sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

A linguagem da fé

Não se preocupem com nada, mas em todas as orações peçam a Deus o que vocês precisam e orem sempre com o coração agradecido. (Filipenses 4:6)

“Deus colocou sobre nós o dever de orar. As riquezas do Universo lhe pertencem. Todos os tesouros temporais e espirituais estão sob seu comando e de sua abundante plenitude ele pode suprir cada necessidade. Dele recebemos o fôlego; toda bênção temporal que desfrutamos é dom de Deus. Dependemos dele não apenas para receber as bênçãos temporais, mas para receber graça e força a fim de nos guardar de cair sob o poder da tentação. Diariamente precisamos do Pão da Vida para receber força e vigor espirituais, assim como precisamos do alimento para nos suprir de força física e dar-nos músculos rígidos. Estamos cercados de fraquezas e enfermidades, dúvidas e tentações, mas podemos buscar a Jesus em nossa necessidade e ele não nos deixará sair vazios. Devemos nos habituar a buscar a orientação divina por meio da oração; devemos aprender a confiar naquele de onde provém nossa ajuda.

Devemos ter uma percepção profunda e sincera de nossas necessidades. Devemos sentir nossa fraqueza e nossa dependência de Deus e buscá-lo com a alma contrita e o coração quebrantado. Nossas petições devem ser oferecidas em perfeita submissão; cada desejo deve ser colocado em harmonia com a vontade de Deus, e a vontade dele deve ser realizada em nós.

Se andarmos na luz como Cristo está na luz, podemos nos achegar ao trono da graça com santa ousadia. Podemos clamar as promessas de Deus com fé viva e apresentar com insistência nossos pedidos. Apesar de sermos fracos, falhos e indignos, 'o Espírito Santo nos assiste em nossa fraqueza'. Ao apresentarmos nossa petição pela primeira vez, não devemos abandoná-­la, mas dizer, assim como Jacó depois de lutar a noite inteira com o anjo: 'Não te deixarei ir se me não abençoares', e, como ele, prevaleceremos.

É somente vigiando em oração e pelo exercício de viva fé que podemos preservar nossa integridade em meio às tentações que Satanás lança sobre nós.

Fale ao seu coração constantemente na linguagem da fé: 'Jesus disse que me receberia, e creio em sua palavra. Eu o louvarei; glorificarei o nome dele.' Satanás estará perto, ao seu lado, insinuando que você não sente qualquer alegria. Responda-lhe: 'Eu tenho tudo para estar alegre, pois sou filho de Deus. Confio em Jesus'.” (Signs of the Times, 15 de maio de 1884)