terça-feira, 28 de maio de 2013

Tornar-se adulto

Tive de alimentá-los com leite e não com comida forte, pois vocês não estavam prontos para isso. E ainda não estão prontos. (1 Coríntios 3:2)

Os destinatários dessas palavras eram imaturos porque viviam como pessoas dominadas pelos instintos carnais. Existiam ciumeiras e brigas entre eles, e isso os equiparava a pessoas infantis.

A Psicóloga Cristina Baliero explicou por que é tão difícil tornar-se adulto. Porque é muito mais fácil culparmos os outros do que nos responsabilizarmos por nossas escolhas e atitudes. Porque é muito mais fácil vivermos com nossas ilusões do que encararmos a realidade. Porque é muito mais fácil buscarmos alguém que cuide de nós, que aceitarmos que cabe só a nós cuidarmos de nós mesmos. 

Porque precisamos aceitar que não controlamos a vida e que cabe a nós somente aceitar e responder ao que ela nos traz. Porque precisamos ter clareza que não somos "donos" dos outros e o que nos cabe é aceitar e viver com aquilo que eles decidem sobre a vida deles.

Porque é muito difícil aceitar que a vida não está contra ou a nosso favor, ela é somente a vida e acontece sem que o que pensamos ou queremos seja levado em conta. Porque é muito mais fácil nos sentirmos vítimas do que protagonistas da nossa história. Porque é muito difícil perceber que o mundo não "gira ao redor do nosso umbigo". Porque não é fácil aceitar que a vida não nos deve nada, que ela não é justa ou injusta e que sermos "bonzinhos" não nos garante um passaporte contra o sofrimento. Porque é difícil lidar com a constatação que existe um "espaço vital" existencial em que somos absolutamente sós, e nesse, ninguém pode nos fazer companhia.

Porque precisamos aceitar, sem reclamação ou revolta (que são absolutamente inócuas, ou pior, contraproducentes) que a vida é feita de luz e sombra; de perdas e ganhos. Porque precisamos aceitar que não existe essa coisa de verdade absoluta e que cabe a nós decidirmos nossas escolhas em uma "nuvem" de ambiguidade e incertezas.

São inúmeras as razões que impedem as pessoas de se tornarem plenamente adultas. Entretanto, tornar-se de fato um ser humano adulto é uma escolha, uma busca, um processo e uma conquista. É reconhecermos a nossa condição humana e a necessidade de um processo contínuo de crescimento na graça e no conhecimento do nosso Senhor Jesus Cristo e seu ensino. (2 Pedro 3:18)