sexta-feira, 20 de abril de 2012

Amor e sexo

Ninguém deve buscar os seus próprios interesses e sim os interesses dos outros. (1 Coríntios 10:24)

"'Ele me usa e logo depois me joga fora'. Desta maneira uma mulher descreveu seu problema sexual com o marido.

Já pude ver nos olhos de muitas mulheres frustração, desilusão e desapontamento por seus maridos serem egoístas durante a relação sexual. Ansiosos por seu prazer pessoal, nem ao menos pensam na esposa, nos sentimentos dela, preferindo fazer tudo rápida e bruscamente. Eles as usam para extravasar suas necessidades, tensões e desejos. Para elas, desmotivadas, inferiorizadas, conhecedoras apenas de um amor egoísta e deturpado que seus maridos lhes oferecem, a relação sexual se torna uma obrigação penosa. As reclamações que, em geral, escuto das mulheres que têm experimentado essa frustração, e que refletem o machismo e egoísmo de muitos homens são basicamente as mesmas:

Meu marido só pensa nele mesmo, em dar vazão e satisfazer egoisticamente suas necessidades emocionais e físicas, independente do que eu sinta ou queira. O estímulo, o despertamento, o preparo para o ato sexual é mecânico e rápido, não me dando tempo para sentir-me parte dele física e emocionalmente. Ele está mais interessado em aperfeiçoar uma técnica física do que em alcançar intimidade física; a maior preocupação do meu esposo não é que eu chegue ao orgasmo para sentir-me realizada, mas para ficar provado que ele é um 'sucesso' na cama, para alimentar seu ego. Ele é repetitivo, enfadonho, sempre desenvolvendo o ato sexual da mesma maneira. Meu marido leva a relação sexual mais sério do que deve. Quando por algum motivo ela não é consumada, ele se sente frustrado, inseguro de sua masculinidade. Infelizmente, ele não é sensível às minhas preferências sexuais.

Este é o reflexo da idéia de que a mulher é um objeto, um simples brinquedo na mão do homem machista e egoísta. Talvez esta tenha sido uma das razões que levaram as mulheres a erguerem a bandeira da 'libertação feminina'. Não estou dizendo que isto seja o correto, já que o movimento foi muito desvirtuado em suas reinvindicações básicas. Porém, não resta dúvida que foi um alerta para uma situação desmerecedora e sem a mínima consideração que lhes foi imposta. Quando as necessidades das esposas não são supridas, elas podem vir a ter um comportamento estranho e às vezes, até infiel, puro fruto de insatisfação e frustração." (J. Kemp)

O Criador presenteou homem e mulher com o sexo para que ambos desfrutassem das alegrias e do prazer que ele oferece. Desfrutando-o e conhecendo-o em todas as suas dimensões.

Um bom relacionamento amoroso é aquele no qual cada um se preocupa em fazer o outro feliz. Mas o egoísmo está na base de um número incrível de dificuldades matrimoniais, quando os cônjugues agem como crianças que não têm consideração com as necessidades e desejos dos outros. As crianças precisam ser satisfeitas imediatamente ou elas farão com que seus pais saibam de sua infelicidade por meio de gritos estridentes! Mas como adultos amadurecidos, cada cônjuge deverá pôr os desejos do outro antes dos seus próprios (Filipenses 2:4; 1 Coríntios 13:5), e os que são infantis não deveriam casar-se!