sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Enquanto puder...

Assim, como a criança desmamada fica quieta nos braços da mãe, assim eu estou satisfeito e tranquilo, e o meu coração está calmo dentro de mim. (Salmo 131:2)

O salmista passou por uma grande transformação espiritual. Em sua oração ele disse: Ó Deus, eu já não sou orgulhoso; deixei de olhar os outros com arrogância. Não vou atrás das coisas grandes e extraordinárias, que estão fora do meu alcance. Em seguida, ele escreveu o verso acima.

No campo espiritual, a Bíblia nos incentiva a tornamos como criança. Mateus 18:2-3 relata que Jesus chamou uma criança, colocou-a na frente dos seus discípulos e disse: Eu afirmo a vocês que isto é verdade: se vocês não mudarem de vida e não ficarem iguais às crianças, nunca entrarão no Reino do Céu, porque a criança, na falta de malícia, reconhece a dependência do pai. Esse é um aspecto.

Por outro lado, a criança precisa crescer. Leia o que o escritor da carta aos Hebreus escreveu quando explicava a forma de servir a Deus: “Temos muito o que dizer a respeito desse assunto; mas, porque vocês custam a entender as coisas, é difícil explicá-las. Depois de tanto tempo, vocês já deviam ser mestres, mas ainda precisam de alguém que lhes ensine as primeiras lições dos ensinamentos de Deus. Em vez de alimento sólido, vocês ainda precisam de leite. E quem precisa de leite ainda é criança e não tem nenhuma experiência para saber o que está certo ou errado. Porém a comida dos adultos é sólida, pois eles pela prática sabem a diferença entre o que é bom e o que é mau”. (Hebreus 5:11-14)

Então, até quando devemos ser criança? A adolescência é a fase que marca a transição entre a infância e a idade adulta. Em um estudo publicado recentemente, Psicólogos britânicos especializados no tratamento de jovens estão sendo orientados a considerar que hoje a adolescência vai até os 25 anos. Eles chamam esses adolescentes de jovens infantilizados.

Há algum indício de que poderíamos estar criando uma nação de jovens que relutam em deixar a adolescência para trás? Acredito que não. O que está havendo é apenas uma extensão do período da adolescência. E isso não tão ruim, desde que os pais desempenhem um papel no ensino de responsabilidades-chaves, e que os jovens, em troca, deem o retorno. Isso funciona para todas as áreas da vida, inclusive a espiritual.

Enfim, para mim, a vida adulta é perceber que não há adultos completos e que todos nós estamos crescendo a cada dia, sempre ao lado de Cristo. Mas “é bom ser criança enquanto puder”. Feliz Dia das Crianças!