segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Debaixo das asas

Ele o cobrirá com as suas asas, e debaixo delas estará seguro. (Salmos 91:4)

Leis são preceitos que regulam a sociedade. São elas que definem nossos direitos e deveres e definem como deve ser a conduta do cidadão, prezando pela moral e os bons costumes, garantindo assim a convivência harmoniosa entre os semelhantes. Em última análise, as leis existem para garantir a nossa segurança. Ao obedecer às leis, contribuímos para um mundo mais justo e seguro.

Antes que a primeira lei humana fosse editada, Deus havia providenciado a segurança do homem por meio dos seus mandamentos, que são perfeitos, merecem confiança e dão sabedoria às pessoas. Aqueles que os tomam como princípios de vida são abrigados em suas asas.

Infelizmente, muitos os rejeitam, assim como ignoram leis terrenas. Jesus disse: — Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedreja os mensageiros que Deus lhe manda! Quantas vezes eu quis abraçar todo o seu povo, assim como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vocês não quiseram! (Mateus 23:37). Estar debaixo da segurança de Cristo implica aceitar os seus mandamentos. Desprezar as leis é aceitar a desordem, a insegurança.

Quando acontece uma tragédia como essa da boate em Santa Maria (RS), rapidamente somos impulsionados para a posição de julgadores daqueles que, por ação ou omissão, contribuíram para que centenas de pessoas morressem, ou se ferissem gravemente. Entretanto, com profundo respeito às famílias atingidas, o grave problema de nossa cultura é que ela é avessa ao cumprimento das leis. Por essa razão, é fácil encontrar pessoas dispostas a fazer qualquer coisa, mesmo ilegais, imorais, antiéticas e inseguras em busca da tão sonhada felicidade. 

“Desse modo, aquele que viaja na velocidade limite da estrada é considerado cafona. O jovem que se nega a beber, porque vai dirigir, é chamado de bobo. Se ele perguntar, ou pior, afirmar que um amigo está bêbado, e pedir a ele para não dirigir, será ridicularizado. Isso quando não for agredido. Agora, imagine se ele perguntar, ao ser convidado para uma festa, se o local é seguro? Se isso ocorre entre amigos, quem ousaria cobrar responsabilidade de um estranho, de um servidor ou de uma autoridade pública?” (Silvio Celestino)

Devemos cumprir as leis pensando na segurança da coletividade, não porque somos eventualmente punidos ao descumpri-las. O temor a Deus torna a pessoa obediente, mesmo quando não está sendo observada. Quanta dor poderia ser evitada se agíssemos assim!

Felizes são os que respeitam a Deus! Felizes os que guardam os seus mandamentos e lhe obedecem de todo o coração! Esses jamais serão envergonhados. (Salmos 119:1-9).