sexta-feira, 19 de julho de 2013

Ó dívidas!

Quem ficar como fiador de qualquer um acabará chorando. Será melhor não se comprometer. (Provérbios 11:15).

A expressão “qualquer um” significa alguém que conhecemos pouco. Não é prudente ser fiador de alguém que não conhecemos bem. Ou seja, para que possamos nos comprometer, é preciso saber como a pessoa administra os seus recursos financeiros.

Porque o dinheiro é algo fascinante, misterioso e ofuscante. Ele cega, confunde e corrompe muita gente. Muitas amizades foram desfeitas, algumas famílias destruídas e outros relacionamentos rompidos por causa do dinheiro, ou da sua má administração.

Eu gostaria de escrever um pouco sobre o mau uso do dinheiro. Embora não haja base bíblica para afirmar que pegar dinheiro emprestado seja errado, eu quero aproveitar o contexto do verso acima para afirmar que existem abundantes conselhos sobre o uso correto do dinheiro. Quando pedimos dinheiro emprestado, nós nos colocamos numa situação de dependência, fato que não é saudável.

A nossa sociedade é consumista e nós estamos no meio dela influenciados pelos costumes. A propaganda tem como propósito vender o que não estamos pensando em comprar. Se não estamos pensando em comprar é porque não estamos precisando. Existe algo de cruel na publicidade, que cria em nós necessidades que não existem. Sentimos-nos infelizes por não podermos comprar o que vemos na mídia, ou acabamos gastando o dinheiro que não temos.

Embora as propagandas dos agentes financeiros – e até mesmo do governo – não deixem transparecer, o acesso desenfreado ao crédito se torna facilmente o passaporte para uma vida com preocupações e estresses. As dívidas mal administradas sempre se transformam numa bola de neve difícil de ser desfeita.

Não pensemos que a melhor ajuda à pessoa endividada seja emprestar-lhe dinheiro ou dá lhe fiança. A melhor ajuda nessas circunstâncias é sentar-se com ela e ajudá-la a reavaliar a maneira de administrar o dinheiro que ganha e viver dentro do limite do seu orçamento. 

Após isso, pode-se orar com ela pedindo que Deus lhe dê força para cumprir o compromisso consigo mesma de viver dentro do padrão de vida condizente com a sua renda. Essa é uma saída para o problema da dívida.

Que Deus abençoe o nosso bolso, e o nosso crédito também.