terça-feira, 19 de junho de 2012

Conta de lembranças

A gente gasta a vida trabalhando, se esforçando e afinal que vantagem leva em tudo isso? (Eclesiastes 1:3)

O livro de Eclesiastes – palavra que em português significa preletor – faz parte dos livros poéticos atribuídos ao Rei Salomão por narrar fatos que coincidiriam com aqueles de sua vida. O principal tema do livro é a vaidade das coisas humanas, dando a lição de desapego dos bens terrestres.

Para ensinar os caminhos para realizar a vida e a felicidade, o autor desmonta as ilusões que um determinado sistema de sociedade apresenta como ideal – riqueza, poder, ciência, prazeres, status social, trabalho para enriquecer etc. – e mostra outra perspectiva de vida, levando o homem a descobrir que a própria realização é viver intensamente o momento presente, percebendo-o como lugar de relação com o Deus que dá a vida. Intensamente vivido, o momento presente se torna experiência da eternidade, saciando a sede que o homem tem da vida.

Para exemplificar, reproduzo a história de Maria Jiló, uma senhora de 92 anos, miúda, e tão elegante, que todo dia às 8 da manhã já estava toda vestida, bem penteada e discretamente maquiada, apesar de sua pouca visão. O marido, com quem viveu 70 anos, havia morrido e, sem opção, ela mudou-se para um asilo.

Após esperar pacientemente na recepção, ela ainda deu um lindo sorriso quando a atendente veio dizer que seu quarto estava pronto. Enquanto ela manobrava o andador em direção ao elevador, a atendente deu uma descrição do seu quartinho, inclusive das cortinas floridas que enfeitavam a janela. Ela interrompeu a atendente com grande entusiasmo. – Ah, eu adoro essas cortinas...

– Dona Maria Jiló, a senhora ainda nem viu seu quarto... Espera um pouco... – Isso não tem nada a ver, respondeu. Felicidade é algo que você decide por princípio. Se eu vou gostar ou não do meu quarto, não depende de como a mobília vai estar arrumada... Vai depender de como eu preparo minha expectativa. E eu já decidi que vou adorar. É uma decisão que tomo toda manhã. Eu posso passar o dia inteiro na cama, contando as dificuldades que tenho em certas partes do meu corpo que não funcionam bem. Ou posso levantar agradecendo pelas outras partes que ainda me obedecem. Não é simples. Isso é o autocontrole que se aprende com os anos.

Calmamente ela continuou: – Cada dia é um presente, e enquanto meus olhos se abrirem, vou focalizar o novo dia, mas também as lembranças alegres que eu guardei para esta época da vida. A velhice é como uma conta bancária: você só retira aquilo que guardou. Então, meu conselho para você é depositar um monte de alegrias e felicidade na sua “Conta de lembranças”. Como você vê, eu ainda continuo depositando e acredito que, por mais complexa que seja a vida, sábio é quem a simplifica.

O livro de Eclesiastes é um convite para destruir a falsa concepção a respeito de Deus e da vida, e construir uma nova concepção de que a vida é um dom gratuito de Deus para que todos a partilhem com justiça e fraternidade. Só então todos poderão ter acesso à felicidade. Como conclui o autor: tema a Deus e obedeça aos seus mandamentos porque foi para isso que fomos criados. Nós teremos de prestar contas a Deus de tudo o que fizermos, seja o bem ou o mal. (Eclesiastes 12:13-14).