sexta-feira, 29 de julho de 2011

Gravitação Universal

Ó Deus, nós não podemos, de fato, te dar nada, pois tudo vem de ti, e nós somente devolvemos o que já é Teu. (1 Crônicas 29:14)

Uma vez eu presenciei a despedida de uma família que estava deixando o Brasil para ser missionária em outro país. Essa família estava abrindo mão de uma espaçosa e excelente casa para ir morar em um apartamento minúsculo do outro lado do mundo. No novo país, a família passaria a conviver com pessoas de cultura diferente e num clima contrário ao seu costume. Tudo isso estava sendo feito pelo amor a Deus e em obediência à Sua Palavra, que diz: — Vão pelo mundo inteiro e anunciem o evangelho a todas as pessoas.

Para essa família, o fato era motivo de muita alegria, pois ardia no coração de seus membros o desejo imenso de compartilhar o Evangelho com um povo de língua e costume diferentes e em um país onde não havia ainda nenhum grupo cristão. Por ser um país pobre, eles sabiam que em algum momento haveriam de doar pequenas ajudas àquele povo.

No meio de uma conversa, um dos amigos perguntou para o pai daquela família como eles estavam lidando com a mudança toda, inclusive com a perda do nível de conforto. Aquele pai missionário respondeu: — Na verdade, nós já abrimos mão de tudo com muita liberalidade, até porque não temos tantos bens assim...

Existe uma lei da ciência que pode ser usada aqui como uma metáfora para explicar porque os membros daquela família não sentiram tanta dificuldade em deixar tudo e atender ao chamado de Deus para serem missionários: É a lei da gravitação universal.

Essa lei diz que dois objetos quaisquer se atraem gravitacionalmente por meio de uma força que é proporcional à massa de cada um deles e inversamente proporcional ao quadrado da distância que separa esses corpos. Explicando: Quanto maior a massa corpórea, maior a força gravitacional. Quanto maior a força gravitacional, mais difícil é de se desapegar do corpo. Por outro lado, quanto maior a distância entre os corpos, menor a força gravitacional.

O materialismo que existe hoje no mundo é a grande massa corpórea que atrai cada vez mais massa. Quanto maior a massa fica, maior atração implica. É por isso que quanto mais bens a pessoa tem, mais bens ela quer ter e mais difícil é se desapegar desses bens. Isso acontece nas melhores famílias.

Vivemos em um mundo materialista e, por isso, essa lei gravitacional a qual me refiro é muito forte. Mas nós temos a chance de desafiá-la.

Para isso, precisamos ter uma atitude como a do rei Davi que, sendo rico e possuidor de muitas riquezas, não se deixou ser perdidamente atraído por elas. Pelo contrário, ele orava assim: Senhor, Tu és grande e poderoso, glorioso, esplêndido e majestoso. Tudo o que existe no céu e na terra pertence a ti; tu és o Rei, o supremo governador de tudo. Toda a riqueza e prosperidade vêm de ti; tu governas todas as coisas com o teu poder e a tua força e podes tornar grande e forte qualquer pessoa. Agora, nosso Deus, nós te agradecemos e louvamos o teu nome glorioso. (1 Crônicas 29: 11-13)

Foi por causa de atitudes como essas é que Deus disse as seguintes palavras a respeito desse grande homem: ‘Encontrei em Davi, filho de Jessé, o tipo de pessoa que eu quero e que vai fazer tudo o que eu desejo.’ (Atos 13: 22)

Agora reflita: Você consegue possuir bens materiais sem se prender a eles? Você consegue desapegar-se deles conscientemente sabendo que tudo que você tem vem de Deus? Você consegue ‘abrir mão deles’ com a certeza de que apenas está devolvendo a Deus aquilo que dEle você recebeu 'emprestado'? Agradeça a Deus pelo que você tem!

O nosso maior tesouro, além da eternidade no Céu, é vivermos fazendo a vontade de Deus, livres dos pecados da ganância e da avareza! 

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Crise Existencial

Não pode ser meu seguidor quem não estiver pronto para me acompanhar ou para morrer como eu vou morrer. (Lucas 14:27)

Morrer aqui significa renunciar os próprios desejos. Esse é o primeiro fruto de uma pessoa que verdadeiramente aceitou o Evangelho de Cristo. Esse ‘morrer’ é um ato diário. Se uma pessoa se diz cristã, mas não ‘morre’ diariamente, significa que ela está ‘em cima do muro’, ou seja, ela não sabe se é ou se não é um cristão. Ela está em crise existencial. 

Há alguns dias eu escrevi sobre as duas doutrinas: a do cristianismo e a do existencialismo. Não é possível seguir as duas ao mesmo tempo. Se tentarmos o impossível, entraremos em crise porque essas doutrinas chocam-se entre si.

A doutrina existencialista enfatiza a necessidade que o homem tem de se realizar em todas as áreas da vida para ser feliz. Pelo lado oposto, Jesus Cristo conclamou Seus seguidores para continuamente carregarem a própria cruz. E a cruz é essa, disse Jesus: — Quem quiser me acompanhar não pode ser meu seguidor se não me amar mais do que ama o seu pai, a sua mãe, a sua esposa, os seus filhos, os seus irmãos, as suas irmãs e até a si mesmo (v.26). Essa é a cruz que o cristão precisa carregar, e mais do que isso, precisa nela morrer diariamente.

Todo homem prefere seguir seus próprios desejos, seus próprios pensamentos. Isso é natural. Mas o cristão não é um homem natural e sim espiritual, pois nasceu de novo da água e do espírito. Por isso, Cristo o desafia a abrir mão dos seus desejos pessoais. Por que isso?

Existem dois provérbios de Salomão que reforçam a mesma coisa: Há caminhos que parecem certos, mas podem acabar levando para a morte. (Provérbios 14:12 e 16:25). Esses dois versículos têm as mesmas palavras. A ideia é repetida para ficar bem claro na mente humana a importância da mensagem.

A ilustração é a de uma viagem na qual o viajante imagina estar no caminho certo, que o levará ao objetivo almejado de sucesso e de felicidade. O pecado, muitas vezes, esconde seu caráter verdadeiro e encobre seu amargo fim. O viajante descobre, tarde demais, que o caminho fácil conduz à morte prematura. A sabedoria humana (insensatez) é o 'caminho da morte', aquele em que o indivíduo decide o que é certo sem se importar com os mandamentos de Deus. O caminho da vida é a obediência submissa à vontade do Senhor. Essa é a verdadeira sabedoria.(Provérbios 1:7; 9:10).

O conhecimento humano por si só não é suficiente para nortear os planos do homem, porque a sua vontade é subjugada pela natureza pecaminosa. Quando o coração do homem quer algo, ele é capaz de loucamente perseguir o alvo sem pensar nas consequências do ato. Ele simplesmente ignora se o alvo é pecaminoso ou não, pois está obstinado pela insensatez. 

Quando o homem pensa nas consequências que podem advir do seu pecado, ele o evita. Quando o evita, renuncia algo que seria bom sob a ótica da carne, mas terrível sob o ponto de vista espiritual. Quem pode fazer isso é somente o homem espiritual. O homem natural não está disposto a renunciar seus desejos porque ele não está debaixo da doutrina de Cristo, mas da doutrina existencialista. 

Quando se evita o pecado, o homem cresce espiritualmente, descobre o caminho certo, aproxima-se mais de Deus e goza ainda mais da alegria da Sua presença. A alegria de estar na presença de Deus é saber desfrutar corretamente de todas as coisas que foram criadas por Ele, sem deixar de colocar a Sua vontade em primeiro lugar. A maior alegria do homem não provém da procura pessoal de prazer e satisfação, mas de encontrar Deus e levar aos outros a felicidade que Deus dá. 

Como está a sua vida? Você está em crise existencial? Você já decidiu ser um autêntico seguidor de Cristo? Assegure-se de colocar o desejo de Cristo em primeiro lugar e então poderá ter muita coisa boa aqui e, por fim, o Céu também!

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Se O Meu Fusca Falasse!

Ó Deus, examina-me e conhece o meu coração! Prova-me e conhece os meus pensamentos. Vê se há em mim algum pecado e guia-me pelo caminho eterno. (Salmo 139:23-24) 

Coração na Bíblia representa o verdadeiro caráter do homem, os seus pensamentos e motivos. É muito fácil sermos enganados pelo nosso coração. Muitas vezes achamos que ele está em bom estado pensando assim: Eu sou uma boa pessoa; eu vou à igreja duas vezes por semana; eu participo dos estudos bíblicos semanais; eu tenho minhas devocionais diárias com Deus; eu sou voluntário em minha comunidade; eu entrego o dízimo corretamente; eu dou a devida atenção à minha família; eu oro por meus amigos; etc.

Não é assim que acontece? Achamos que está tudo bem com nosso coração porque o olhamos superficialmente. Quando aplicamos uma sondagem mais profunda, começam a aparecer as imperfeições...

Existe um momento infalível no qual podemos diagnosticar nosso coração: É o momento em que as pessoas pisam no nosso calo. O momento mais característico é quando estamos no trânsito, ao volante. Quando estamos dirigindo, o verdadeiro ‘eu’ vem à tona. 

Existe uma frase que é usada em outro contexto que diz assim: Se o meu fusca falasse! No nosso contexto, o que queremos dizer com essa frase é que falamos e pensamos muitas besteiras quando estamos conduzindo o nosso veículo. Quando algum outro motorista ‘pisa na bola’ no trânsito e nos assusta ou nos prejudica de alguma forma, o que é que nós falamos ou pensamos ou até gesticulamos?

Então, o momento em que somos vítimas de algum incidente é o ideal para avaliarmos a saúde espiritual do coração. Qual é a reação quando alguém pisa no nosso calo? Nós reagimos de maneira mansa ou de maneira agressiva? 

Precisamos sondar mais profundamente o nosso coração. Se não somos capazes de fazer isso por nós mesmos, então devemos pedir para que Deus o faça. Se após algum incidente de ira ou de raiva nós ficamos envergonhados com nossos atos, é sinal de que o Espírito Santo está nos iluminando. Isso é bom! É a prova de que Deus se preocupa conosco!

Estar decepcionado com o nosso comportamento não é uma coisa tão ruim assim porque esse é o primeiro passo para o aperfeiçoamento. Seja o que for que expõe a condição do nosso caráter, devemos procurar reter o melhor em todas as situações e agradecer a Deus por iluminar a mente com relação ao erro. 

Perdoe você mesmo os seus momentos de revolta e siga em frente, buscando a perfeição. Deus quer lhe encher com o Seu Espírito Santo. Só assim você pode frutificar conforme o Seu querer. Faça do seu carro um local de pura alegria e felicidade!

Peça agora para Deus examinar o que está errado lá no fundo do seu coração. Depois, agradeça-O por mudar você de dentro para fora.

Ó Deus, nos ajude a sermos cheios do Espírito Santo para frutificarmos a mansidão, a longanimidade e o domínio próprio!

sexta-feira, 22 de julho de 2011

O Artesão Divino

Será que eu não posso fazer com o meu povo o mesmo que o oleiro faz com o barro? Vocês estão em minhas mãos assim como o barro está nas mãos do oleiro. Sou eu, o Senhor, quem está falando. (Jeremias 18:6)

Certo homem desceu à oficina de um artesão que fabricava vasos de barros. Chegando lá ele encontrou o artesão trabalhando com o barro sobre a roda de madeira. O homem observava que quando o pote que o artesão estava fazendo não ficava bom, ele desmanchava tudo, amassava o barro e novamente fazia outro, conforme queria, até que finalmente conseguia moldar um lindo e resistente vaso.

Depois saiu dali e foi observar um ferreiro moldar uma flecha. Ele achou interessante a persistência do ferreiro ao forjar o ferro: O ferreiro batia no metal aquecido à alta temperatura, depois mergulhava na água fria, olhava de um lado e de outro, via que não estava bom, colocava pra aquecer de novo, batia...

O homem chegou à conclusão que o trabalho dos dois artesãos levava horas para ficar bom. O interessante no trabalho do ferreiro é que primeiro precisava-se encontrar o tipo adequado de metal; depois, esse metal era submetido ao calor extremo, à pressão para moldar, aos batidos do martelo, a mais calor, a mais elaboração, a mais arrefecimento, até atingir enfim a formação perfeita de uma flecha bem resistente e eficiente.

O mesmo princípio se aplica à formação do caráter do homem pelo Artesão Divino – Deus. A Bíblia está repleta de exemplos da aplicação desses princípios na formação de grandes homens. Moisés vagou por um deserto durante quarenta anos até ser nomeado líder dos Hebreus. Davi guerreou bastante e sofreu várias perseguições antes de ser proclamado rei de Israel. Jó presenciou o desastre total de sua vida familiar e financeira antes de ser nomeado o pai da paciência.

Eu sempre perguntei a mim mesmo por que um Deus tão bom pode permitir que coisas ruins aconteçam aos seus seguidores. Com o tempo eu entendi o porquê. Deus nos ama e quer o melhor para nós, mas ele também quer que seus seguidores sejam fortalecidos e eficientemente preparados para um grande trabalho no Seu Reino, trabalho esse que começa exatamente aqui na terra.

O bom caráter não pode ser desenvolvido no meio de uma vida mansa. Somente mediante a provação e o sofrimento é que a alma pode ser fortalecida, a ambição inspirada e o sucesso alcançado. Se Deus nunca deixar nada de ruim acontecer ao homem, Ele seria injusto com Seu próprio filho Jesus Cristo que sofreu várias perseguições e morte vergonhosa na difícil tarefa de executar o sublime plano celestial de salvação da humanidade.

O verdadeiro seguidor de Deus sabe que a vida cristã não é só de bênçãos. Nem tudo dá certo o tempo todo. O cristão deve sempre ter em mente que haverá momentos em nossas vidas que Deus pode parecer duro ou até mesmo cruel conosco. Pode ser a perda de um ente querido, uma doença, ou talvez um sonho frustrado. Apesar de tudo, o cristão deve lembrar que Deus o ama e nunca vai abandoná-lo.

Permita-se ser moldado para ser a pessoa que Deus quer que você seja. Desse modo, no dia que Ele te chamar para o trabalho no Seu Reino, você será eficiente sendo capaz de atingir o alvo com firmeza.


Tire agora um tempo para orar e meditar no que Deus está fazendo com você. Lembre-se que Ele quer aperfeiçoá-lo. Como uma flecha que acerta o alvo, seja usado por Deus.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Seja Um Amigo

O amigo ama em todos os momentos. (Provérbios 17:17)

Ao olhar as fotografias das férias, meu coração se aquece eu ver os rostos de amigos e irmãos que têm desempenhado papéis diferentes na minha vida: intercessor, aconselhador, alegrador, ouvinte, incentivador, crítico construtivo, e assim por diante. Eu vejo nesses adjetivos muitas maneiras de servir e doar de si mesmo aos outros. Eu sou abençoado a cada vez que lembro o que meus amigos têm sido para mim.

Diante disso, eu também sinto uma obrigação: O que estou fazendo para meus amigos? Eu estou sendo para eles o que eles têm sido para mim? Eu tenho me colocado à disposição de Deus para ser bênçãos na vida deles?

Ralph W. Emerson disse a famosa frase: ‘A única maneira de ter um amigo é ser um.’ E ele estava certo sobre isso. Amizades não acontecem por acaso. Elas levam tempo. Elas exigem esforço. Elas precisam ser cultivadas. Isso significa que todos nós temos que fazer alguma coisa se quisermos cultivar e fazer amadurecer as relações com os outros.

Quando faço meu login nas redes sociais ou programo um churrasco na minha casa, eu sempre reflito se estou realmente disposto a ser um amigo ‘que ama em todos os momentos’. Isso significa que tenho que estar pronto para eventualmente alterar os meus planos de vida, a fim de encontrar tempo para ajudar a satisfazer as necessidades dos meus amigos, inclusive aqueles ‘virtuais’.

Isso é algo que Deus está trabalhando em mim, nesse momento de reflexão. Estou disposto a ajustar os meus planos e sacrificar o meu tempo e meus desejos em favor dos meus amigos? Ou aquilo que estabeleci como alvo na minha vida é mais importante? Eu estou buscando a direção do Senhor? Eu estou prestando atenção ao que o Espírito Santo me direciona?

Sem dúvida, se você realmente quer ser um amigo, prepare-se, porque em algum momento de sua vida Deus vai lhe dar a oportunidade de sê-lo. Não perca! Faça um inventário dos amigos que você tem hoje e relacione quais as mudanças precisam serem feitas na sua vida para que eles, de coração, lhe chamem de amigo.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Quem é Mais Importante?

Alguns discípulos de João Batista se juntaram e foram dizer a Ele: — Mestre, aquele homem [Jesus] que estava com o senhor no outro lado do rio Jordão está batizando as pessoas. Todos agora estão seguindo-O. Ouvindo isso, João respondeu: — Vocês são testemunhas de que eu disse: Eu não sou o Messias.

Embora João Batista tivesse plena certeza de quem ele era, os seus discípulos não tinham a mesma segurança. Eles estavam em crise existencial porque não sabiam se continuavam seguindo seu mestre João Batista, em fim de carreira, ou se passavam a seguir o Mestre dos mestres Jesus Cristo.

Para acabar com a confusão na cabeça deles, João Batista disse: Ele [Jesus] tem de ficar cada vez mais importante, e eu, menos importante. (João Batista – João 3:30)

O homem não pode ser mais importante do que Jesus. Mesmo se for excelente pregador e líder. Jesus é o Noivo. Num casamento, o noivo é aquele a quem a noiva pertence. O amigo do noivo está ali, e o escuta, e se alegra quando ouve a voz dele. Quando o homem quer ser mais importante do que Jesus Cristo, significa que ele não optou pelo cristianismo, e sim pelo existencialismo. A doutrina do cristianismo vem de Deus; a do existencialismo vem do homem.

O existencialismo possui sete doutrinas que alimentam o orgulho e dão aos outros a falsa impressão de que aquele homem é um verdadeiro discípulo de Cristo. Elas impedem que Cristo apareça na vida do homem. O homem tem uma facilidade enorme de assimilar essas doutrinas porque elas engrandecem o ego. São elas:

Formalismo: A pessoa frequenta a igreja assiduamente, mas os ensinamentos que lá aprende têm pouca influência na sua maneira de viver. No formalismo, a pessoa critica as outras e é impaciente com quem não tem o mesmo compromisso com a igreja.

Legalismo: A pessoa cumpre na íntegra as regras que ela mesma (ou outro) criou. Ela sente-se orgulhosa e fica arrogante. Por isso, despreza os outros que não seguem seus padrões. Não há alegria na vida dessa pessoa porque não existe a graça e a misericórdia. Por outro lado, ela não tem o que comemorar porque não está fazendo nada além da obrigação de cumprir as suas próprias regras.

Misticismo: A pessoa está engajada na busca de uma experiência sobrenatural. Então, para essa pessoa, não importa se ela está procurando Deus ou outra divindade qualquer. Se uma divindade não atende os seus desejos místicos, ela não reluta em procurar outra.

Ativismo: A pessoa reconhece a natureza missionária da igreja e está apaixonadamente envolvida em apresentar solução para o problema do mundo corrompido. Então ela faz de tudo para ‘trabalhar para Cristo’ e faz até coisas que Deus não pediu para fazer. Quando chega o final do dia, a pessoa está mais satisfeita com a sensação do dever cumprido do que propriamente com a presença de Cristo. É o clássico exemplo bíblico de Marta e Maria.

Biblicismo: A pessoa conhece tudo da Bíblia. Ela sabe tudo o que Deus ensinou e acha que o evangelho de Cristo é só conhecê-la. Então, ela passa anos e anos nos bancos da igreja e chega a criticar quem não a conhece. O problema é que a pessoa não consegue colocar em prática os mandamentos de Deus.

Terapeutismo: A pessoa sabe tratar muito bem das almas emocionalmente feridas, apresentando-as, corretamente, que o amor de Cristo é a solução para todos os traumas emocionais. Ocorre que muitos problemas emocionais são causados pelo pecado – ira, falta de perdão, inveja, etc. e isso não é mostrado aos doentes. Eles não são confrontados. Assim, os doentes não mudam de vida e por isso não são curados definitivamente.

Socialismo: A pessoa idolatra o ambiente de comunhão e as amizades que encontra na igreja. Alguns chegam até ao ridículo de idolatrar o templo (edifício). O problema aqui é que o corpo de Cristo substitui o próprio Cristo na vida da pessoa e a propagação do evangelho, que deveria ser expandida pelo mundo, é reduzida a uma pequena rede social cristã ou a um clubinho de fraternidade.

Pelo que se pode concluir, a doutrina do cristianismo é infinitamente mais importante, pois glorifica o Rei Jesus Cristo. As doutrinas do existencialismo exaltam o homem e o seu ego. Portanto, procure seguir a doutrina de Cristo. Aquele que vem de cima é o mais importante de todos, e quem vem da terra é da terra e fala das coisas terrenas. Quem vem do céu é o mais importante de todos. (João 3:31)


Você está seguindo a doutrina do cristianismo? Ou está tendente para umas dessas doutrinas do existencialismo? A quem você quer exaltar?

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Qual é a Chave?

Não fiquem irritados uns com os outros e perdoem uns aos outros, caso alguém tenha alguma queixa contra outra pessoa. Assim como o Senhor perdoou vocês, perdoem uns aos outros. (Colossenses 3:13)

Ultimamente, Deus tem me dado a oportunidade de testemunhar vários casamentos. É interessante notar que em cada cerimônia há uma história diferente. O cenário, o tema, as cores, o vestido de noiva, as damas de honra, etc. O que mais me encanta, entretanto, são as preleções em estilo familiar que buscam explicar algum tema bíblico relacionado ao casamento.

Durante uma preleção, um ministro contou a sua própria história de aconselhamento pré-nupcial. Ele contou que seu conselheiro lhe fez uma pergunta que normalmente é feita a todo casal que quer unir-se em casamento: ‘Sob o seu ponto de vista, qual é a chave para um casamento amoroso e saudável?’

Ele contou que para responder a essa pergunta, ele parou por um momento, pensou e disse assim: – Se você me perguntasse isso há seis meses, quando nos noivamos, eu teria dito que é a comunicação. Mas agora eu acho que é algo diferente. Eu acho que a verdadeira chave é o perdão.

O perdão é a chave? Mas não dizem todos que é a comunicação?

Isso me fez refletir. Eu sou casado há 32 anos e sempre ‘pisei na bola’ nessa área de comunicação. Talvez seja esse o mal de muitos homens. No entanto, tenho muita facilidade para perdoar, pelo menos a minha esposa. Evidentemente, minha esposa também tem a mesma facilidade que eu, não obstante seja ela uma boa comunicadora. É claro que o meu pecado de falta de comunicação muitas vezes me obrigou a pedir perdão à minha querida.

O ministro continuou sua homilia apontando para o maior exemplo de perdão – o de Jesus Cristo perdoando Sua Noiva errante (a Igreja). Jesus Cristo sempre foi um bom comunicador. Ele expressou todo o seu desejo na Sua Palavra – escrita –, a Bíblia Sagrada. E ele não escolheu a escrita como meio para revelar os seus desejos apenas por ser mais eficiente, mas porque dá prazer e o leitor pode rever as ordenanças de forma periódica. A Sua Noiva, a Igreja – que somos cada um de nós – é que não se interessa muito pela perfeita comunicação do Noivo e, por causa disso, comete os maiores erros e pecados, necessitando do perdão diário.

Assim sendo, a chave para o casamento feliz entre Cristo e Igreja só pode ser o perdão de Cristo, uma vez que a Sua comunicação é relaxadamente desprezada... Cristo sempre está perdoando a sua Noiva.

Da mesma forma, o casamento humano tem como chave o perdão. É preciso saber perdoar como Cristo perdoou e perdoa, não obstante isso Lhe tenha custado muito caro.

A beleza da flor representando uma perfeita comunicação perde o seu esplendor se não há no seu suporte os espinhos do perdão. Certamente qualquer cônjuge ‘pisa na bola’, mesmo quando há uma boa comunicação.

No cotidiano precisamos de perdão, mas também de conceder perdão. Não é que a comunicação seja inútil, ou que o diálogo não seja uma expressão de amor. Pelo contrário, a escritura está cheia de mandamentos para que incentivemos e exortamos uns aos outros em amor. A comunicação permite conhecer melhor uns aos outros, mas isso não vai muito longe sem o perdão.

Portanto, abra a porta da felicidade com essa chave!


Comece agora perdoando o passado e faça um propósito com Deus de exercer sempre o perdão de agora em diante.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

A Maratona

Fiz o melhor que pude na corrida, cheguei até o fim, conservei a fé. (2 Timóteo 4:7)

Todo ano acontece a Maratona Internacional na cidade de São Paulo. O evento é composto por Maratona 42 km; Corrida 25 km; Corrida 10 km e Caminhada 3 km. Milhares de pessoas participam e há espaço para todos, até para aqueles que gostam de ficar às margens, torcendo, suspirando, encorajando, oferecendo garrafinhas de água, etc.


Alguns cruzam a linha de chegada, mas a maioria desiste pelo caminho. Outros caem e atrapalham os que vêm atrás. Alguns começam na dianteira e, na reta final, são ultrapassados por aqueles que iniciaram lentamente... Muitos levam seus amigos e familiares para torcer e dar uma forcinha nos momentos difíceis... Ou seja, dá para sentir que não é fácil uma corrida, mas há todo tipo de emoções, o que torna o evento muito atrativo. Eu ainda não participei, mas tenho muita vontade... Por enquanto, estou treinando...

Paulo compara a vida cristã a uma corrida, e o motivo é bem claro: A vida cristã não é fácil. Às vezes há momentos em que o participante está tão cansado que pensa em desistir. Às vezes há momentos em que ele precisa apenas de um encorajamento. Às vezes, há momento de certeza de que não há mais força para correr nem mais cem metros. Nesse momento, é importante a presença de alguém ao lado, mesmo que esteja na plateia, para dar-lhe o encorajamento necessário. 

O problema é que muitas vezes tentamos fazer a corrida sozinhos. Talvez isso aconteça por causa da vergonha que temos de parecer fracos e de ter que pedir ajuda. Seja qual for o motivo, manter as pessoas longe de nós e tentar levar tudo ‘no braço’, com a nossa própria força, não funciona.

O ponto fundamental da fé cristã é entender que não podemos vencer a carreira por nós mesmos. Só podemos alcançar a salvação pela graça de Cristo. E só podemos viver a vida cristã ajudando uns aos outros. Portanto, não tenha medo de pedir ajuda; o homem é um ser gregário e não foi feito para estar sozinho.


Você precisa de ajuda? Existe alguma coisa que está lhe enfraquecendo na fé cristã? Procure ajudar alguém que está próximo a você! Não vire as costas para eles e nem se sinta desconfortável em pedir ajuda. Lembre-se de que você precisa chegar ao fim dessa corrida! E com a fé intacta!

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Fique Quieto!

Deus diz: Parem de lutar e fiquem sabendo que eu sou Deus. Eu sou o Rei das nações, o Rei do mundo inteiro. (Salmos 46:10)

A obra de Deus é realizada paulatinamente e de maneira quase imperceptível. O Espírito de Deus não é violento e nem precipitado, mas 'o homem deseja tantas coisas, e no entanto precisa de tão pouco'. (Johann Goethe)

Ultimamente a minha cidade tem sido muito movimentada: fluxos intermináveis de veículos, ruídos intensos, movimentos de pessoas, correria de um lado para o outro... A vida está ficando cada vez mais louca! 'Nós nos tornamos máquinas de trabalhar e estamos transformando nossas crianças em máquinas de aprender' (Augusto Cury). A verdade é que quanto mais vai avançando a nossa idade, mais saudosos ficam aqueles preguiçosos dias na infância, nos quais tínhamos tempo para tudo e para todos e não nos preocupávamos com nada.

Se você é pai ou mãe de família, certamente, nesse momento, você deu uma pequena parada nas atividades corriqueiras para ler essa devocional e fazer uma reflexão. Mas você pode estar pensando assim: tenho que ler isso rápido porque daqui a pouco tem muita coisa para se fazer... Somos cheios de atividades, não somos? Trabalhamos muitas horas por dia e às vezes nem tempo temos para usufruir aquilo que compramos, não é verdade?

Por que vivemos assim, de maneira tão frenética? O que nos obriga a isso? E por que nos sentimos obrigados a viver assim? Será que não estamos extrapolando as nossas atribuições como seres humanos?

Muitos pensam: Se eu trabalhar duro, eu conseguirei tal bem, tal posição social, ou terei mais valor diante das pessoas. Outros não pensam nada disso, mas se enterram no trabalho na tentativa de manter a mente desligada das decepções e das frustrações da vida...

Às vezes acabamos por perder de vista as nossas prioridades, aquilo que mais gostamos de fazer, e somos facilmente envolvidos pelo padrão que o sistema consumista impôs, sendo enquadrados pela cultura ao nosso redor, sem percebermos que estamos deixamos o precioso tempo de vida escapar. A verdade é que estamos tão preocupados com o que queremos ter, que esquecemos de usufruir e agradecer o que já temos.

Independentemente do motivo pelo qual estamos vivendo, tomados de frenesi, no fundo, cada um de nós almeja deixar um pouco essa louca rotina. Nossas almas anseiam pela paz, pela quietude, pelo silêncio... Se ignorarmos os gritos da nossa alma, certamente nossos corpos passarão a exigir esse alívio, antes que arriam de vez.

Por que gostamos tanto da quietude e da tranquilidade? É porque essa vida agitada que aí está não foi almejada por Deus para os humanos. Nas Escrituras vemos mais que uma vez Deus nos chamando para nEle buscarmos a paz; para nEle aliviarmos nosso fardo; para com Ele deixarmos de lado nossas ansiedades e nossas batalhas sem sentido.

Vemos Deus falar com o salmista com uma voz mansa e delicada, como no texto acima. Vemos Jesus Cristo dizer para uma Marta ansiosa que sua irmã Maria escolheu a melhor parte, quando ela abandonou as tarefas domésticas para se sentar aos pés de Jesus. (Lucas 10: 41-42)

Após um longo dia de correr aqui e acolá, eu encontro o desejo de ser igual Maria, pacífica, tranquila, cujo único trabalho é estar com Cristo. Como podemos nos tornar mais parecidos com Maria quando a grande maioria de nós se assemelha com a preocupada Marta? Como eu amo essa parte da Bíblia onde é descrita a história de Marta e Maria!

No meio de tanta atividade, Maria fez uma escolha simples: Parou, sentou e ficou quieta. Você e eu podemos fazer uma escolha assim também, mesmo quando a vida parece nos pressionar por todos os lados. Pode ser difícil no início, porque haverá momento em que seremos tentados a pegar o controle remoto da vida ou encurtar nosso tempo devocional com Deus. Mas se buscarmos efetivamente a quietude, estaremos dizendo: ‘Nada mais é tão importante para mim quanto o Senhor’.

Quando eu entro no escritório para passar o meu tempo com Deus, ouvir a Sua voz e escrever devocionais, eu não percebo nada que está acontecendo lá fora. Aliás, nenhum ruído me perturba, além dos cantos dos passarinhos. É tão bom ficar sem fazer nada em um lugar cheio da presença de Deus, podendo ter a experiência de conhecê-Lo mais profundamente!


Como está sua vida? Você consegue ficar quieto? Visite algum local onde se possa sentar, refletir e estar a sós com o Senhor. Faça isso pelo menos uma hora por dia e verá a diferença!

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Tomem Cuidado!

Mas vocês, meus amigos, já sabem disso. Portanto, tomem cuidado para não serem levados pelos erros de pessoas imorais e para não caírem da sua posição segura. (2 Pedro 3:17)

Quem de nós não se lembra de alguma cena de filme, ou programa de televisão, ou livro, ou até mesmo já brincou, quando criança, com alguém com uma espada empunhada, gritando em alta voz: ‘Estou pronto! Pode vir!’, antes de se envolver em um duelo com outra pessoa?

Em uma situação de duelo, por brincadeira ou não, o aviso é dado para alertar a outra parte que ‘eu estou armado, então, tome cuidado e se prepare para se defender!’

Trazendo esse texto à luz das atuais batalhas espirituais que atualmente vêm acontecendo nas igrejas cristãs, que significado tem para nós o alerta escrito pelo apóstolo Pedro?

Se prestarmos bastante atenção no que o texto quer dizer, perceberemos que se não estivermos firmes em nossas convicções cristãs e não vigiarmos constantemente, poderemos cometer erros e pecados fatais, influenciados ou levados por pessoas que não seguem corretamente a Palavra de Deus. O verbo ‘levar’, enfatiza ‘fazer alguém passar de um estado a outro; impelir, induzir’ ou popularmente ‘passar a lábia’.

Existem muitos falsos mestres no meio das igrejas. Muitos líderes com lindos discursos e palavras doces, mas nada comprometidos com a Palavra de Deus. São os chamados profetas de meia-boca, que sabem usar muito bem a ‘lábia persuasiva’, como o fazem os exímios vendedores. Eles ensinam a Palavra de Deus pela metade e estão preocupados tão somente em encher os bancos das igrejas a fim de tirar algum proveito material disso.

É bem verdade que Deus se preocupa com números, tanto é que existe um livro na Bíblia com esse nome. Isso é bom, mas o verdadeiro mestre jamais pode omitir os ensinamentos e os princípios divinos da moralidade, da ética e da busca constante da pureza. É preciso ter em mente que Jesus Cristo, como um noivo zeloso, quer uma noiva pura e sem mácula.

É por causa desses falsos mestres que muitas igrejas de hoje não brilham como luz do mundo; não são o sal da terra como Cristo determinou que fossem; não são nada diferentes de um clubinho, de um teatro, de uma arena ou de outra coisa parecida. ‘A igreja sem a cruz de Cristo não passa de um clube social’ (Rick Warren), onde as pessoas se reúnem apenas para saciarem suas carências afetivas ou familiares.

Temos que ter em mente que os não-cristãos procuram as igrejas na tentativa de encontrarem nelas algo diferente para as suas almas. A maioria quer efetivamente abandonar os costumes carnais e mundanos. Eles querem algo que os impacte e que realmente alimente o vazio interior. O mundo não tem como preencher esse vazio. Só Cristo pode preenchê-lo.

O problema é que as pessoas, quando começam a frequentar as igrejas, passam a perceber que, em muitas delas, não há nada diferente do que estão cansados de ver no mundo. Por causa disso, não se firmam.

Realmente, se for para viver dentro das igrejas da mesma maneira que se vive no mundo, estamos perdendo nosso tempo e sendo tropeços na vida de outros. O melhor mesmo seria deixar a igreja de lado e ‘entrar de cara’ nas iguarias carnais que nos são oferecidas diariamente. Pelo menos, no ‘mundão’ existem mais opções e, por tabela, o cristão meia-sola não corre o risco de dar mau testemunho da Palavra de Cristo.

Infelizmente, os falsos mestres, com seus falsos ensinos e seus falsos discípulos de Cristo estão se multiplicando cada vez mais. Mas isso é cumprimento de profecia bíblica. O Espírito de Deus diz claramente que, nos últimos tempos, alguns abandonarão a fé. Eles darão atenção a espíritos enganadores e a ensinamentos que vêm de demônios. (I Timóteo 4:1)


Portanto, não baixe a guarda! Cabe a você estar alerta e bem embasado na Palavra de Deus. Procure ler e estudar a Bíblia com devoção. Peça a interpretação diretamente ao Espírito Santo. Agindo assim, você estará cada vez menos exposto aos ensinamentos de falsos mestres e não corre o risco de perder a sua salvação.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Uma Fé Diet

A diferença clara que existe entre os filhos de Deus e os filhos do Diabo é esta: quem não faz o que é correto ou não ama o seu irmão não é filho de Deus. (1 João 3: 10)

Somos amigos inseparáveis de um casal muito gente fina. Fomos seus padrinhos de casamento. Durante os churrascos de fins de semana - e agora ultimamente no meio das semanas também -, eu brinco com os costumes engraçados deles. Ele é um carnívoro voraz; ela é uma vegetariana devota. Então, quando vou servir os pedaços saborosos de picanha, eu coloco uma folhinha de alecrim na travessa e digo assim: a carne é para ele; a folha de alecrim é para ela. Isso é motivo de muita risada e diversão... 

Mas eu acho que tem hora que eu passo dos limites. Creio que temos que respeitar a escolha e o hábito de cada pessoa. É claro que nas refeições que servimos sempre preparamos, além do churrasco, uma deliciosa e crocante salada para a minha afilhada. Afinal, ela merece!

Entretanto, se perguntarmos a qualquer nutricionista, eles dirão que ser vegetariano é uma boa opção para quem busca ter uma excelente saúde. Para quem sabe saborear a delícia de uma salada - de frutas ou de legumes -, o hábito de ser vegetariano é tão prazeroso quanto saborosa é a carne para o carnívoro. Eu acredito que Deus, na Sua sabedoria, criou o homem vegetariano, e este só veio a adquirir o hábito de comer carne após o dilúvio, tendo em vista a necessidade na época.

Particularmente, também acredito que o hábito vegetariano é mais saudável, embora eu seja carnívoro desde criancinha. Por ser este um costume familiar, há muitos anos tenho tentado inutilmente mudá-lo.

Não quero aqui criar partido para defender nem um, nem outro hábito. Porém, existe uma enorme e substancial diferença entre os dois: O vegetariano, por ingerir um alimento facilmente digerível, sente-se mais leve, mas precisa repetir a dose com mais frequência durante o dia para evitar a fome. Já o carnívoro se satisfaz com uma ou duas refeições diárias, tem uma digestão complicada e muitos deles precisam até da ajuda de um antiácido.

Comparando com a alimentação espiritual, eu pergunto: Qual é o seu hábito alimentar? Você tem uma alimentação saudável? Com que periodicidade você alimenta a sua alma da Palavra de Deus? Diariamente? Semanalmente? Mensalmente? Somente nas festas religiosas anuais? Ou quando já está quase morto de fome? Você se alimenta regularmente como um vegetariano? Ou é como o carnívoro que passa tempos e tempos tentando digerir o alimento e, às vezes, necessitando de um aconselhamento, de um antiácido?

Todos nós precisamos de uma boa alimentação para crescer na fé e ter boa saúde espiritual. Precisamos ser diferentes daqueles que ainda não temem a Deus. Não se engane: Deus quer que sejamos luz do mundo e sal da terra. Jesus disse: — Vocês são o sal para a humanidade; mas, se o sal perde o gosto, deixa de ser sal e não serve para mais nada. É jogado fora e pisado pelas pessoas que passam. (Mateus 5: 13)

Precisamos refletir uma boa e sincera saúde espiritual para as pessoas que nos rodeiam. Precisamos fazer o que é correto sob a perspectiva da Palavra de Deus. Precisamos amar as pessoas e levar a paz aonde há conflitos; a esperança aonde há desespero; o amor aonde há ódio! 


Convide seus amigos para juntos estudarem a Palavra de Deus na sua casa. Se você se ativer apenas ao sermão de domingo, e talvez nem a este, certamente você não estará bem preparado para todas essas tarefas cristãs. Então, negue-se a si mesmo e comece um relacionamento saudável com Deus e a Sua Palavra. Não precisa ser diet na vida cristã. Quanto mais alimentado da Palavra de Deus, melhor!

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Oremos!

Nas suas orações, não fiquem repetindo o que vocês já disseram, como fazem os pagãos. Eles pensam que Deus os ouvirá porque fazem orações compridas. Não sejam como eles, pois, antes de vocês pedirem, o Pai de vocês já sabe o que vocês precisam. Portanto, orem assim: “Pai nosso, que estás no céu, que todos reconheçam que o teu nome é santo..." (Mateus 6:7-9)

Sabemos que Deus se preocupa com algo tão pequeno como um pardal, porque ele diz isso. Mas será que ele se preocupa com a nossa qualidade de vida? Se Deus já sabe de tudo que precisamos, porque devemos orar? Sobre o quê devemos orar?

Certamente eu não vou responder a todas essas perguntas no espaço de uma devocional, mas vou falar um pouco sobre o modelo de oração que Cristo nos ensinou. Sem dúvida, Deus quer que oremos. Deus já sabe o que precisamos, mas Ele quer a nossa atenção e confiança.

Primeiramente, temos que crer que estamos orando ao nosso Pai, não a uma divindade qualquer. O Pai ama seus filhos e cuida bem deles. Temos que ter isso em mente.

Em seguida, Deus quer que oremos para que todas as pessoas reconheçam que Ele é santo. Isso é essencial para os humanos. Ser santo significa ser separado do mundo, ou seja, ser separado da iniquidade, da imoralidade, da violência e de tudo de ruim desse mundo. Sem esse reconhecimento, nós não podemos agradar a Deus. E sem agradá-Lo, é impossível ser atendido por Ele.

Devemos pedir para que a vontade dEle seja feita e que Ele seja soberano na nossa vida. Não é a nossa vontade que tem que ser feita, mas a dEle. Então, o nosso pedido deve estar encaixado na vontade dEle expressa na Bíblia. Se pedirmos algo fora, certamente não receberemos.

Vamos pedir o que precisamos para hoje e somente com relação ao alimento, que significa sustento, aí incluídos o abrigo e o vestuário. O resto é supérfluo. Também não precisamos pedir para amanhã, pois o amanhã pertence a Deus.

Tendo em mente a obrigação de perdoar as pessoas, devemos pedir que Deus perdoe os pecados que cometemos no dia, a cada dia. Não deixe para perdoar e nem para pedir perdão amanhã; faça isso hoje.

Como a carne é fraca, devemos pedir a Deus para não nos deixar pecar quando vier a tentação. Devemos também pedir para que Ele nos livre da maldade que está solta pelo mundo.

Lembre-se: A oração deve ser diária. Não podemos nos esquecer disso. Devemos ficar alertas e vigiando sempre porque o nosso inimigo, o Diabo, anda por aí como um leão que ruge, procurando alguém para devorar (1 Pedro 5:8). Então não se descuide.


Viu como é fácil orar? A melhor maneira de aprender a orar é orando... Comece agora mesmo!

sexta-feira, 1 de julho de 2011

A vida é feita de escolhas!

O que você vai ler na história em quadrinhos a seguir não é de minha autoria. Ela é o supra-sumo da Bíblia. Se você a entender, significa que você entendeu a Bíblia. Agora, acho bom você ler porque pode lhe ser muito útil! Não diga depois que não lhe avisei!

Que o Espírito Santo lhe ilumine, seja com você nessa leitura, lhe convença do pecado e, assim, você seja levado ao arrependimento, para a Salvação da alma. Esta é a vontade de Deus para todo homem: Que todos sejam salvos e conheçam a Glória de Deus.

Escolha uma das duas vidas:

Vida sem Deus:



















Vida com Deus:





Qual vida você vai escolher? Eu escolhi a vida com Deus!

Se você escolheu a 'Vida com Deus', significa que você aceitou a Jesus Cristo como seu único Salvador, pois ele disse: — Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém pode chegar até o Pai a não ser por mim. (João 14.6)

Agora, como prova de sua decisão correta, você precisa ter a coragem de repassar esta história para seus amigos e familiares, pois Jesus Cristo disse: — Se uma pessoa afirmar publicamente que pertence a mim, eu também, no Dia do Juízo, afirmarei diante do meu Pai, que está no céu, que ela pertence a mim. (Mateus 10:32)

Mas se você não tiver coragem de repassar... aí não sei de nada, pois Jesus Cristo também disse: — Se alguém tiver vergonha de mim e do meu ensinamento, então o Filho do Homem também terá vergonha dessa pessoa, quando ele vier na sua glória e na glória do Pai e dos santos anjos. (Lucas 9:26)