sexta-feira, 21 de junho de 2013

O narcisismo da Nova Era

Lembre-se disto: nos últimos dias haverá tempos difíceis. Pois muitos serão egoístas, avarentos, orgulhosos, vaidosos, xingadores, ingratos, desobedientes aos seus pais e não terão respeito pela religião. (2 Timóteo 3:1-2) 

Narcisismo descreve a característica de personalidade de paixão por si mesmo. A palavra é derivada da Mitologia Grega. Narciso era um jovem e belo rapaz que rejeitou a ninfa Eco, que desesperadamente o desejava. Como punição, foi amaldiçoado de forma a apaixonar-se incontrolavelmente por sua própria imagem refletida na água. Incapaz de levar a termos sua paixão, Narciso suicidou-se por afogamento. 

Nos anos 70, o narcisismo se expressou por meio do Movimento Potencial Humano, que enfatizava a necessidade da autorrealização. Nos anos 80 e 90, o Movimento da Nova Era imitou o Movimento Potencial Humano que, além de estimular o amor-próprio, desrespeita a fé. Hoje, o Movimento da Nova Era nos convida a olhar para dentro de nós mesmos e nos explorar, pois a solução para os nossos problemas está em nosso interior. Não precisamos que um salvador surja em algum lugar e venha até nós; podemos ser o nosso próprio salvador. É isso que prega.

Existem muitas pessoas recomendando não amar a Deus e ao próximo, mas somente a si mesmos.  Tenhamos cuidado com frase do tipo eu me amoeu sou eu, porque amor-próprio manifestado em forma de egoísmo é um dos sinais dos últimos tempos. Ao contrário, Jesus Cristo falou do amor ágape que é o sacrifício próprio em benefício de outros. 

Jesus disse: “Ame os outros como você ama a você mesmo.” (Mateus 22:39). É uma equação de igualdade. Não se deve amar mais a si próprio do que os outros. A preocupação doentia consigo mesmo não é saudável espiritualmente, nem socialmente. A intenção de Deus é que vivamos em uma comunidade de amor, de adoração e de serviço. Todos sabem que o amor é a maior virtude do mundo.

“Aquele que não ama, não vive” (Raimundo Lúlio). “Pois viver é amar, e sem amor a personalidade humana se desintegra. É por isso que todos procuram autênticos relacionamentos de amor.” (John Stott). 

Portanto, não devemos aceitar o convite para o narcisismo, sendo como peixes mortos que são levados pela corrente ou camaleões que mudam de cor de acordo com o ambiente. Mas devemos nos opor firmemente contra a cultura do individualismo tão presente nestes dias e amar primeiramente a Deus com todo o coração, com toda a alma e com toda a mente. O resultado disso é saudável. (Mateus 22:37).