sexta-feira, 6 de setembro de 2013

A Bíblia da Psiquiatria

Quando te chamei, tu me respondeste e, com o teu poder, aumentaste as minhas forças. (Salmos 138:3)

A quinta edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders ou DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), conhecido como a "Bíblia da Psiquiatria", foi lançada em maio passado, nos EUA, cercada de muita polêmica.

O novo manual amplia ainda mais o número de doenças mentais, além de aumentar as chances de alguém ser diagnosticado com os transtornos já existentes. Com isso, cresceria o número de pessoas tratadas com medicamentos para transtornos mentais - e, consequentemente, o mercado para a indústria farmacêutica.

Uma das principais críticas é a de que o DSM-5 estaria transformando em doenças comportamentos até agora considerados comuns, como o sofrimento após a perda de alguém próximo (agora, o luto que durar mais de duas semanas é considerado sintoma de depressão), colocando em discussão a fronteira entre o que é considerado “normal” e o que pode ser definido como doença mental.

“Existe uma inflação de diagnósticos. Decisões que pareciam fazer sentido foram exploradas por empresas farmacêuticas em campanhas de marketing agressivas e enganosas. Elas venderam a ideia de que problemas da vida cotidiana são na verdade doenças mentais, causadas por desequilíbrios químicos e curadas com uma pílula”, diz Frances, professor emérito da Universidade de Duke, na Carolina do Norte, e um dos maiores críticos do DSM-5.

Há muitos séculos a Bíblia Sagrada tem gratuitamente mostrado soluções muito eficazes para esses problemas que a Psiquiatria considera doenças mentais.

Certo dia um segurança de uma escola contou-me que quando era policial caçava bandidos de maneira implacável e impiedosa. Sentia ódio pelas pessoas que falavam da Bíblia Sagrada, porque entre os marginais encontrava muitos que diziam ser crentes.

Uma vez, entrou em depressão. Disse que não havia motivo nenhum de ter pesadelos terríveis, a ponto de não dormir com medos que antes não sentira. Passou um bom tempo na vida chorando por motivos fúteis, sem apetite, sem alegria, agressivo, solitário e sem vontade de viver.

Naquelas circunstâncias ele se deparou com a Bíblia Sagrada e encontrou em suas palavras inspiradas promessas maravilhosas. Após buscar ao Senhor ele sentiu-se como um pássaro que saiu da gaiola e começou a ver a beleza da vida nos seus mínimos detalhes. Hoje, lê a Bíblia Sagrada e ora todos os dias.

Assim é a Palavra de Deus. Os Salmos foram escritos por pessoas que atravessavam momentos difíceis na vida, com problemas aparentemente insolúveis. Mas Deus misericordioso jamais os desamparou, e sempre lhes providenciou o refrigério e a força para a alma. Você crê que a Palavra é muito útil para nós? Eu creio.