terça-feira, 9 de outubro de 2012

Pode chorar!

Jesus chorou. (João 11:35)

Embora soubesse que podia ressuscitar Lázaro, Jesus foi solidário na tristeza e chorou a morte do amigo. Nesta passagem, a palavra "chorou" não se refere ao ato de "chorar o morto", um lamento superficial que, normalmente, acompanhava os funerais daquela época. Mas significa "derramar lágrimas" por profunda angústia no espírito. As lágrimas de Jesus são um sinal notável de sua verdadeira humanidade.

Uma garotinha chegou tarde da escola certo dia. A mãe a aguardava.

– Quantas vezes eu tenho que dizer a você que, ao sair da escola, deve vir direto para casa? Já estava preocupada. Por favor, não faça isso outra vez!

A menina tentou se explicar:

– É que hoje houve uma exposição na escola. A Tânia e a Júlia levaram uma boneca de louça da China que a avó tinha dado para elas...

– Não me interessa quão bonita seja essa boneca. Ao terminarem as aulas, não fique para brincar. Venha para casa!

– Mas, mamãe, o que aconteceu é que, ao sairmos da escola, alguns meninos vieram correndo até onde nós estávamos. E quando a Júlia correu, deixou cair a boneca no chão e eu fiquei para ajudá-la.

– Ah, querida! Que bonito que você ficou para consertar a boneca... Mas você precisa vir direto para casa.

– Não, mãe, não dava para consertar e eu fiquei para ajudar a Júlia a chorar.

Quantas vezes, no anseio de ajudar numa situação triste, dizemos: “Eu entendo o que você está sofrendo. Já passei por isso também. Eu sei o que você está sentindo.” As cicatrizes são diferentes das feridas. Não as compare. As cicatrizes estão fechadas, esquecidas. As feridas, entretanto, são do presente. Estão abertas e sangrando. Estão doendo no presente. Precisam de um lenitivo para aliviar a dor. Você pode ter passado por uma situação idêntica. Mas as diferentes nuances das circunstâncias pedem também diferentes soluções.

Jesus não conseguiu conter as lágrimas. Não podemos imaginá-Lo insensível à dor de Marta e Maria. Ele não ficou de longe, observando de braços cruzados sem dizer nada. Logo que Se aproximou, disse: “Sinto muito.” Jesus as abraçou e chorou com elas e por elas.

O choro pode ser visto por alguns como desabafo e por outros, como sinal de fraqueza. A verdade é que choramos quando estamos com medo ou nos sentimos frustrados e tristes. Choramos de alegria, quando vemos a noiva no altar, na formatura de um filho ou filha, ao receber uma boa notícia. Alguns usam o choro como arma para conseguir o que querem: os filhos, os namorados, os cônjuges, etc. Outros ainda usam a tática do choro para obter alguma coisa que não conseguiram, e conseguem por falta de argumento ou por firmeza da outra parte.

Seja qual for o motivo do nosso choro, podemos chorar livremente, porque faz bem à alma. Às vezes, Cristo nos chama não somente para consertar um brinquedo quebrado, mas para chorar conosco.

Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. (Mateus 5:4)

(Texto da Casa Publicadora Brasileira)