terça-feira, 18 de junho de 2013

Manifestações de ódio

Não fique com raiva, não fique furioso. Não se aborreça, pois isso será pior para você. (Salmos 37:8)

O ódio é um sentimento intenso de raiva. Traduz-se na forma de antipatia, aversão, desgosto, rancor, inimizade ou repulsa contra uma pessoa ou algo, assim como o desejo de evitar, limitar ou destruir o seu objetivo. O ódio não é necessariamente irracional, mas é pecado.

Numa sociedade na qual prevalece a liberdade de expressão é comum presenciamos manifestações públicas de ódio, muitas delas camufladas em marchas, paradas, cartazes e expressões diversas.

Em países democráticos de direito como o nosso, manifestações são exercícios da liberdade de expressão. Mas nenhuma decisão governamental pode proteger manifestações de cunho intolerante ou de ódio.

O mandamento de Jesus Cristo não foi para odiar, mas para amar. Todos têm direito de manifestar pacificamente os seus sentimentos, ou suas revoltas, mas o ódio não deve prevalecer ou dominar as expressões, pois traz malefício para quem odeia.

Estamos neste momento assistindo às imagens de manifestações que, segundo os jornais, são contra o aumento das passagens de ônibus, trem e metrô na cidade de São Paulo. Pelo que se pode perceber, o protesto, que no dia anterior reuniu mais de 60 mil pessoas na capital paulista, abraçou outras causas e se espalhou pelo país. 

Após cinco dias, o movimento começa parecer uma manifestação de revolta contra a precariedade da educação, da saúde, da segurança, da justiça, e pelo fim da corrupção, pela melhora no transporte público e outras coisas mais. O problema é que o movimento deixa de ser saudável na medida em que manifestantes mais exaltados começam a encontrar pretextos para atos de vandalismo e manifestações de ódio, com depredações e invasões de prédios públicos. 

Mas o ensinamento bíblico não é que tenhamos uma vida na qual se alimenta a raiva e a fúria. Pelo contrário, Cristo disse que felizes são as pessoas que trabalham pela paz, pois Deus as tratará como seus filhos. (Mateus 5:9). 

Sabemos que é difícil amar pessoas que julgamos serem as causas de nossa infelicidade, mas devemos fazê-lo sabendo que uma grande recompensa está guardada no céu para nós.