domingo, 17 de fevereiro de 2013

Uma festa no céu

Mas era preciso fazer esta festa para mostrar a nossa alegria. Pois este seu irmão estava morto e viveu de novo; estava perdido e foi achado. (Lucas 15:32) 

O livro A cabana, de Paul Young, Ed. Sextante, trata da imensa ternura que o Deus Trino nutre pelos pecadores. É um livro sobre a liberdade do Pai, do Filho e do Espírito de nos amar e nos acolher em nossa terrível desolação. Paul conta no começo do livro que Mackenzie – personagem central da história – impelido pelo Espírito Santo, resolve retornar à cabana de seus traumas e, sem que ele bata, a porta se abre e uma negra enorme, com o rosto cheio de vida e amor, corre para abraçá-lo e o ergue do chão, gritando seu nome com tamanha alegria como se a vida toda ela o conhecesse e o amasse e, logo em seguida, lhe serve um delicioso jantar. 

“Admito que fiquei um tanto chocado quando percebi durante a leitura que Young decidira descrever Deus nosso Pai como uma negra absolutamente encantadora e poderosamente maternal. Mas devo admitir também que, logo depois, desejei sentar à mesa da cozinha daquela mulher e me deliciar com sua comida, sua conversa e seu carinho de mãe. A beleza da cumplicidade que sua presença provoca é o que muitos de nós sempre ansiamos para nossas vidas e tão raramente experimentamos”. (King David, resenha de A cabana

Será que essa “negra absolutamente encantadora e poderosamente maternal” nos diz algo a respeito do verdadeiro Deus? Claro que sim! A imagem do coração do Pai pintada por Paul Young nos foi transmitida pelo próprio Jesus. Esse coração transbordante de amor e deleite não é uma fantasia do autor do livro. É o antigo amor que deflagrou o Universo. A beleza do extraordinário amor e da bondade absoluta de Deus está perfeitamente retratada na imagem do Pai feita por Jesus em sua mais famosa parábola dos dois filhos. (Lucas 15:11-32) 

Nessa história Jesus conta que um homem tinha dois filhos. Ele amava ambos. Um deles pôs na cabeça que queria ver o mundo. O outro permaneceu ao lado pai, ajudando-o no trabalho. O pai repartiu então a herança. O mais novo foi para bem longe de casa e ali viveu uma vida cheia de pecado e desperdiçou tudo que tinha. Após passar fome, arrependeu-se e voltou para casa onde foi recebido pelo pai com um caloroso abraço e uma grande festa. 

É assim que é o nosso Deus. Festeiro. Ele ama a todos quantos chegam a ele e os recebe com uma celebração. Foi nesse Deus que Mackenzie encontrou a cura para seus traumas.  

Assim como você está, corra agora para os braços de Jesus Cristo, receba a cura e seja também o protagonista de uma grande festa no céu.