quarta-feira, 29 de junho de 2011

O amor é lindo!

Vocês são filhos queridos de Deus e por isso devem ser como Ele. Que a vida de vocês seja dominada pelo amor, assim como Cristo nos amou e deu a Sua vida por nós, como uma oferta de perfume agradável e como um sacrifício que agrada a Deus! (Efésios 5:1-2) 

O amor romântico é uma coisa linda, não é? É o sonho de meninas com seus príncipes encantados. É o sonho de meninos em amarrarem seus corações orgulhosamente numa linda mulher. Ambos querem prosseguir na vida com esperanças de viverem felizes para sempre! 

Embora o amor romântico – a paixão – seja um presente de Deus – um pedaço do céu na terra – vamos ser honestos: a paixão é também a arma que os demônios podem usar para brincar com nossos corações. Afinal, quantos de nós já experimentamos também os pontos fracos de uma paixão? Nos corações de muitos homens e mulheres, a paixão só manifestou seus pontos fracos, mesmo quando as intenções eram as mais belas. 

É só pelo milagre de Deus que casamentos duram a vida inteira, dada a grande possibilidade de dor que os cônjuges estão propícios em infligir um ao outro. Poetas e escritores sobre ‘paixão’ têm se referido a ela como uma forma de insanidade. Eu mesmo recentemente brinquei com um amigo dizendo que, sem Deus, a paixão é uma insanidade. 

Mas para o cristão, o amor é muito mais do que paixão. Se olharmos para Cristo na cruz, veremos que o amor verdadeiramente sangra... O verdadeiro amor é vulnerável e tudo sofre. 

Em seu livro The Four Loves, C.S. Lewis observou: 

‘Amar a qualquer pessoa é ser vulnerável... Se você quer manter seu coração intacto, você não deve dar o seu coração para qualquer um... Guarde-o com segurança no caixão do seu egoísmo. Mas esse caixão – seguro, escuro, imóvel, sufocante – um dia poderá se abrir. Ou será que não? Será que sempre ficará inquebrável, impenetrável, irredimível... O único lugar onde você pode estar perfeitamente seguro e livre do amor é no inferno...’ 

Todos nós gostaríamos de acabar com os pontos fracos do amor, mas quando lembramos do sacrifício de Jesus Cristo na cruz, percebemos que isso é impossível. A Bíblia descreve a dura verdade sobre a natureza humana: quase ninguém seria capaz de morrer sequer por um grande amigo, mas Cristo morreu por todos, inclusive pelos Seus inimigos. Isso é o verdadeiro amor expresso de maneira muito mais eloquente do que qualquer ser humano possa imaginar. 

O exemplo de Cristo, por si só, é o suficiente para justificar os riscos advindos do amor. Felizmente, amor não é apenas sofrimento. Se fosse, então o amor seria realmente uma insanidade. 

Pelo contrário, Deus – de um modo que só Ele sabe – usa o sofrimento para trazer a vida... e vida muito melhor do que se tivéssemos evitado os riscos do amor. A ressurreição do amor está à disposição de qualquer casal que queira colocar Cristo entre seu casamento e o sofrimento do amor. É essa mediação de Cristo que faz com que o sacrifício do amor seja ‘agradavelmente perfumado’, como diz a Bíblia. 

Eu e minha esposa podemos atestar a obra redentora de Deus. Nós nos conhecemos há 34 anos. Já passamos por todos os momentos complicados que um casal possa passar, mas também já experimentamos as doces recompensas ao transpor esses momentos. Entretanto, somente pelo milagre do amor – Deus é amor – é que nós estamos juntos para glória de Deus. 

É muito bom ouvir as grandes histórias de paixão, onde um rapaz conhece uma moça e, após seis meses sussurrando palavras doces, ficam noivos e planejam um casamento de conto de fadas. 

É também maravilhoso saber que o verdadeiro amor custa caro; é uma jóia preciosa; é conquistado aos poucos com lágrimas e algumas feridas. Entretanto, estar aberto ao amor e, com Cristo, disposto a enfrentar os seus riscos demonstra maturidade espiritual em quem quer viver uma vida a dois, pra sempre. 


Você conhece alguém que se queimou no amor e prometeu nunca mais dar o seu coração para ninguém? Talvez essa pessoa seja você! Então, passe agora um tempo em oração pedindo a Deus para derrubar todas as muralhas construídas em torno do seu coração. Assim, você poderá amar e ser amado(a) novamente, sentindo que o amor é lindo!

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Viver a Vida!

Jesus respondeu: — Eu afirmo ao senhor que isto é verdade: ninguém pode ver o Reino de Deus se não nascer de novo. (João 3:3)

No dia do nascimento de nossa filha, eu e o nosso filho mais velho, com apenas um ano e meio, fomos à maternidade para visitá-la e deixar um presentinho para a mamãe. Quando chegamos ao berçário, deparamo-nos com aquela pirralhinha, que é a coisa mais engraçadinha do mundo, ensaiando um sorrisinho para nós. No meio da nossa admiração, o nosso filhinho André, vulgo Dé, olhou para ela e, com uma boa dose de espontaneidade, disse em alta voz: – Deca! É a Deca!

Pronto, foi o suficiente para os pais corujas caírem na gargalhada. Eu disse para minha esposa: Como que um pirralho de um ano e meio pode raciocinar assim: Se ele chama Dé, logo, sua irmã deve se chamar Deca.

O resultado da história foi que a nossa recém-nascida passou a chamar-se Andréa, vulgo Deca. A partir daí, André e Andréa passaram a ser o centro da nossa atenção e alegria a cada dia. Dois anos e meio mais tarde nasceu o Junior e completou a festa.

Nós seres humanos amamos bebês. Pelo menos a maioria. Há uma emoção inexplicável que nos envolve quando presenciamos o início de uma vida. Entretanto, o dia do nascimento é o dia mais importante e, ao mesmo tempo, o menos importante na vida de uma pessoa. É o mais importante porque, sem ele, não existiria a própria vida. Mas também é o menos importante porque é passado e representa apenas um ponto de partida. Evidentemente, o mais importante no nascimento é exatamente o que decorre dele: a vida, e como você a vive.

Por mais óbvia que esta historinha possa parecer, o nascimento e a vida espiritual podem ser comparáveis ao nascimento e à vida carnal. De certa forma, o novo nascimento é uma coisa importante na nossa vida espiritual, porque nós não nascemos cristãos, mas passamos a sê-lo no momento em que nascemos da água e do espírito. Isso acontece quando aceitamos o sacrifício de Jesus Cristo como o ato mais importante para a salvação da nossa alma. Por outro lado, após nos tornarmos cristãos, devemos desfocar a data do nascimento, a data do nosso aniversário espiritual e dar maior ênfase à nossa maneira de viver espiritualmente.

É claro que devemos ser gratos a Deus por ter nos enviado o Espírito Santo para nos convencer do pecado e colocar em nossos corações o arrependimento. Só Ele pode nos regenerar, por isso somos gratos. Mas isso é passado. A partir daí, a nossa caminhada com Cristo, no momento presente, passa a ter uma importância muito grande para a nossa salvação.

Porém, se vivemos na luz [tempo presente], como Deus está na luz, então estamos [tempo presente] unidos uns com os outros, e o sangue de Jesus, o seu Filho, nos limpa [tempo presente] de todo pecado. (1 João 1:7)

Como está sua vida hoje com Cristo? Como está sua caminhada rumo à Salvação? Se dissermos que não temos pecados, estamos nos enganando, e não há verdade em nós. Mas, se confessarmos os nossos pecados a Deus, ele cumprirá a sua promessa e fará o que é correto: ele perdoará os nossos pecados e nos limpará de toda maldade. (1 João 1:8-9)

Ao confessar seu pecado diariamente, confie na promessa de perdão e limpeza em Cristo e continue firme na caminhada com Ele. A coisa mais importante depois de ter nascido de novo é viver bem vida espiritual, a cada dia.


Portanto, comemore seu novo nascimento, mas viva-o de verdade! Com Cristo!

Não tem talento? Seja habilidoso...

Moisés disse: — Ó Senhor, eu nunca tive facilidade para falar, ... Quando começo a falar, eu sempre me atrapalho. Porém o Senhor lhe disse: — Quem dá a boca ao ser humano? ... Sou eu, Deus, o Senhor. Agora vá, pois eu o ajudarei a falar e lhe direi o que deve dizer. (Êxodo 4:10-12)

Certa ocasião, eu ouvi um líder comunicar a um auditório lotado a seguinte resolução: “Este ano, vamos mudar um pouco o critério para nomear as pessoas para os cargos da organização. O critério levará em conta o talento da pessoa para o cargo que ela será nomeada.” Achei estranha essa resolução.

Habilidade é qualidade de hábil, ou seja, todo aquele que tem aptidão para alguma coisa. Ela poderá ser adquirida ao longo da vida, ou seja, com treinamento e disciplina, você conseguirá dominá-la. Poderá, se desejar, com dedicação aprender, por exemplo, a tocar violão e até mesmo se tornar um violonista conceituado, mesmo que nunca tenha se interessado por instrumentos musicais. O mesmo pode ocorrer se você desejar pintar, fotografar, cantar, cozinhar, dançar etc.

Já o talento é aptidão natural ou inteligência excepcional. É algo que brota naturalmente da pessoa. Além de aprender música, o talentoso poderá improvisar e fazer algo memorável. O habilidoso poderá tirar ótimas fotos, mas o talentoso dará vida a elas, o habilidoso poderá lapidar a pedra, já o talentoso a transformará em bela escultura. O talentoso tem o dom natural, surpreende pela sua ousadia e sempre terá uma solução memorável para superar os desafios.

Mas, afinal de contas, qual deles é mais importante para um trabalho bem feito? Os dois são muito importantes. A diferença é que o habilidoso sabe que terá de usar a sensatez e se dedicar adequadamente a causa, para evoluir e conquistar o que mais deseja. Ele sabe que terá que estar vigilante e jamais poderá esmorecer, sob o risco de nunca ter o sonho realizado.

Por outro lado, o talentoso sabedor de seus dotes intrínsecos, tende a se tornar confiante e até relaxado. Pois, sabe muito bem que diante de qualquer desafio poderá se safar de forma excepcional. Daí, nem sempre está disposto a dedicar-se o suficiente para adquirir novas técnicas.

Em jogos de futebol, não raro, testemunhamos times com maior número de atletas talentosos serem derrotados por adversários mais aplicados. Isso ocorre, pois consciente de suas deficiências, o que conta com menos talento usa a força e a vontade de vencer para superar os desafios.

Daí, se você não é talentoso mas detém alguma habilidade, deve se preocupar em aprimorá-la e logo encontrará o sucesso. Porém, se você é talentoso, parabéns pelo dom que nasceu com você. Mas nem por isso poderá achar que o sucesso está garantido, pois precisará cuidar-se para não permitir que as suas conquistas fujam por entre os dedos como se água ou areias fossem.

Moisés, grande líder da nação de Israel, poderia ter se tornado também um grande orador, apesar de não ter o talento natural. Deus havia prometido habilitá-lo, dando-lhe a perfeição de um talentoso, mas ele não tomou posse da bênção. Em vez disso, pediu para Deus enviar outra pessoa no seu lugar. Foi então que Deus, irritado com essa atitude, enviou Arão para ser o orador. (13-16)

Nunca diga que você não vai fazer o trabalho porque não tem talento. Deus pode dar-lhe a habilidade. Então, não deixe escapar a bênção!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

O Amante Zeloso

Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês. (Mateus 28:19-20)

Desse modo todos nós chegaremos a ser um na nossa fé e no nosso conhecimento do Filho de Deus. E assim seremos pessoas maduras e alcançaremos a altura espiritual de Cristo. Então não seremos mais como crianças, arrastados pelas ondas e empurrados por qualquer vento de ensinamentos de pessoas falsas. Essas pessoas inventam mentiras e, por meio delas, levam outros para caminhos errados. Pelo contrário, falando a verdade com espírito de amor, cresçamos em tudo até alcançarmos a altura espiritual de Cristo, que é a cabeça. (Efésios 4:13-15)

Certo dia eu li uma frase no Twitter mais ou menos assim: ‘Se você quer ser popular, fale de liberalidade. Caso contrário, fale de santidade’. Você já notou que a maioria das pessoas, inclusive líderes religiosos, prefere esquecer a palavra santidade. É muito penoso falar nessa palavra hoje em dia... Mas vamos lá...

Considere os seguintes conjuntos de atributos e personalidades:

Conjunto ‘A’: amoroso, comunicativo, gentil, longânimo, paciente, acessível, compreensivo, misericordioso, tolerante, sensível.

Conjunto ‘B’: santo, honesto, reservado, ouvinte, coerente, dedicado, maduro, firme, correto, justo, racional.

Qual conjunto melhor descreve a sua personalidade? De modo geral, as pessoas se dividem entre esses dois conjuntos. O pessoal que se encaixa melhor no Conjunto ‘A’ lembra mais fortemente que Deus é amor e de grande liberalidade. O ponto forte das pessoas desse grupo é que elas não desprezam ninguém, procuram conhecer e ajudar a todos quantos encontram pela frente, mostrando o grande amor de Deus pela humanidade. O ponto fraco é que o lado amoroso e sensível pode facilmente torná-las vítimas de indivíduos mal-intencionados.

Por outro lado, o pessoal do Conjunto ‘B’ tem a forte tendência de lembrar que Deus é santo e justo. O ponto forte é que são pessoas mais racionais, mais corretas, justas e zelosas, mostrando o lado intolerante de Deus para com o pecado. O ponto fraco do grupo se revela na falta de popularidade dos seus componentes.

Eu conheci um professor que ministrou aulas no ensino fundamental durante muitos anos. Nas suas aulas ele enfocava mais o lado disciplinador, moral e ético. Uma vez, ele foi convocado para uma reunião com os pais dos alunos e a crítica que recebeu da maioria dos presentes é que os alunos não estavam sendo bem preparados para enfrentar o mundo, porque as pessoas que buscam ser corretas costumam ser muito impopulares e têm pouco espaço na comunidade. A maioria dos pais não queria que seus filhos fossem impopulares, pois já bastavam as dificuldades naturais que eles haveriam de enfrentar na busca por posições de liderança no mercado de trabalho.

Não será por causa disso que temos tantos políticos muito populares, mas nada éticos, não é?

Agora, pense com bastante honestidade no conjunto de palavras que melhor descreve o nosso Pai Celestial. Será que Deus tende para um lado ou para o outro? Será que o Criador é mais justo do que amoroso, ou vice-versa?

O nosso Pai tem os atributos dos dois conjuntos. A Bíblia diz assim: ‘Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna’. (João 3:16) e ‘O Senhor é a nossa rocha; ele é perfeito e justo em tudo o que faz. Ele é fiel e correto e julga com justiça e honestidade’. (Deuteronômio 32:4)

Então, o nosso Pai Celestial é um Amante Zeloso! Amante, porque Ele ama a todos. Zeloso, porque zela pela Sua própria justiça. Nós, se quisermos ser seus seguidores, devemos procurar agir como Ele. Mas para isso, precisamos aprender as respostas para algumas perguntas: Como ser justo e ser amante ao mesmo tempo? Como mostrar para as pessoas que Deus ama o pecador, mas aborrece o pecado? Como mostrar que o amor é ilimitado, mas o pecado tem limite? Qual é o equilíbrio entre o amor e a justiça? Com o nosso exemplo de vida, estamos fazendo bons seguidores de Jesus Cristo? Estamos sendo amorosos tanto quanto zelosos, e vice-versa? Amamos o suficiente para dizer a verdade, mesmo que doa?

A Bíblia Sagrada tem todas as respostas que você precisa.

Reflita: Como você está formando seguidores de Jesus Cristo? Você procura mostrar a eles todos os atributos de Deus? Ou você mostra um Deus só amante? Ou um Deus só zeloso?


Procure o equilíbrio e Deus lhe galardoará pela conquista de verdadeiros seguidores!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Super-homens; Supermulheres

Jesus respondeu: — Por que você me chama de bom? Só Deus é bom, e mais ninguém. (Marcos 10:18) Eles sabem quem Deus é, mas não Lhe dão a glória que Ele merece e não Lhe são agradecidos. Pelo contrário, os seus pensamentos se tornaram tolos, e a sua mente vazia está coberta de escuridão. (Romanos 1:21)

Super-Homem é um termo originado do alemão 'Übermensch', descrito no livro 'Assim Falou Zaratustra' (Also sprach Zarathustra), do filósofo alemão Friedrich Nietzsche, em que explica os passos mediante os quais o Homem pode tornar-se um 'Super-Homem'. A motivação de Nietzsche ao dizer em seu livro que Deus está morto é o desejo pela destruição da consciência cristã. Segundo esse filósofo, somente rompendo com as normas idealistas cristãs um homem pode tornar-se um "Além-do-Homem" (Übermensch). Ou seja, se você é um super-homem, você não precisa de Deus. A crença em Deus é contrária aos valores de realidade e de vida Nietzsche.

Muitos adultos professam em alto e bom som que podem ser ‘bons sem Deus’. Eles não chegam a se declararem super-homens ou supermulheres, mas, no fundo, gostariam de sê-los e incentivam seus filhos a isso.

Eu tenho uma compreensão bastante clara do que essas pessoas estão tentando dizer. Elas não mataram ninguém. Elas trabalham honestamente. Elas respeitam os pais, os mais velhos, as leis... Elas contribuem para a comunidade, são compassivas, doam para instituições de caridade, etc. Ou seja, mesmo sem confessarem que Deus é o Senhor da vida delas e sem ter um coração grato ao Criador, elas se acham bons cidadãos. Pior, é que cada vez mais aparecem pessoas pensando assim. Para mim, eles querem ser os super-homens e as supermulheres.

Porém, o problema surge quando começamos a investigar o que realmente significa ser bom. Quem define o que é ser bom? Com que autoridade isso é definido? O homem natural, quando afirma ser ‘bom sem Deus’, na verdade, ele está dizendo que se autonominou como ‘bom’ segundo os seus próprios conceitos e segundo os princípios humanos que regem a vida em sociedade.

Tudo bem! Se Jesus Cristo não ressuscitou dos mortos e todas as alegações da Bíblia são irrelevantes, então o homem natural está livre para viver como quiser, sem precisar prestar contas a nenhum ser sobrenatural. É exatamente isso o que muitos homens e mulheres desejam. Entretanto, a história comprova o contrário: Jesus Cristo ressuscitou e a Bíblia tem razão. E se a Bíblia tem razão, então Deus existe, nos mantém vivos e a Ele devemos prestar contas.

Em vista disso, a tentativa de o homem natural definir o que é ‘ser bom’ não tem nenhum efeito sobre o que é realmente ‘ser bom’, na perspectiva divina. Romanos 1:18-32 fala claramente que o desejo do homem natural de determinar por si próprio o que é bom é algo que Deus ridiculariza.

Realmente é ridícula uma criatura, que não fez a si mesma, que não pediu para nascer, e nem sabe quando vai morrer, passar a sua vida terrena criando suas próprias regras, fingindo que Deus não existe, que Suas normas não existem e que as testemunhas bíblicas são mentirosas.

A pergunta é bem simples: Pode uma pessoa ser considerada ‘boa’ quando ela é ingrata com quem a criou e a mantém? Claro que não! Uma pessoa que quer ‘ser boa’ tem que começar, no mínimo, a ser grata com quem a criou e com quem a mantém viva. Aparentemente insignificante e opcional, a gratidão é o teste decisivo para saber se uma pessoa está buscando ter um bom caráter.

Logo, se Deus existe, então você deve começar a ser grato com Ele. E ser grato com Ele é dar glórias a Ele. É reconhecer a Sua grandeza, honra, esplendor, magnificência, mérito, valor, etc. É reconhecer a sua dependência dEle.

Você está tentando ‘ser bom’ sem Deus? Digo a você que isso é impossível, pois nem Jesus Cristo, o filho de Deus, se achava bom: ‘Jesus respondeu: — Por que você me chama de bom? Só Deus é bom, e mais ninguém’. (Marcos 10:18) Alguém só pode começar a ‘ser bom’ se aproximar-se de Deus com fé, pois ‘sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a Ele precisa crer que Ele existe...’ (Hebreus 11:6)


Qual é o nível de sua fé e gratidão para com o Criador e Mantenedor? Você acredita que só a Palavra de Deus pode definir o que é ‘ser bom’? Ou você está tentando ser um super-homem ou uma supermulher, criando suas próprias regras?

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Joelho Dobrado

O Senhor é o meu forte defensor; foi ele quem me salvou. Ele é o meu Deus, e eu o louvarei. Ele é o Deus do meu pai, e eu cantarei a sua grandeza. (Êxodo 15:2)

Com esta devocional estamos concluindo a série sobre a graça de Deus. Foram ao todo nove devocionais que escrevemos com muito carinho para os nossos queridos leitores. Esperamos que tenham sido grandemente abençoados pelo Deus da graça.  

Pela graça somos salvos. A nossa salvação nos leva a ser a habitação do Espírito Santo e nos leva a tornar um espírito com Cristo. Esse é o objetivo da graça salvadora. Nós estávamos espiritualmente mortos por causa dos nossos delitos e pecados. Antes nós seguíamos o mau caminho deste mundo e fazíamos a vontade daquele que governa os poderes espirituais nas regiões celestes, o espírito que controla os que desobedecem a Deus.

De fato, todos nós vivíamos de acordo com a nossa natureza humana, fazendo o que o nosso corpo e a nossa mente queriam. Assim, nós também estávamos destinados a sofrer o castigo que Deus preparou para o Diabo e os seus anjos. Mas a misericórdia de Deus é muito grande, e o seu amor por nós é tanto, que, quando estávamos espiritualmente mortos por causa da nossa desobediência, ele nos trouxe para a vida que temos em união com Cristo. Pela graça de Deus fomos salvos.

Por estarmos unidos com Cristo Jesus, Deus está nos preparando para reinarmos com Ele no mundo celestial. Deus faz isso para mostrar, em todos os tempos do futuro, a imensa grandeza da sua graça, que é nossa por meio do amor que ele nos mostrou em Cristo Jesus.

Pois pela graça de Deus somos salvos por meio da fé. Isso não vem de nós, mas é um presente dado por Deus. A salvação não é o resultado dos nossos esforços; portanto, ninguém pode se orgulhar de tê-la. Deus foi quem nos fez e mantém o que somos agora. Em nossa união com Cristo Jesus, ele nos criou para fazermos as boas obras.

Então quando você olhar para o mundo sofrendo, saiba: Era para ser muito pior. Quando você olhar para o progresso da humanidade, saiba: É por causa da graça de Deus. Se algum cientista agora em qualquer lugar do planeta estiver inventando alguma coisa para o bem da humanidade, lembre-se que é a graça de Deus mantendo viva a humanidade e dando tempo para a redenção final.

Porque nós precisávamos de tempo. Tempo para Jesus Cristo vir. Tempo para Jesus Cristo nascer, crescer e entregar-se como Cordeiro de Deus. E nós precisávamos de mais tempo, tempo para que a mensagem de Jesus Cristo chegasse a todos nós.

Deus está dando tempo para nós, porque Ele quer salvar a todos. Essa maldade que aí está é para lembrarmos de que nós trouxemos o mal para o Universo. E o fato de a maldade não ter nos destruído, é para lembrarmos de que um Deus se sacrificou por nós.

Por isso que louvar a Deus é uma coisa que tem peso. Não é esta coisa livre, leve e solta onde falar ‘aleluia’ não custa nada. Não quer dizer que a gente não deva ter momento de pular de alegria e de celebrar, mas sem esquecer jamais que isso foi muito peso, isso custou muito caro, isso custou o sacrifício de Jesus Cristo, apesar de Ele ter feito tudo isso por amor. Sem Ele, nada do que foi feito se fez.

Por isso, disse o apóstolo Paulo: 'Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, que sendo Deus, não julgou por usurpação ser igual a Deus, mas a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, e a si mesmo se humilhou, sendo achado em figura humana, sendo obediente até a morte, e morte de cruz'.

Paulo está dizendo que para salvar a mim e a você, Deus, por meio de Jesus Cristo, sofreu duas mortes: A morte de Deus e a morte do homem. Quando é que Deus morreu? Quando Jesus Cristo abriu mão da sua Santíssima Trindade: Sendo Deus, não julgou por usurpação ser igual a Deus, mas a si mesmo se esvaziou. Veja: Ele não foi esvaziado. Ele a si mesmo se esvaziou e assumiu a forma de servo, e se humilhou em figura humana, humilhou-se a si mesmo, e foi obediente até a morte.

Então, primeiro Jesus Cristo conheceu a morte de Deus quando se esvaziou da Sua glória, e depois Ele conheceu a morte do homem quando foi obediente até a morte e morte de cruz. Mas Deus O exaltou dando-Lhe um nome que é sobre todo nome, para que ao nome dEle se dobre todo o joelho no céu e na terra e debaixo da terra e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor para a glória de Deus Pai.


Que o nome de Jesus Cristo seja bendito de eternidade em eternidade. E que os filhos de Deus não se cansem até ver todo joelho dobrado e toda língua confessando: Jesus Cristo, e só Jesus Cristo é o Senhor. Glória seja dada a Ele por toda a eternidade. Bendito seja o nome do Senhor, hoje e pelos séculos sem fim. Que assim seja!

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Boa Idéia!

Quem resolveu o que se passaria no mundo desde o princípio? Fui eu, o Senhor, que estava lá quando tudo começou e que lá estarei quando tudo terminar. (Isaías 41:4)

Muitas pessoas vivem com medo de tudo e de todos. É a fobia geral que tomou conta da humanidade! Já percebeu que os telejornais usam a maior parte do tempo para noticiar coisas ruins? Isso acontece porque as notícias ruins dão mais audiência. E dão mais audiência porque as pessoas querem saber de tudo de ruim que acontece, na busca frenética de se prevenirem contra o mal.

E você? Você vive com medo? Você tem medo de ser destruído pela maldade do mundo? Eu te digo uma coisa com toda seriedade: Não se preocupe, porque a graça de Deus mantém a sua existência, não só a sua, mas a da humanidade. Essa é a graça mantenedora. Ela te dá a proteção.

Porém, a graça de manutenção torna o pecado indesculpável. Por quê? Porque o pecado passa ser o uso da graça de Deus contra o Deus da graça. Se eu disser para você que os chefes de quadrilhas de ladrões, sequestradores e falsificadores só são o que são por causa da graça, você me bate, não bate? 

Mas você não deve me bater, porque eu estou falando a verdade. Sabe por quê? Porque para os chefes de quadrilhas de bandidos fazerem as coisas que fazem, eles têm que ter a capacidade de decidir. E a capacidade de decidir é um dom de Deus. Para um bandido ser chefe de quadrilha e liderar como muitos lideram, ele tem que ter capacidade de liderança e tem que ter poder de convencimento. E isso é dom de Deus. 

Sabe por que os bandidos não vão poder se desculpar diante de Deus no dia do juízo? Porque eles usam a graça de Deus contra o Deus da graça. E nós também, quando estamos cometendo um pecado deliberadamente, estamos fazendo a mesma coisa. Nós estamos usando a graça de Deus contra o Deus da graça. 

Deus deu a mim e a você o dom de amar, mas não para julgar. Deus deu a mim e a você o dom de ser criativo, mas não para mentir. Deus deu a mim e a você o dom para planejar, mas não para maquinar o mal. Todas as vezes que eu uso os dons de Deus, os atributos de Deus, para fazer o mal, eu estou usando a graça de Deus contra o Deus da graça. 

A graça de Deus tem que ser usada a favor de Deus, pois é ela que nos mantém vivos. É por causa da graça de Deus que nós podemos viver sem medo nesse mundo tenebroso. Imagine que o mundo fosse dividido em dois tipos de pessoas: um tipo que é cheio do Espírito Santo, e outro tipo que é cheio do espírito maligno. Pensou? Quem não fosse cheio do Espírito Santo seria endemoniado. 

Então, eu pergunto: Quando você saísse de casa, você iria pegar um ônibus dirigido por um endemoniado? Você iria tomar um avião pilotado por um endemoniado? Você não tem certeza se o sujeito é cheio do Espírito Santo ou se é endemoniado! Não iria dar para viver, iria? Você iria sair de carro numa rua cercada por carros de endemoniados por todos os lados? Não iria dar para viver! Sem a graça de Deus a vida é impossível. Mas com a graça nós podemos viver tranquilos, sem fobias e preocupações.

Vocês já ouviram um pássaro cantar, gorjear? Já viram árvores frondosas que têm mais de 500 anos de idade? Todas as vezes que vocês cruzarem com alguma criação de Deus, vocês estão cruzando com o milagre do sacrifício de Cristo. Todas as vezes que vocês ouvirem um pássaro gorjear, vocês estão ouvindo o milagre do sacrifício de Cristo. E, em todas as vezes que vocês cruzarem com um ser humano, vocês estão cruzando com um milagre do sacrifício de Cristo. Porque se Cristo não tivesse entregue o seu sangue antes da fundação do mundo, nada que se vê existiria.

Então, a graça de Deus é usada para a manutenção da existência da humanidade; para a existência de pessoas boas, num mundo marcado pela maldade. Por isso, pessoas que não amam a Deus e não estão nem aí para Ele conseguem amar e ajudar o seu próximo. As pessoas, independentemente de religião ou credo, usufruem dos atributos de Deus que foram plantados por Ele na mente de cada um.

Como você usa os atributos de Deus? Você está usando-os para fazer o bem, ou para maquinar o mal? Use-os para fazer o bem e jamais utilize-os contra o Deus da graça!


Tenha uma boa idéia!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

O Segredo do Universo

É pela fé que entendemos que o Universo foi criado pela palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi feito daquilo que não se vê. (Hebreus 11:3)

Você sabia que a qualidade de vida do homem também é fruto da graça de Deus? A graça de Deus é mais do que favor imerecido. Graça é a possibilidade que a Santíssima Trindade tem de criar e de resgatar a criação a partir do sacrifício de Cristo.

Por causa da graça de Deus, existimos. Por existir, somos diretamente afetados pela maldade que há no mundo. Então, a gente só experimenta o mal porque a humanidade desobedeceu a Palavra de Deus e escolheu o mal. Por isso é que acontecem coisas ruins nesse mundo: é porque a humanidade escolheu ser má. Deus não é o culpado disso, pelo contrário, Ele havia planejado um paraíso para nós!

Alguém pode perguntar: Mas quem disse que a humanidade escolheu o mal? É a Palavra de Deus que diz! Quer prova disso? Já percebeu que os telejornais usam a maior parte do tempo para noticiar coisas ruins? Isso acontece porque está cheio de notícias ruins por aí. Por outro lado, as notícias ruins dão mais audiência porque as pessoas querem saber de tudo de ruim que acontece, na busca frenética de se prevenirem contra o mal. Você individualmente pode não ter escolhido ser mal, mas, infelizmente, nós todos estamos mergulhados na maldade, porque o mundo jaz na maldade. Felizmente temos um Deus agindo em nosso favor. Você acredita?

Imagine se Deus não colocasse um freio nessa maldade toda, como é que seria a nossa vida? Seria um desastre total; um caos! Apesar de pertencermos a Deus, o mundo todo está debaixo do poder do Maligno. E o Maligno não respeita nada. Então, como Deus age para evitar que a maldade toma conta de vez? Deus usa a Sua graça para dar qualidade de vida aos homens. 

Lembram-se do dilúvio? Por que teve o dilúvio? Porque a iniquidade havia se multiplicado. Então, o dilúvio ensina para gente que Deus teve um juízo na história, que há um limite para o pecado e para a maldade. A definição de pecado envolve também os maus tratos com a criação divina, inclusive o planeta terra, o Universo.

Uma vez um camarada chegou para um palestrante e disse assim: – Eu não acredito em Deus! Sou ateu convicto! O palestrante disse: – Olha, que pena! Ainda bem que Ele acredita em você, senão você não estaria mais aqui. 

Aí ele falou assim: – Você está tirando uma de mim, mas eu não acredito em Deus por causa do mal. O palestrante falou: – Engraçado, eu acredito em Deus justamente por causa do mal. 

Aí ele disse: – Isso que você está dizendo não faz sentido. O palestrante disse: – Não, o que não faz sentido é o que você está dizendo, quer ver? Deixe-me fazer uma pergunta: O mal respeita algum limite? Não. O mal respeita a lei? Não. O mal respeita a ética? Não. O mal respeita a moral? Não. Então porque que o mal não tomou conta de tudo, heim? 

Sabe por que o mal não tomou conta de tudo? Porque há um poder no Universo impedindo que o mal tome conta de tudo. E a Bíblia diz que esse poder é Deus. E isso é graça! 

O palestrante continuou: – Como é que você, que não acredita, logo também não ama a Deus, consegue amar os seus filhos, se amor é atributo de Deus? Como é que você acha que gente que não tem nenhum respeito por Deus consegue ter senso de justiça, se justiça é atributo de Deus? Como é que você explica pessoas que não estão nem aí para Deus, mas são grandes amigos, se amizade é um atributo de Deus? Como é que você entende gente que é devassa, fazer músicas sublimes, se o belo, a estética, é um atributo de Deus? Sabe por quê? Porque há uma graça que é a graça de manutenção. A graça de Deus mantém a qualidade da existência, a qualidade de vida, emitindo a comunicação dos atributos comunitários de Deus.

Então agora você sabe porque nós damos graças a Deus no meio de tanta violência e de tanta dor? Porque nós sabemos que era para ser muito pior. 

Uma vez um moço me falou: Se Deus é amor, porque é que nasce tanta gente com problemas congênitos graves? Eu disse para ele: Sua pergunta está errada! Sua pergunta deveria ser assim: Se a humanidade  rompeu com Deus e escolheu o mal, porque então não nasce todo mundo com problemas? 

Você está fazendo a pergunta errada e querendo ter a resposta errada! Por isso é que você não consegue louvar a Deus; porque você não sabe o que custou para Deus evitar que todo mundo nascesse com defeitos. Você não sabe o que custou para Deus evitar que a maldade tomasse conta da humanidade. Você não tem a menor ideia do que está acontecendo no Universo. 

Mas eu quero dizer para você uma coisa: Você e eu podemos até não entender o quanto Deus está lutando, mas saiba que Deus está lutando por você. Deus está lutando por nós! Está lutando pela nossa qualidade de vida! 

Por isso, nós devemos oferecer a Deus continuamente sacrifícios de louvor, que é o fruto dos lábios que confessam o Seu nome. Louvar a Deus não é uma coisa leve, que não nos custa nada. Louvar a Deus é uma coisa de peso e de muita consciência. É uma coisa que parte do fundo do coração de quem já entendeu o que está acontecendo invisivelmente no Universo.

Você já entendeu o segredo do Universo? Então você também pode dar graças a Deus!


Você já deu graças a Deus hoje?

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Deus é Bom, Muito Bom, Bom Demais!

O Senhor é a nossa rocha; ele é perfeito e justo em tudo o que faz. Ele é fiel e correto e julga com justiça e honestidade. (Deuteronômio 32:4)

Deus é justo. Justiça é um valor constituinte do caráter de Deus. Abraão chamou Deus de ‘o justo juiz’. A queda da humanidade no Jardim do Éden foi o rompimento com Deus e a consequente assunção do mal. Ou seja, a gente assumiu o mal. E isso, foi um crime contra Deus e, portanto, contra a existência. Foi um suicídio radical. A pena para esse crime era deixar de existir. Logo, esse crime não pode ser pago pelo criminoso.

Quando um país tem pena de prisão perpétua, o que o país está dizendo para o criminoso é o seguinte: O seu crime foi tão horrível que você nunca vai pagar o que deve para a sociedade. Enquanto você viver, você vai ficar na cadeia. Você não tem como pagar o que você fez. Imagine se a pena pelo crime é deixar de existir. Aí que ele não vai pagar mesmo! Nem existe mais! Não é verdade?

Se Deus é justo, e o criminoso não pode pagar pelo seu crime, e Deus quer manter o criminoso vivo, então Deus tem que ser responsabilizado. É isso mesmo! Deus é o responsável. Essa frase pode parecer forte, mas se Deus não satisfizer a justiça, não pode ser gracioso, porque senão Ele vai negar a si mesmo, o que é impossível, porque Deus não pode deixar de ser justo. Calma, vou explicar melhor! Leia com atenção a seguinte a história:

Sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo. (1 Pedro 1:18-20)

Como é que o sangue de Jesus pôde ser conhecido antes da fundação do mundo? Imagine uma reunião da Santíssima Trindade:

O Pai diz: – Olha, vamos criar o mundo. Vamos criar o homem à nossa imagem semelhança.

O Espírito Santo diz: – Mas nós vamos criá-lo livre mesmo?

O Pai diz: – Sim, porque nós vamos criá-lo à nossa imagem e semelhança. Nós somos livres, eles vão ser livres.

Aí o Espírito diz: – A liberdade deles vai se voltar contra nós!

E o Pai diz: – É verdade!

O Espírito diz: – Mas se a liberdade deles se voltar contra nós, eles vão deixar de existir, porque nós somos o lugar onde eles podem existir, não tem como eles existirem fora da gente. Eles vão deixar de existir! Não vale a pena criá-los para deixar de existir no próximo momento.

O Pai diz: – Bom, nós podemos mantê-los existindo!

O Espírito diz: – Não podemos, porque aí nós vamos quebrar a justiça! Eles vão tomar uma decisão pela sua própria vontade! Isso é crime! Eles vão ter que ser punidos! E a punição deles é deixar de existir!

E o Pai diz: – Bom, nós podemos nos responsabilizar por eles.

O Espírito diz: – Mas isso significa que um de nós, agora, tem que abandonar a glória, assumir a forma de servo, estar pronto para oferecer-se a eles agora, antes de nós fazermos todas as coisas, e depois manifestar isso na história deles para eles o imolarem, para eles o matarem em sacrifício pelos pecados deles.

E aí o Filho que estava participando da conversa o tempo todo disse: – Eu. Eu vou! Deixa comigo! 

E naquele instante se conheceu o sangue do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Por esse ato do Filho, sabendo que isso lhe custaria muito caro, Deus manteve o seu caráter de justiça e provou a sua infinita bondade. 

Você crê nisso? Então você pode dar glória a Jesus Cristo, pois, por meio dele, Deus criou tudo, no céu e na terra, tanto o que se vê como o que não se vê, inclusive todos os poderes espirituais, as forças, os governos e as autoridades. Por meio dele e para ele, Deus criou todo o Universo. (Colossences. 1:16)

Entendeu agora, porque todas as coisas foram criadas em Cristo, com Cristo e para Cristo? Porque se Ele não tivesse entregue a si mesmo antes da fundação do mundo, não haveria fundação e não existiria nada do que se vê.

Portanto, o sacrifício do Senhor Jesus Cristo começa antes da criação do mundo, por decreto, foi o que disse o Dr. Russel Shedd. E culmina na história com o cordeiro pascal sendo imolado pelos homens.

Por isso, todos que são salvos dizem com convicção: Deus é bom, Deus é muito bom, Deus é bom demais!


Você consegue dizer isso?

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Tenho a Graça, Logo Existo!

Lembra como é curta a minha vida; lembra que todas as pessoas que criaste vão morrer um dia. Quem pode continuar vivo e nunca morrer? Quem pode escapar da sepultura? (Salmos 89:47-48) 

A nossa existência só se explica pela intervenção de um fator exógeno. Essa palavra quer dizer um fator que veio de fora da gente, que não estava dentro da gente. Como somos a coroa da criação, então tudo mais, base da sustentação da nossa existência, também depende desse fator que vem de fora. Que fator é este? 

A Palavra diz que tudo no Universo foi afetado na queda da humanidade no Jardim do Éden. Nossa queda teve dimensão cósmica, porque Deus disse: — Você, humanidade, comeu a fruta da árvore que eu o proibi de comer. Por causa do que você fez, a terra será maldita. Você terá de trabalhar duramente a vida inteira a fim de que a terra produza alimento suficiente para você (Gêneses 3:17). 

Então, tudo nessa terra ficou complicado por causa da desobediência da humanidade. Aliás, não era nem para a humanidade existir, porque ela rompeu com Deus, e Deus, para manter a Sua justiça, deveria ter aniquilado-a lá no Jardim do Éden. Nós só existimos por causa da graça de Deus. 

Por causa da graça, existimos. Por existir, somos diretamente afetados pela maldade que há no mundo. Então, a gente só experimenta o mal, porque a humanidade desobedeceu a Palavra de Deus e escolheu o mal. Por isso é que acontecem coisas ruins nesse mundo: é porque a humanidade escolheu ser má. Deus não é o culpado disso, pelo contrário, Ele havia planejado um paraíso para nós! 

Se a queda no Jardim do Éden havia comprometido a existência da humanidade, logo, existir é um ato de redenção. Antes de Deus decretar a criação do Universo, Ele já ponderava que o homem, pela sua livre escolha, poderia escolher o fruto proibido e, por causa disso, teria que deixar de existir. Mas Deus quis que continuássemos existindo. Então, para poder manter a humanidade existindo, o Pai, o Filho e o Espírito Santo prepararam o 'plano B' da redenção. 

Quando Deus começou a criação do Universo, Ele disse: Haja luz! E houve luz. Isso aconteceu porque o plano da redenção já estava preparado. Convenhamos, não valeria à pena criar o mundo e nele colocar as criaturas para pecarem e serem destruídas logo em seguida. Então, a graça de Deus, representada pelo plano da redenção, já existia antes da criação de todas as coisas. 

Imagine o grande avião A380 no ar. Imagine que todas as pessoas, inclusive nós, dentro desse avião representassem a criação de Deus. Imagine que o avião fosse Deus. Em Deus vivemos, em Deus nos movemos, em Deus existimos. Agora, imagine que todas as pessoas resolvessem pular fora do avião, inclusive nós. Isso significa que de Deus nos extraviamos. 

Quando as pessoas entraram nesse avião imaginário, Deus, o fabricante do avião, já havia ponderado que elas poderiam querer pular fora. Ocorre que Deus, pela Sua bondade, também já havia decidido que manteria as pessoas vivendo, mesmo que elas pulassem fora. Então, para evitar que as pessoas se espatifassem, Deus jogou o pára-quedas. Isso é graça! 

A nossa queda teve efeito cósmico. Já que a humanidade escolheu o mal, Deus poderia ter abandonado o Universo, fazendo com que tudo, inclusive a nossa vida, tivesse perdido o sentido. Mas isso não aconteceu e, pelo contrário, tudo nesse mundo faz sentido porque contamos com a graça de Deus. É por isso que Paulo disse que pela graça somos salvos. 

Portanto, quando se fala da graça de Deus, está se falando de um grande milagre. A existência da humanidade é um grande milagre de Deus. A humanidade só existe porque Deus executou o seu 'plano B' da redenção. O 'plano B', a graça de Deus, foi o 'para-quedas' que nos salvou. 

Você acredita que foi resgatado pela graça de Deus? Se não, corra e segure o para-quedas da Sua graça e seja salvo, porque a vida terrena é muito curta e você tem uma vida eterna que depende da sua escolha agora!  


Na próxima devocional vamos mostrar a justiça de Deus. Deus é bom, mas também é justo. Não perca!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Peço Tempo. Tempo Concedido!

Eis que Deus é o meu ajudador, o Senhor é quem me sustenta a vida. (Salmos 54:4)

Por causa da escolha errada dos representantes Adão e Eva em comer o fruto oferecido astutamente por Satanás, a humanidade deu legalidade ao mal. Então, como escrevemos nas devocionais anteriores, o mal só passou a existir, na realidade, porque Deus, em vez de aniquilar a humanidade pela Sua justiça, optou por manter vivos esses seres que decidiram pelo mal, que decidiram dar forma para o mal. Deus decidiu assim porque Ele já havia preparado o 'plano B' - a Sua Graça - para a salvação do homem. 

Pelo fato de Deus haver decidido manter a humanidade, nós nos tornamos seres contingentes. O que significa ser contingente? Significa que somos dependente de outro ser para viver.

Analise bem: Você criou a si mesmo? Foi você que se fez existir? É você que determina quanto tempo vai viver? Então você depende de alguém! É você que decide se daqui a um minuto vai estar vivo ou vai estar morto? Então você é um ser contingente! Você não tem domínio sobre nada na sua vida. 

Uma vez um palestrante foi convidado para falar sobre o tempo devocional. E aí ele começou a orar ao Senhor pedindo: – Senhor, me dá uma palavra para transmitir às pessoas sobre o tempo devocional que elas devem dedicar ao Senhor. E aí quando ele estava no meio dessa oração, Deus disse: – Você não entendeu nada! 

Ele disse: – Como não? O Senhor não quer que a gente dê tempo para o Senhor? Deus disse: – Não! Eu não quero que vocês me deem tempo nenhum! 

O palestrante falou: – Que isso, Senhor? Eu cresci aprendendo que o Senhor quer que a gente dê tempo para estar com o Senhor. Deus disse: – Não, eu não quero que vocês deem tempo nenhum para mim! 

– Que é isso, Senhor? Por que o Senhor não quer? E o Senhor disse: – Porque vocês só podem dar o que têm. E tempo é uma coisa que vocês não têm. Sou eu que concedo o tempo para vocês estarem comigo! Eu quero que vocês usem bem o tempo que eu concedo para vocês. 

Entendeu a diferença? Está cheio de gente dizendo: – Eu vou reservar um tempo para Deus. 

Vai reservar ou dar o quê, meu filho? Você não tem nada! Você não sabe se vai estar vivo daqui a um minuto. Que tempo você vai dar para Deus? Você é muito do bobo! Se você acha que pode dizer: – Ó Deus estou marcando aqui na agenda, não se preocupe: Amanhã, eu vou levantar às cinco da manhã e nós vamos ter tempo juntos. Aí Deus diz para você: – Ah é? Quem foi que disse isso para você? 

Portanto, é Deus quem concede tempo para nós! Nós é que temos usado muito mal o tempo que Ele nos concede. 

Nós (a humanidade) somos seres contingentes porque dependemos de Deus, que pela Sua infinita bondade decidiu nos manter existindo. Lembra que nós (representados por Adão e Eva) escolhemos o mal e merecíamos ser aniquilados. Mas Deus é o nosso ajudador, o Senhor é quem nos sustenta a vida, por isso temos que ter o coração grato sempre grato para com Ele. 

Como, e para o quê, você tem usado o tempo que Deus lhe concedeu aqui entre os viventes?


Na próxima devocional vamos mostrar a intervenção divina para que a humanidade continuasse a existir. Não perca!

(*) Algumas partes do texto são adaptações das anotações de uma palestra do Pr. Ariovaldo Ramos.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

E Como Nascem Crianças!

O Filho brilha com o brilho da glória de Deus e é a perfeita semelhança do próprio Deus. Ele sustenta o Universo com a sua palavra poderosa. E, depois de ter purificado os seres humanos dos seus pecados, sentou-se no céu, do lado direito de Deus, o Todo-Poderoso. (Hebreus 1:3)

Uma vez um palestrante estava terminando de fazer uma palestra sobre salvação e uma senhora chegou para ele, devia ser exotérica, e ela disse para ele assim: – Não está escrito em sua Bíblia que é em Deus que nós vivemos, nos movemos e existimos? Aquele palestrante disse: – Está sim senhora.

Ela continuou: – Também não está escrito em sua Bíblia que todos nós pecamos? – Sim senhora, está escrito.

– E também não está escrito que Deus é santo? – Sim, senhora, Deus é Santo.

– Alguma coisa pode existir fora de Deus? O palestrante disse: – Não senhora, fora de Deus não existe nada. Deus é criador e sustentador de todas as coisas.

Ela disse: – Então como é que um Deus santo pode sustentar pecadores? A santidade de Deus não tinha que jogar os pecadores para fora? 

O palestrante disse: – Minha senhora, a senhora conhece alguém que já sofreu transplante? Ela disse: – Conheço.

– Mas quanto tempo a senhora conhece, só do coração, que é mais comum? Qual é o maior problema que alguém que sofre um transplante de coração tem? Ela disse: – O problema da rejeição.

– É por que se o organismo rejeitar o órgão alienígena, ele vai entrar em colapso e vai morrer. Não é isso? Ela falou: – É.

– E como é que faz para que o organismo não rejeite o coração estranho? Ela disse: – Medicação.

O palestrante respondeu: – Pois é minha senhora, entre nós e Deus também existe uma medicação. A senhora pode não ver, mas o sangue de Jesus Cristo faz a mediação entre nós e o nosso Deus. 

Isso é graça! Se você não souber disso, você não tem como louvar a Deus num mundo caído. Você não tem como louvar a Deus num mundo marcado pela violência, marcado pelas catástrofes e outras desgraças.

Deus é o supremo bem. Romper com Deus é assumir o mal. Por isso que a humanidade se tornou má. Donde vem a maldade no coração dos homens? Foi Adão e Eva - que eu chamo de humanidade - que trouxe a maldade para dentro de nós! O mal, antes da queda do Jardim do Éden, só existia na teoria. Por quê? Porque é assim: É como tese e antítese: Existia Deus, aí a antítese de Deus é o anti-Deus. Só que o anti-Deus não existia, não tinha se concretizado antes da queda. Só tinha Deus. Não tinha nada contra Deus.

Mas aí, as criaturas decidiram romper com Deus, começando com Satanás, que enganou Eva, que ofereceu o fruto proibido a Adão que deliberadamente o comeu. Quando as criaturas decidiram romper com Deus, ao que foi que elas finalmente deram vida ou existência? Ao mal. Sim porque se você rompe com Deus... 

Imagine que existisse somente uma senhora e o seu filho no Universo. Aquela senhora seria a encarnação de tudo o que é bom. E aí o filho um dia chegasse para ela, na adolescência, e dissesse assim: – Mãe, eu quero ser uma pessoa diferente de você... Qual era o único jeito de ele ser diferente daquela senhora? Ser o quê? Mau. 

Quando nós humanidade rompemos com Deus, o que foi que nós nos tornamos? Maus. Então tínhamos que ser aniquilados. Mas não fomos! Estamos aqui. A humanidade ainda existe e Deus não desistiu dela. A prova disso é que todo dia nascem crianças! E como nascem crianças! Isso acontece porque Deus, na sua infinita misericórdia, resolveu bancar e sustentar a nossa existência, apesar de toda maldade no mundo. Por isso, eu acredito num Deus bom!

Portanto, não são mensagens bonitas e palavras de otimismo que nos fazem acreditar em um Deus bom, porque, se for assim, certamente fraquejaremos quando porventura as coisas ruins vierem a acontecer conosco. Se você der ouvidos somente às palestras de auto-ajuda, às preleções de teologia da prosperidade e às palavras de efeitos que muitos líderes habilidosamente utilizam para arrancar aplausos das multidões, você corre sério risco de perder a sua fé no bom Deus. Nossa fé em Deus tem que estar fundamentada na Verdade, mesmo que ela doa. Pense nisso! 

Na próxima devocional vamos mostrar como somos dependentes de Deus. Não perca!


(*) Algumas partes do texto são adaptações das anotações de uma palestra do Pr. Ariovaldo Ramos.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Os Seres Se Extraviaram

Todos se extraviaram do caminho certo, todos se perderam. Não há mais ninguém que faça o bem, não há ninguém mesmo. (Romanos 3:12) Mas pela graça de Deus vocês são salvos por meio da fé. Isso não vem de vocês, mas é um presente dado por Deus. (Efésios 2:8)

Como funciona a graça de Deus?

Certa vez um pai muito generoso resolveu fazer um teste para ver a obediência e o respeito que seus dois filhos tinham para com ele. Então, o pai comprou dois presentes iguais para cada um e, chegando em casa, deu uma bola para o primeiro filho e guardou a outra bola; deu um carrinho para o segundo filho e guardou o outro carrinho.

Em seguida, o pai disse para os dois filhos: vocês acabam de ganhar os presentes que vocês mais gostam. Agora, vão brincar com eles. Mais atenção! Vocês estão vendo esta outra bola e este outro carrinho aqui? Eles são iguaizinhos aos que vocês ganharam, mas o papai comprou para enfeitar o armário e não é para vocês pegá-los. Se vocês pegarem, o papai vai ficar muito triste.

Após alguns dias, ele percebeu que o filho que tinha ganhado a bola havia desobedecido a sua ordem e apanhado o carrinho que estava no armário. O pai ficou muito triste ao concluir que seu filho precisava de uma boa disciplina, mas, com todo amor e carinho, conversou com o filho e lhe colocou de castigo por alguns dias.
 
A humanidade desobedeceu a Deus. Nossos pais, Adão e Eva, pais de toda a humanidade, em nome de todos nós, romperam com Deus. O Senhor deu a Adão e Eva - que de agora em diante vou chamar simplesmente de 'humanidade' - a seguinte ordem:

— Humanidade, você pode comer as frutas de qualquer árvore do jardim, menos da árvore que dá o conhecimento do bem e do mal. Não coma a fruta dessa árvore; pois, no dia em que você a comer, certamente morrerá. Mas a humanidade desobedeceu e comeu. Então o Senhor Deus perguntou à humanidade: — Por que você fez isso? A humanidade respondeu: — Satanás me enganou, e eu comi.  

Agora isso foi um crime, não foi? Bom, então a humanidade tinha que ser condenada. Por que é que a humanidade é salva? Desde quando Deus conta com a graça que salva a humanidade? E porque que Deus conta com a graça? E no que é que o fator graça influi?

O apóstolo Paulo propôs um silogismo: Sabe o que é silogismo? É um raciocínio lógico que aponta necessariamente para uma conclusão. A primeira afirmação de Paulo sobre esse raciocínio lógico está em Atos 17:28, que diz: “Pois nEle, Deus, vivemos, nos movemos e existimos...” Certo? Esta é a primeira afirmação grandiosa de Paulo. Mas tem uma segunda afirmação de Paulo que está em Romanos 3:12 que diz: “Todos se extraviaram de Deus...”

Imagine o grande avião A380 no ar. Imagine que todas as pessoas, inclusive nós, que estão dentro desse avião representam a humanidade, a criação de Deus. Imagine que o avião seja Deus. Em Deus vivemos, em Deus nos movemos, em Deus existimos. Agora, imagine que todas as pessoas resolvem pular fora do avião, inclusive nós. Isso significa que de Deus nos extraviamos.

Se é em Deus que vivemos, se é em Deus que nos movemos, se é em Deus que existimos, e de Deus nos extraviamos, onde é que a humanidade estaria agora? A lógica era não existir mais, pois ninguém sobrevive pulando do avião. Não era essa a lógica? Mas olhem nós aqui outra vez!

O que foi que aconteceu? Só há duas possibilidades: A primeira possibilidade é que Paulo errou. Pronto. Paulo errou e, paciência. Essa é uma possibilidade. A outra possibilidade é que um fator salva-vidas, que já estava preparado antes de a humanidade decidir pular, sustentou a humanidade quando nada mais podia sustentar. É isso que a Bíblia chama de graça. “Pela graça sois salvos, mediante a fé, e isso não vem de vós, é dom de Deus.”

Entendeu agora porque todo mundo é pecador e precisa ser salvo? Sabendo disso, Deus já providenciou o dom gratuíto da salvação para todos, MAS, só é salvo aquele que tem fé e acredita no que a Bíblia fala. É por meio da fé que somos salvos. Então, você precisa ter fé para ser salvo. É assim que funciona a graça de Deus! Se você não entender isso, você não tem como crer em Deus e afirmar que Ele é bom!

Temos mais uma afirmação de Paulo, mais um silogismo. A grande afirmação de Paulo continua sendo aquela: “Pois nEle, Deus, vivemos, nos movemos e existimos.” A segunda é: “Todos se extraviaram, todos pecaram...”

Se toda a humanidade resolveu deixar Deus, se extraviar de Deus, mas ainda continua existindo sustentada pela graça de Deus, então, como é que Deus santo pode sustentar em Si seres pecadores? Será que a graça salva ao arrepio da justiça de Deus?

Leia a resposta na próxima devocional. Não perca!


(*) Algumas partes do texto são adaptações das anotações de uma palestra do Pr. Ariovaldo Ramos.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Crer em Deus, Como?

Porém, quando vi que tudo ia bem para os...maus, quase perdi a confiança em Deus... (Salmo 73:2-3)

O ator Robert de Niro estava sendo entrevistado num programa de TV que entrevista os atores de Hollywood, uma escola de atores e atrizes. E aí o apresentador, o entrevistador lhe fez uma pergunta que faz para todos os artistas que vão lá. Ele perguntou o seguinte para o Robert de Niro: – Se o céu existe, se Deus existe, e se você chegar ao céu, o que você gostaria de ouvir de Deus?

O Robert de Niro disse: – Se Deus existe, e eu chegar até Ele, Ele vai ter muita coisa para me explicar.

Por que ele disse isso? Porque ele sabe o mundo em que nós vivemos. Vivemos num mundo marcado pela dor. Vivemos num mundo marcado pela vaidade, pela injustiça, pela mentira. Vivemos num mundo marcado pela corrupção. Pior é que parece não acontecer nada com os maus.

Não é sem razão que no Salmo 73 o salmista entra em crise e escreve porque é que prosperam os ímpios. Porque é que os santos estão sempre sofrendo e os ímpios estão sempre prosperando. Num meio de um o mundo desse é difícil dizer: louvado seja o nome do Senhor. Num meio de um mundo desse é difícil dizer: em tudo dou graças ao Senhor. Num meio de um mundo desse é difícil acreditar em Deus, e ainda achar que Ele é bom!

O colunista Arnaldo Jabor escreveu uma crônica onde conta porque ele deixou de ser cristão. Ele disse que deixou de ser cristão porque chegou para alguns padres e disse assim: – Deus sabe de todas as coisas?

Os padres respondiam: – Sim filho, Ele sabe de todas as coisas.

– Mas Deus sabe de todas as coisas antes delas acontecerem? Tem uma diferença em saber o que está acontecendo e saber antes dela acontecer.

Os padres diziam para ele: – Sim meu filho, Deus sabe de todas as coisas antes delas acontecerem.

Ele dizia: – Então Deus sabe antes de um sujeito nascer que ele vai pecar? Antes de ele existir, ele vai pecar?

Os padres diziam: – Sim filho, Deus sabe antes de uma pessoa nascer, antes de uma pessoa vir a existir, vir a ser inclusive fecundado, Deus sabe que ele vai pecar.

Aí o Arnaldo perguntava com uma cara-de-pau: – Se Deus sabe que o sujeito vai pecar antes desse sujeito existir, porque é que Ele cria esse sujeito?

E o Arnaldo disse que nenhum padre conseguiu responder essa pergunta para ele. E aí ele se afastou da fé em Deus!

Você sabe que esta pergunta de Arnaldo Jabor é uma pergunta romana? Os romanos crêem que o sujeito quando é batizado na infância, se livra do pecado original e depois é só seguir os mandamentos da Igreja, que será salvo. Nós protestantes não cremos assim, porque entendemos que a Bíblia não ensina assim.

Entretanto, nessa pergunta do Jabor tem uma coisa importante aqui para nós: Se Deus sabia que o homem ia pecar, que o homem ia cair, antes de criá-lo, porque que criou? Para deixar a gente nesse sofrimento? Para gente conviver com essa injustiça toda? Com essa desonestidade? Com essa ganância? Com a fome? Com a miséria? Com a dor? Com o assassinato? Com a corrupção?

Se olharmos para tudo isso, chegaremos à conclusão que realmente não é fácil crer em Deus! É por isso que muita gente não acredita em um Deus bom. Mas eu acredito!

Querido leitor, para crer em Deus e ter certeza de que Ele é bom, você precisa entender como funciona a graça de Deus. Se você não entender a graça de Deus, você não tem como crer em Deus. Primeiro você tem que saber tudo sobre a graça de Deus, para depois poder afirmar, como eu afirmo, com convicção, que Deus é bom, Deus é muito bom, Deus é bom demais!

Portanto, não deixe de ler a próxima série de devocionais. Estaremos mostrando o que a Bíblia fala sobre esse assunto de fundamental importância para o ser humano, que é a graça de Deus. Não perca!