terça-feira, 31 de julho de 2012

Onde estás?

Ó Senhor Deus, até quando se esquecerás de mim? Será para sempre? Por quanto tempo esconderás de mim o teu rosto? (Salmos 13:1) 

Onde estás Deus? Estou sofrendo. Por favor, apareças! 

Certo dia, o jovem Adrian chegou para mim e contou a sua história. Dizia ele: - Eu me lembro da primeira vez que eu gritei assim para Deus. Realmente, eu gritei em um momento de dor, agonia e muita confusão. 

- Na adolescência eu descobri o que realmente estava acontecendo com a minha família. Desde criança eu já andara perturbado com algumas cenas de agressões entre o meu pai e minha mãe, mas não era ainda capaz de discernir os fatos. 

- Em uma tarde, no entanto, tive o encontro com a realidade. A imagem de uma unidade familiar forte na qual eu almejava confiar desabou como um castelo de areia diante das ondas. 

- Anos depois, meus pais iriam se divorciar. E este tempo de provação e sofrimento na minha vida iria continuar por muitos anos, quando resolvi sair de casa, em busca de algo ou alguém para oferecer conforto e cura para a minha dor. 

- Senti-me um pouco como Davi: “Até quando terei de suportar este sofrimento? Até quando o meu coração se encherá dia e noite de tristeza? Até quando os meus inimigos me vencerão?" 

“Ó Senhor, meu Deus, olha para mim e responde-me! Dá-me forças novamente para que eu não morra. Assim os meus inimigos não poderão se alegrar com a minha desgraça, nem poderão dizer: Nós o derrotamos!” (Salmos 13:2-4) 

Davi estava em um momento de grande provação quando escreveu isso. Ele estava enfrentando uma doença, e seu estado era terrível. Seus inimigos estavam gostando muito da ideia de vê-lo derrotado até a morte. 

Da mesma forma eu pude sentir o que se passava no coração de Adrian. Em uma forma diferente, mas na mesma realidade, Adrian também estava entregando as pontas aos sentir a terrível dor da dissolução da sua família. Muitos se sentem assim. 

Entretanto, mesmo que não tenhamos presenciado ou passado por uma experiência de divórcio, de uma forma ou de outra, todos nós já passamos por algum tipo de turbulência que nos abalasse ao âmago. Algo que tenha virado nossas vidas de cabeça para baixo. Quer se trate de um relacionamento quebrado, da morte de um ente querido, de um sonho frustrado, de filhos ingratos, de uma derrota na carreira... Todos nós sabemos o que significa passar por uma provação ou sofrimento. 

Temos que ter em mente que é durante as provações que a nossa fé está sendo fortalecida e que estamos sendo moldados à imagem de Cristo. Temos a promessa dele. Não podemos esquecer que ele está do nosso lado e no controle de tudo. 

Por isso, apesar dos acontecimentos, vamos tentar orar como Davi orou: “Eu confio no teu amor. O meu coração ficará alegre, pois tu me salvarás. E, porque tens sido bom para mim, cantarei hinos a ti, ó Senhor” (Salmos 13:5-6).