sexta-feira, 8 de março de 2013

O trabalho do Espírito

Porque o Espírito que vocês receberam de Deus não torna vocês escravos e não faz com que tenham medo. Pelo contrário, o Espírito torna vocês filhos de Deus; e pelo poder do Espírito dizemos com fervor a Deus: “Pai, meu Pai!” (Romanos 8:15)

Em Jesus, o sonho de Deus para a nossa adoção foi realizado, apesar da nossa cegueira espiritual. O trabalho do Espírito dentro de nós leva a raça humana ao encontro de Jesus dentro da nossa própria corrupção e, assim, podermos começar a discernir o bom do mau, a luz da escuridão, a vida da morte e o céu do inferno.

O Espírito nos encontra em nossos corrompidos mundos internos e nos liberta. Dessa forma ele trabalha dentro de nós para nos ajudar a ver através da nossa própria cegueira, conhecer a verdade em Jesus, e assim nos ajuda a combater, pouco a pouco, o medo, o julgamento, o preconceito e a alienação em nós. 

O Espírito nos trata com profundo respeito. Somos reais e muito importantes para ele. Negar nossos desejos e vontades não faz parte do seu plano. A nossa liberdade não é uma ilusão. Somos livres para ser exatamente o que somos, como somos, para tentar alternativas, ser bruxos e feiticeiros e impor nossas próprias vontades aos outros e à criação. Ele nos deixa viver com nós mesmos e com as consequências das nossas ideias arrogantes e da nossa horrorosa soberba.

Mas o Espírito não dorme nunca e trabalha incessantemente para extrair vida da nossa miséria, verdade dos nossos erros e cura dos nossos desastres pessoais. Ele não tem pressa. Ele é paciente e estrategista em seu amor. No Espírito, o puro amor de Deus se torna um veemente julgamento dentro de nós. Jesus morreu no nosso escárnio e se levantou no nosso inferno. O Espírito não nos deixa matar Jesus de novo nem nos separar de sua presença. A presença dele é de amor, graça e aceitação e, por isso, de julgamento. O amor de Deus não aceitaria nunca que fóssemos estranhos à vida divina. Por esta razão, tudo em nós que se interpõe e que não pertence ao amor precisa ser destruído. 

O Espírito não nos transforma de fora para dentro. Ele nos transforma nos levando a julgamento. Ao revelar que o próprio Jesus está dentro de nós, o Espírito nos dá uma nova visão daquilo que antes era totalmente inconcebível – que Deus é bom e, por esta razão, apreciador da raça humana.

Assim, basta um pequeno “amém” de fé em Jesus para ouvirmos de volta um “amém” de concordância com a nossa aceitação por Deus como seus filhos. É o Espírito que faz isso acontecer. (João 16:8)