sábado, 14 de julho de 2012

Acumuladores

Quero dizer a vocês o seguinte: deixem que o Espírito de Deus dirija a vida de vocês e não obedeçam aos desejos da natureza humana. (Gálatas 5:16) 

Atender aos desejos da natureza humana é o mesmo que alimentar as compulsões do egoísmo. 

Uma vez eu estava assistindo ao programa “Acumuladores” no Canal Discover Home@Health. Eu pude perceber nos protagonistas o cúmulo do egoísmo. O programa mostra como algumas pessoas não conseguem se livrar de objetos que caíram em desuso e passam a vida toda acumulando tranqueiras em algum cômodo da casa. Muitos desses objetos, inclusive, só servem para ser reciclados.

Eu também tinha a tendência de ser um acumulador. Mas de uns anos pra cá, tenho procurado me livrar de coisas que não mais uso – geralmente roupas, sapatos e aparelhos domésticos. De tempos em tempos, eu faço uma limpeza e coloco-as em frente à casa para que outras pessoas possam apanhá-las para uso próprio ou doá-las aos mais necessitados, a exemplo do que fazem os voluntários do “Exército da Salvação” nas ruas de várias cidades nos Estados Unidos. 

Mas isso não foi muito simples, pelo menos para mim. Eu me lembro de como me sentia preso a essas bugigangas quando da primeira vez que fiz uma limpeza em meus armários. Naquela ocasião, egoisticamente, eu não queria abrir mão de algumas peças de roupas e tênis que há muito estavam guardados como lembrança ou aguardando uma eventual necessidade. Os eletrodomésticos usados eram simplesmente estocados como relíquias. 

Antes de resolver abrir mão pela primeira vez desses objetos, eu comecei a perguntar a mim mesmo: Para quê estou guardando isso? Isso não seria mais útil na mão de outros? Em respostas a essas perguntas eu fiz o primeiro pacote de coisas usadas e coloquei em frente ao portão de casa. Agradável foi a minha surpresa em saber no dia seguinte, logo cedo, que não mais ali estava o pacote. Hoje, percebo claramente que o alívio de ficar livre de alguns objetos é bem maior quando se pensa que eles eventualmente possam estar sendo úteis em mãos alheias. 

É sempre bom fazer uma limpeza de vez em quando. O mesmo acontece com nossos corações e mentes. O Novo Testamento está repleto de lembranças de como devemos lidar com o que está ocupando nossos interiores. 

Não vivam como vivem as pessoas que pensam que a vida se resume a este mundo, mas deixem que Deus os transforme por meio de uma completa mudança da mente de vocês. Assim vocês conhecerão a vontade de Deus, isto é, aquilo que é bom, perfeito e agradável a ele. (Romanos 12:2) 

Renovação da mente significa fazer um inventário do que está consumindo seus pensamentos e dirigindo suas decisões. Significa renunciar a si mesmo na consciência de que o Espírito Santo está tentando convencê-lo, orientá-lo ou mudá-lo. 

Você tem dificuldade de livrar-se de coisas usadas? Talvez aquele vestido usado em uma ocasião especial, ou aquele lindo sapato, talvez seja um eletrodoméstico. Seja o que for, comece a praticar o exercício da  renovação exterior, mas não se esqueça de permitir o Espírito Santo complementar com uma renovação interior também. Cristo está à sua disposição para colocar em ordem sua vida, livrando-o principalmente do egoísmo e da infelicidade de ser chamado de “Acumulador”.