terça-feira, 16 de abril de 2013

Balança positiva

Vocês foram chamados para serem livres. Mas não deixem que essa liberdade se torne uma desculpa para permitir que a natureza humana domine vocês. (Gálatas 5:13)

É muito bom ser livre. A liberdade nos permite escolha. Porém, em toda escolha há perdas e ganhos, o ônus e o bônus. Com sabedoria é possível fazer uma boa escolha e permitir que a balança fique positiva.

Mas nem sempre é fácil. Principalmente em uma época de conceitos subjetivos e moral relativa. Geralmente, quando os valores tornam-se vagos e o narcisismo rompe com qualquer princípio absoluto, nossa escolha é tendenciosa para os interesses privados. E diante das pressões da sociedade, não sabemos mais a quem escolher: Cristo ou o mundo.

A primeira pressão é: Todos devem viver sem culpa. O mundo propõe escondê-la. Você não é culpado de nada, quando muito, apenas cometeu uma pequena e justificada falta. O melhor a fazer é negá-la ou, quem sabe, minimizá-la. É isto que se vê nos livros de autoajuda e nas palestras motivacionais. Cristo propõe eliminá-la, pois não a nega, mas a redime. Ninguém resolve o problema da culpa simplesmente negando-a. Cristo resolve assumindo-a e restaurando o homem com amor por meio do perdão.

A segunda é: Todos precisam ser felizes. O mundo apresenta a felicidade como uma obrigação, não importando os meios para obtê-la, mesmo que isto gere falta de amor para com os outros. Cristo também deseja que sejamos felizes. A felicidade que Cristo oferece é resultado de uma vida de confiança e entrega. É no ato de nos doar em amor a Deus e ao próximo que experimentamos a felicidade.

A terceira é: Todos devem ser livres. A liberdade que o mundo oferece é para fazer o que quiser, como quiser e quando quiser. Uma liberdade que nos mergulha em um mundo de egoísmo e frustrações. Mas foi para o altruísmo que Cristo nos libertou. É somente no ato de amar que o ser humano encontra e expressa sua liberdade.  

O mundo sempre tenta oferecer o que Cristo oferece. A diferença entre um e outro está no amor. Tudo aquilo que nega o amor, nos conduz à morte. Tudo o que vem do amor, nos conduz à vida.

Portanto, submeta-se inteiramente ao amor de Cristo e você encontrará a vida eterna desde já. Se você procurar a si próprio, encontrará, no decorrer do tempo, somente ódio, solidão, desespero, rancor, ruína e decadência. Permita que sua escolha torne a balança positiva para o amor. Deus é amor.