sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O segredo da nossa humanidade

Disse Jesus: — Eu sou a videira, e vocês são os ramos. Quem está unido comigo e eu com ele, esse dá muito fruto porque sem mim vocês não podem fazer nada. (João 15:5)

Levar Jesus Cristo a sério nos permite ver o segredo da nossa humanidade, dos nossos fardos e alegrias, dos nossos amores e das nossas paixões. Não fomos criados para vagarmos sem rumo pela vida, sem qualquer sentido, objetivo ou dignidade. Jesus deixou sua glória, tornou-se humano para nos encontrar e nos elevou à vida que compartilha com o seu Pai. Agora não há mais razão de continuarmos perdidos. Nesse sentido, ele afirmou: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue nunca andará na escuridão, mas terá a luz da vida.” (João 8:12)

Essa visão é quase boa demais para ser verdadeira. Mas é. Tudo no Universo tem a ver com Jesus. Nele Deus se tornou totalmente humano, de modo que o seu propósito e o nosso destino estão ligados para sempre.  

O propósito de Deus é ver a sua alegria compartilhada conosco. Isso traz consequências para nossas vidas, nossos relacionamentos com os outros seres humanos, nosso relacionamento com a Terra e toda a criação. Não há esfera da vida humana, ou da vida do nosso planeta que esteja excluída do relacionamento de Jesus com o Pai no Espírito Santo. Em Jesus, o Céu e a Terra estão unidos porque nele, por ele e para ele todas as coisas foram feitas. (Colossenses 1:16)

A união que Jesus estabeleceu conosco não significa que nos tornamos Jesus, ou que ele tenha se tornado um de nós. Fomos incluídos, mas não absorvidos; unidos, mas não amalgamados a ponto de deixarmos de ser reais. Compartilhamos da vida divina, mas sempre como pessoas distintas, com nossas próprias e exclusivas personalidades. Temos nossos sonhos, nossos prazeres, nossas alegrias, nas quais podemos provar, sentir e vivenciar a vida divina.

Em Jesus, vemos quem somos e por que estamos aqui, assim como o que está errado e como seguirmos em frente. Viver significa caminhar com ele e compartilhar de seus relacionamentos. Estamos plenamente vivos e somos mais nós mesmos quando vemos com os olhos de Jesus, sentimos com seu coração, amamos com seu amor. Morrer significa estar isolado, fazer as coisas do nosso próprio jeito e servir apenas a nossos próprios interesses.

O que Jesus nos tornou em sua vida – morte, ressurreição e ascensão – é a verdade do nosso ser. Somos amados, aceitos, abraçados e adotados para sempre, e sem ele nada podemos fazer. Esse é o segredo da nossa humanidade.