terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Antes de partir

De tudo o que foi dito, a conclusão é esta: tema a Deus e obedeça aos seus mandamentos porque foi para isso que fomos criados. (Eclesiastes 12:13) 

O livro "Antes de Partir", Editora Jardim dos Livros, reúne relatos de 17 pacientes terminais em suas últimas semanas de vida. Entre os arrependimentos mais comuns, "desejaria não ter trabalhado tanto" só fica atrás de "ter vivido a vida que eu desejava". 

O livro nasceu de um artigo escrito pela enfermeira australiana Bronnie Ware, "Os Cinco Principais Lamentos dos que Vão Morrer", texto que em poucos meses ultrapassou 1 milhão de acessos. O número triplicou em um ano. 

Ware alterou quase todos os nomes presentes no livro para preservar a privacidade de amigos e parentes. A escritora e compositora australiana trabalhou prestando cuidados paliativos a pacientes terminais, a maioria deles com câncer. 

Ao falar da morte, a autora mostra que, no fim da vida, não há números - saldos bancários ou preço do carro novo -, mas emoções. "Um perdão não pedido, de um 'eu te amo' não dito", como escreve o jornalista Jaime Pereira da Silva na edição brasileira. 

Na introdução, a autora agradece as lições de vida que aprendeu nesse trabalho: "A todas as pessoas maravilhosas agora falecidas, cujas histórias não apenas construíram o livro, mas também influíram em minha vida significativamente", escreve. 

O volume é dividido em cinco lamentos: "Desejaria Ter Tido Coragem de Viver uma Vida Verdadeira para Mim Mesma, Não a que os Outros Esperavam de Mim"; "Desejaria Não Ter Trabalhado Tanto"; "Desejaria Ter Tido Coragem de Expressar Meus Sentimentos"; "Desejaria Ter Ficado Mais em Contato com Meus Amigos"; "Desejaria Ter-me Permitido Ser Mais Feliz". 

Vale a pena ler, porque a autora teve uma experiência que mudou seu modo de pensar a vida. Certamente, a leitura pode tornar a pessoa mais sábia. “As palavras dos sábios são como pregos bem pregados; são como as varas pontudas que os pastores usam para guiar as ovelhas. Essas palavras foram dadas por Deus, o único Pastor de todos nós.” (Eclesiastes 12:11) 

O sábio escritor de Eclesiastes também deixou registrada, de forma bem clara e objetiva, a sua experiência de vida, que, pelo que se extrai dos textos, não foi de lamentos, mas de alegria e desejo de ensinar o único sentido da vida. 

Os professores de sabedoria funcionam como aguilhões e pregos. Eles estimulam ou motivam seus discípulos a buscar o sentido da vida e mostram verdades fundamentais para viver. O Pastor é Deus. Os estudantes podem identificar-se bastante com o versículo 12. “Filho meu” é a maneira típica de um sábio dirigir-se a seus discípulos. 

O escritor de Eclesiastes chegou a uma conclusão final quanto à abordagem adequada para a vida. “De tudo o que foi dito, a conclusão é esta: tema a Deus e obedeça aos seus mandamentos porque foi para isso que fomos criados. Nós teremos de prestar contas a Deus de tudo o que fizermos e até daquilo que fizermos em segredo, seja o bem ou o mal.” (Eclesiastes 12:13-14) 

Portanto, a essência da sabedoria que uma pessoa, antes de partir, pode deixar para as gerações futuras é temer e reverenciar a Deus mediante a obediência porque para ser sábio, antes de tudo, é preciso temer o Senhor. (Jó 28:28)