quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Velha e Nova República

E é assim que o julgamento é feito: Deus mandou a luz ao mundo, mas as pessoas preferiram a escuridão porque fazem o que é mau. (João 3:19).

O Supremo Tribunal Federal decidiu na quarta-feira (13/11) pela execução imediata das penas da maioria dos condenados do mensalão. Para o filósofo Roberto Romano, professor de ética e política da Universidade Estadual de Campinas, isso “não revolucionará a vida pública do país”. “No mesmo momento em que essas pessoas estão sendo punidas, crimes iguais são perpetrados no Brasil inteiro”, afirmou.

De acordo com ele, a decisão da corte “é um pequeno passo no sentido de decretar o fim da impunidade, mas temos uma série de escândalos similares ocorrendo no país, abrangendo muitas legendas, seja de situação ou de oposição. A corrupção no país é sistêmica. Isto é, todas as partes (governo e maioria do povo) dependem disso”.

Segundo esse filósofo, a política brasileira funciona assim: “Se você for oposição, não leva recursos para suas bases eleitorais, e consequentemente não é eleito”. Por sua vez, “o eleitor vota na pessoa que usa de meios antiéticos para trazer recursos para sua cidade”, pois só assim consegue melhorá-la. Sem perceber, a população endossa o “rouba, mas faz”' porque entre um candidato ético que não traz recursos para a cidade e um que usa estes expedientes, ganha o que traz recurso. O Brasil continua na Velha República.

Eu, porém, digo que o homem natural se envereda na escuridão por causa da natureza corrompida na qual nasce. É por isso que Jesus Cristo disse que precisamos nascer de novo. Para ele nos dar uma natureza livre da corrupção.

Mas como nascer de novo? É preciso nascer da água e do Espírito Santo, disse Jesus: “Quem nasce de pais humanos é um ser de natureza humana; quem nasce do Espírito é um ser de natureza espiritual.” (João 3:6).

Assim como Moisés, no deserto, levantou a cobra de bronze numa estaca, assim também o Filho do Homem teve de ser levantado numa cruz, para que todos os que crerem nele tenham vida eterna, que começa com o novo nascimento. 

Então, aquele que crê no Filho tem uma nova vida e não é julgado; mas quem não crê já está julgado porque não crê no Filho único de Deus. Pois todos os que fazem o mal odeiam a luz e fogem dela, para que ninguém veja as coisas más que eles fazem. Mas os que vivem de acordo com a verdade procuram a luz, a fim de que possa ser visto claramente que as suas ações são feitas de acordo com a vontade de Deus. (João 3: 18-21).

Assim como o homem, eu creio que, com Jesus Cristo, o Brasil pode nascer de novo para viver de fato a Nova Republica, conquistada com muito custo após a queda do Regime Militar.

Viva a Proclamação da (Nova) República!