atacavam, eles tropeçavam e caiam. Ele pedia a Deus para deixá-lo viver na sua presença todos os dias da vida, para sentir, maravilhado, a sua bondade e pedir a sua orientação.

Em tempos difíceis, Deus o acolhia e o colocava em segurança. Assim, ele vencia os inimigos representados pelo medo e pela sensação de abandono. O Senhor sempre o ouvia nas orações. 

Quando estava em apuros, ele corria para a Palavra de Deus e claramente ouvia a sua voz dizendo: “Venha me adorar.” Não importava a sua condição espiritual, o Salmista orava assim: “– Senhor, não te escondas de mim. Não fiques irado comigo; não rejeites este teu servo. Ó Deus, meu libertador, tu tens sido a minha ajuda; não me deixes, não me abandones.” (Salmo 27:9)

Ele tinha certeza de que ainda que o seu pai e a sua mãe lhe abandonassem, o Senhor cuidaria dele.

A única condição que ele mesmo se impôs diante de Deus foi aprender a fazer a vontade do Altíssimo. Dessa forma, ele teria plena certeza de que Deus o guiaria por caminhos seguros e que não se socumbiria diante dos homens maus, mentirosos e violentos.

Ele sabia que Deus iria lhe mostrar, ainda em vida, a sua bondade e o seu livramento. Com essa convicção, ele instruiu a humanidade a confiar no Senhor, ter fé e coragem. (Salmo 27:14).

Confiante em Deus, e convencido pelas suas palavras no Salmo 17, posso dizer que não tenho medo de nada. Você também pode dizer o mesmo?

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Boa carreira profissional

De fato, o Senhor fez grandes coisas por nós, e por isso estamos alegres. (Salmos 126:3)

Em uma guerra, o território de Israel foi invadido e o povo havia perdido todos os seus bens. Israel permaneceu um bom tempo morando em terra distante, cativo e sob o domínio de outros povos. Mas algo importante o inimigo não lhe pode roubar: Os sonhos. 

Podem nos roubar tudo, mas não nos podem tirar o direito de sonhar. Os sonhos mantêm a vida. Com os sonhos em mente, é possível renascer-se das cinzas. E foi isso que aconteceu com Israel. Após voltar-se para o Senhor, aquele povo começou novamente a prosperar, pois teve a oportunidade de retornar para a sua terra. 

Então, começaram a cantar: “Quando o Senhor Deus nos trouxe de volta para Jerusalém, parecia que estávamos sonhando. Como rimos e cantamos de alegria! Então as outras nações disseram: ‘O Senhor fez grandes coisas por eles!’ De fato, o Senhor fez grandes coisas por nós, e por isso estamos alegres.”

A oração daquele povo era assim: “Ó Senhor, faze com que prosperemos de novo, assim como a chuva enche de novo o leito seco dos rios. Que aqueles que semeiam chorando façam a colheita com alegria! Aqueles que saem chorando, levando a semente para semear, voltam cantando, cheios de alegria, trazendo nos braços os feixes da colheita.”

O Senhor Deus ouve a nossa oração e nos atende. Mas há algo que depende de nós, para que tenhamos nossos sonhos realizados na carreira, por exemplo. O profissional moderno só se torna mais forte à medida que enfrenta novos desafios a cada dia nas mais diversas situações. 

Para ser bem sucedido em qualquer profissão é necessário que a pessoa comunique-se com eficiência; saiba lidar com conflitos internos e externos; tenha metas bem definidas; relacione-se com inteligência; aprenda algo novo todos os dias; pratique o marketing pessoal com eficiência. 

Pessoas munidas de informação – aquelas que lêem com freqüência, participam de cursos, seminários e de eventos sociais – estão muito à frente daquelas que estão paradas no tempo e no espaço sem se darem conta que tudo neste mundo globalizado está acontecendo rápido demais e o profissional que tiver curiosidade e disposição para estar sempre aprendendo coisas novas terá muito mais chance de progredir na sua carreira profissional.

Enfim, Deus nos ajuda a prosperar e a realizar nossos sonhos, assim como fez com o povo de Israel. Mas precisamos fazer a nossa parte.

Desejo a você sucesso em sua carreira profissional!

terça-feira, 9 de julho de 2013

Drogas pra quê?

E, como não querem saber do verdadeiro conhecimento a respeito de Deus, ele entregou os seres humanos aos seus maus pensamentos, de modo que eles fazem o que não devem. (Romanos 1:28) 

Hoje eu assisti a uma reportagem da TV na qual fiquei sabendo que não há mais nenhuma cidade no Brasil onde o crack não tenha dominado algumas pessoas. O uso de drogas tem crescido muito rapidamente na nossa sociedade. Mas por que será que as pessoas usam drogas? 

Não existe uma causa ou motivo suficientemente forte que justifique o uso de drogas. Muitas vezes, mesmo sabendo do mal que fazem e dos perigos da dependência que criam, a pessoa assume os riscos ao usá-las em troca de um prazer fugaz. 

Algumas pessoas relatam que usam drogas devido ao desconforto consigo mesmas e à falta de apoio e carinho da família. Outras relatam que é pela curiosidade de saber quais são as sensações que a droga pode trazer. Há, ainda, as que acreditam que as pessoas se drogam por problemas da vida como solidão, amizades ruins, rebeldia, depressão, raiva e desprezo. 

De um modo geral os especialistas acreditam que as pessoas usam drogas com o objetivo de reduzir sensações desagradáveis; aumentar sensações de prazer; aumentar os rendimentos psicofísicos e estéticos; transcender as limitações do corpo ou como substituto para experiências religiosas. 

Na verdade, a maioria das pessoas que usam drogas o fazem com o intuito de preencherem “um vazio dentre de si”. Muitas vezes, ouvimos pessoas bem sucedidas falarem sobre esse tal “vazio”. Infelizmente, nem as drogas não o preenchem.

Que vazio é esse afinal que não pode ser preenchido com nada desse mundo? Nossos primeiros pais, Adão e Eva, foram criados perfeitos em todos os aspectos. Mas quando desobedeceram a Deus, infringindo a única proibição que lhes foi dada, eles caíram do estado de graça e, no processo, ganharam uma natureza depravada. O aspecto espiritual de suas naturezas morreu imediatamente e o processo físico da morte teve início. O resultado é que nós, seus descendentes, herdamos uma natureza com um “vazio” espiritual gigantesco que Deus antes ocupava. 

E esse vazio vai continuar lá, enquanto o Senhor estiver ausente. Ele só pode ser preenchido por Jesus Cristo. Hoje você precisa convidá-lo para morar em seu coração, caso contrário ele não virá. A escolha é sua! Quando ele entrar na sua vida e for Senhor dela, o vazio não mais existirá. E as drogas perderão o sentido.

sexta-feira, 5 de julho de 2013

A preguiça mata

Como vinagre para os dentes e fumaça para os olhos, assim é o preguiçoso para aqueles que o mandam.
(Provérbios 10:26).

A preguiça mata. Lenta, imperceptível e dissimuladamente. Mata porque o preguiçoso nada realiza, e uma vida sem realizações é uma agonia que não acaba. E, quando acaba, termina em pobreza e miséria.

O preguiçoso vive jogando a culpa de sua triste situação nos outros ou na falta de oportunidades. Ignora que as oportunidades não caem do céu; é preciso criá-las.

Salomão compara o preguiçoso com o vinagre e a fumaça. Ninguém os suporta. Você os tolera. Que empregador é feliz com um empregado que se limita a fazer o que se lhe ordena?

O trabalho é uma das maiores bênçãos porque lhe dá sentido e propósito à vida. A vida não é só existir, é também fazer e acontecer. O trabalho faz as coisas acontecerem.

O trabalho é um dos temas mais tratados do livro de Provérbios. O objetivo de Salomão é ensinar as pessoas a serem felizes. Não há felicidade sem realização, e esta é resultado do trabalho.

Não invente desculpas. A vida é curta. Desperdiçar tempo buscando pretextos para adiar as oportunidades é tolice. Não espere o trabalho ideal. Vá atrás dele e, enquanto não o achar, faça o que vier às suas mãos. Não existe trabalho indigno ou humilhante. Qualquer trabalho, por insignificante que pareça, é o primeiro passo para chegar ao trabalho dos sonhos.

As instituições e empresas estão procurando pessoas com vontade de fazer as coisas acontecerem. Grandes salários são a conseqüência natural de diligência e entrega. Jesus disse um dia: “Quem é fiel no pouco também é fiel no muito.” (Lucas 16:10).

Sacuda hoje a poeira dos pés. E, mesmo desempregado, faça o que vier à mão para fazer. Mas faça-o com dedicação e entusiasmo, como se fosse o grande trabalho com o qual você sonhou.

Quando uma pessoa está bem com Deus, está bem consigo mesma e tem vontade de sair da atual situação das coisas. Faça de hoje um dia de realizações. Fuja da preguiça porque “como vinagre para os dentes e fumaça para os olhos, assim é o preguiçoso para aqueles que o mandam”.

Pastor Alejandro Bullón

terça-feira, 2 de julho de 2013

Dissipando o mau pensamento

Deus, que fez o mundo e tudo o que nele existe, é o Senhor do céu e da terra e não mora em templos feitos por seres humanos. E também não precisa que façam nada por ele, pois é ele mesmo quem dá a todos vida, respiração e tudo mais. (Atos 17:24-25)

Muitas pessoas têm pensamentos suicidas. Outros não o conseguem dominar. A taxa de suicídios cresce a cada ano. Mas Deus tem uma saída para se evitar esta escolha abominável.

Cada pessoa é um grande projeto no qual está depositada a confiança de Deus. O sopro da vida foi dado pelo Criador à sua obra prima com um propósito muito especial de ser a morada do Espírito Santo. O nosso corpo é o Templo de Deus, seja ele bonito, feio, sadio, doente, rico ou pobre.

Sabendo das nossas dificuldades de lidar com os desafios da vida, Deus nos revelou a sua Palavra, na qual está a saída e o conforto que precisamos. Para se ter ideia de quanto ele nos ama, a sua Palavra existe antes mesmo da criação. No começo aquele que é a Palavra já existia. Ele estava com Deus e era Deus. Desde o princípio, a Palavra estava com Deus. Por meio da Palavra, Deus fez todas as coisas, e nada do que existe foi feito sem ela. A Palavra era a fonte da vida, e essa vida trouxe a luz para todas as pessoas. (João 1:1-4)

Com a Palavra, Deus nos garante a capacidade de lidarmos com as dificuldades, as desilusões e as insatisfações. Muitas pessoas não compreendem isso e se acham no direito de tirar a própria vida. Precisamos pedir a Deus que abra o nosso entendimento para aceitarmos a Palavra como o livramento de nossas angústias.

Amigos, com os nossos problemas crescemos e nos tornamos mais fortes psicologicamente. Com as nossas frustrações compreendemos as desarmonias entre sonho e realidade, desejos e decepções que nos tornam depressivos e angustiados.

Sabemos o quanto é difícil compreendermos o sentido da vida quando deparamos com as frustrações, mas paremos, reflitamos, elevemos o pensamento a Deus e tomemos uma atitude de desprendimento material e de desapego, até mesmo a pessoas.

Devemos agradecer a Deus o fato de estarmos vivos e com chances de continuar enfrentado o desafio sublime de abrigar a presença do Espírito Santo dentro de nós. Quando depararmos com o princípio de qualquer dor ou vergonha, lembremos que somos eternos, que a vida é um aprendizado, e que nenhum mau pensamento pode nos separar do amor de Deus. (Romanos 8:35)