quarta-feira, 30 de março de 2011

Os três passos da redenção

‘Pois, se alguém tiver vergonha de mim e do meu ensinamento, então o Filho do Homem também terá vergonha dessa pessoa, quando ele vier na sua glória e na glória do Pai e dos santos anjos.’ (Lucas 9:26)

Sabemos que Jesus Cristo morreu no lugar dos pecadores. Em Cristo não havia pecado. Mas Deus colocou sobre Cristo a culpa dos nossos pecados para que nós, em união com Ele, vivamos de acordo com a vontade de Deus. Nada – nem boas ações, nem vida religiosa podem acrescentar mérito à perfeita obra da expiação. A salvação de nossas almas emana tão-somente da obra de Cristo.

Mas existe uma coisa que precisa ser demonstrada em nossa maneira de viver, como prova do resultado da obra de Cristo em nossas vidas, significando que fomos redimidos: é o hábito de morrermos diariamente. Esse morrer diariamente significa abrir mão dos interesses pessoais; significa deixar de investir naquilo que é temporário – a vida terrena – e investir no que é permanente – a vida eterna.

Jesus disse aos seus discípulos sobre os acontecimentos que, em sequência, completa a obra da redenção do homem (Lucas 9:22-26):

Primeiro passo para redenção do homem: ‘o Filho do Homem terá de sofrer muito. Ele será rejeitado pelos líderes judeus, pelos chefes dos sacerdotes e pelos mestres da Lei. Será morto e, no terceiro dia, será ressuscitado.’ Esse primeiro passo já foi dado por Jesus Cristo, o Filho do Homem.

Segundo passo, depende da iniciativa do homem: ‘se alguém quer ser meu seguidor, que esqueça os seus próprios interesses, esteja pronto cada dia para morrer como eu vou morrer e me acompanhe. Pois quem põe os seus próprios interesses em primeiro lugar nunca terá a vida verdadeira; mas quem esquece a si mesmo por minha causa terá a vida verdadeira. O que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, mas perder a vida verdadeira e ser destruído?’ Muitos homens e mulheres já deram esse passo.

O terceiro passo é confessar Jesus Cristo como Senhor e Salvador. Quando Cristo disse ‘pois, se alguém tiver vergonha de mim e do meu ensinamento, então o Filho do Homem também terá vergonha dessa pessoa, quando ele vier na sua glória e na glória do Pai e dos santos anjos’ ele não estava falando de um sentimento romântico e nem de uma ideologia, mas de uma situação prática que é: declararmos – diante de um mundo alienígena e que se revoltou contra seu Criador – que não nos interessa nada desse mundo, nem o modismo, nem os prazeres, mas que queremos pensar e trabalhar pelo que é eterno – a vida celestial. Quando chegamos a completar esse terceiro passo, certamente estamos redimidos. Aí podemos dizer que temos certeza da nossa salvação.

Você tem certeza da vida eterna? Qual passo ainda falta para ter certeza? Peça a Deus graça para você completar os três passos da redenção. Confesse que Jesus Cristo é o Salvador e seu Senhor!

segunda-feira, 28 de março de 2011

Bom Para O Caráter

‘E também nos alegramos nos sofrimentos, pois sabemos que os sofrimentos produzem a paciência, a paciência traz a aprovação de Deus, e essa aprovação cria a esperança. Essa esperança não nos deixa decepcionados, pois Deus derramou o seu amor no nosso coração, por meio do Espírito Santo, que ele nos deu.’ (Romanos 5:3-5)

Quando era criança, meus pais reuniam a família todos os dias para estudar a bíblia. As sementes que foram plantadas em minha vida nesses primeiros anos do meu crescimento espiritual germinaram e, hoje, eu estou tentando aproveitar o que aprendi, para pautar o meu caminho de forma prática.

Lembro ter aprendido que o jovem deve estudar o livro de Provérbios de Salomão, se quiser saber qual caminho seguir para ter uma vida bem-aventurada. Sempre diziam meus pais, esse livro é bom para o caráter. Mas você, se quiser, pode deixar de lado as instruções desse livro e escolher outro caminho, certamente mais difícil, com consequências dolorosas. Nesse caso, Deus com sua infinita misericórdia não te abandonará, mas em algum momento entrará em ação para não deixar que você se perca de vez. Como um bom pai que corrige o filho, Ele usará as circunstâncias dolorosas e o sofrimento físico-mental-espiritual para desenvolver em você as qualidades do caráter, qualidades estas que podem ser adquiridas de maneira bem mais fácil, colocando em prática os conselhos de Salomão, o homem mais sábio que o mundo já teve.

Bom, felizmente escolhi o caminho mais fácil! Mas muitos escolhem o caminho difícil, no qual, o jovem poderá passar por aflições e sofrimentos. Então, terá que, diariamente e com perseverança, ajustar as velas do seu barco para que possa enfrentar as tempestades contrárias e seguir a rota rumo ao porto seguro. O jovem também terá que se contentar com o conselho de Tiago 1:2-4 ‘Meus irmãos, sintam-se felizes quando passarem por todo tipo de aflições. Pois vocês sabem que, quando a sua fé vence essas provações, ela produz perseverança. Que essa perseverança seja perfeita a fim de que vocês sejam maduros e corretos, não falhando em nada!’

Quero concluir destacando três palavras-chaves:

Felicidade. Como você pode se sentir feliz se estiver passando por um divórcio? Ou após a morte de um ente querido ou após a perda de um emprego? Como é possível ter alegria, apesar das circunstâncias ruins? Só Deus pode te dar a felicidade.

Perseverança. Para aprender a perseverar, é preciso passar por alguns momentos difíceis. Pense nas suas experiências de vida. Quais foram os resultados? Você já fez quantas mudanças de rota em sua vida? Deus te ajudou a passar por alguns desafios? Lembre-se do que Deus fez e o que você pode fazer para continuar servindo-O. A perseverança é provada com o tempo. Não se pode subir vários degraus de uma escada de uma só vez. As dores irão com você, mas saiba que a cada degrau subido, significa que você está crescendo.

Maturidade. Quando você era criança, você não tinha um arquivo de experiências de vida para consultar. Agora que você está mais velho, você já tem suas próprias experiências. Consulte quais lições do passado você deve seguir para que tenha mais sucesso na vida material, afetiva e espiritual.

Você pode relembrar suas experiências ruins passadas e ver como Deus trabalhou o seu caráter. Lista algumas delas, compare os resultados e louve a Deus pela Sua misericórdia!

sexta-feira, 25 de março de 2011

Vidro ou Diamante

'Um homem esperava para atravessar uma avenida quando um brilho na grama em que pisava chamou sua atenção. Deu uma olhada sem se abaixar e pensou 'Deve ser um caco de vidro' e foi embora. 

Mais tarde outro homem na mesma situação percebeu o brilho, abaixou-se, pegou a pedra meio suja e viu que era talhada como um lindo diamante. Parecia mesmo um diamante enviando raios luminosos com as cores do arco-íris quando colocado ao sol. O homem pensou 'Puxa, será um diamante? Desse tamanho? Perdido aqui? Como veio parar aqui? Talvez eu devesse levar a um joalheiro pra ver se é mesmo.' Olhava e olhava e de repente disse a si mesmo: 'Que idiota eu sou, imagina se isso é um diamante, só pode ser um vidro talhado em forma de diamante que caiu de algum anel de bijuteria. Porque um cara como eu iria achar um diamante?' 

'E se eu levar a um joalheiro ainda vou ter que agüentar a gozação do homem por eu ter achado que podia ser um diamante... Ha...logo eu ia achar um diamante assim... perdido numa grama...logo eu...' E assim pensando jogou de novo a pedra na grama e atravessou a avenida até meio triste pela sua pouca sorte. 

No dia seguinte outro homem passando pelo mesmo lugar viu a pedra, atraído pelo seu brilho. 'Que beleza de pedra' ele pensou! 'Parece um diamante, talvez até seja um diamante, mas também pode ser apenas um pedaço de vidro imitando um diamante... O melhor que tenho a fazer é leva-la a um joalheiro e pedir uma avaliação.' E colocou a pedra no bolso. 

Tendo levado-a para avaliação mais tarde descobriu ser um verdadeiro diamante, de muitos quilates e com uma lapidação especial. Era uma pedra muito valiosa! Realmente especial e o homem ficou muito feliz com a sua boa sorte!' (McMillian Gold)

Às vezes, nós encontramos pessoas que são como esse diamante...valiosas! Pena que nem sempre paramos para avaliá-las e acabamos por confiar na nossa primeira, e muitas vezes errônea, impressão. Outros simplesmente acham que nunca tiveram sorte e pensam assim: porque aquela pessoa apareceria justamente pra mim? 

Pois saiba que Jesus, 'Aquele que é a Palavra veio para o Seu próprio país, mas o Seu povo não O recebeu. Porém alguns creram nEle e O receberam, e a estes Ele deu o direito de se tornarem filhos de Deus.' (João 1:11-12)

Pense nisso! 

Dê-se uma chance!

quinta-feira, 24 de março de 2011

Um Momento De Fúria

'E, quando estiverem orando, perdoem os que os ofenderam, para que o Pai de vocês, que está no céu, perdoe as ofensas de vocês.' (Marcos 11:25) 

Na semana passada eu tive um momento de fúria. Eu estava no Facebook, no bate-papo com alguns velhos amigos, quando notei uma mensagem postada no mural. Uma pessoa que eu conheci na escola estava internado no hospital, e embora não tenha sido nada grave, ela estava pedindo orações. Eu nunca fui com a cara dessa pessoa, e eu fico com vergonha de dizer aqui que meu primeiro pensamento depois de ler o post foi: ‘Ah, você merece isso!’ 

Um dia depois, eu fui ler a Bíblia e me deparei com a história de Jonas. A maioria de nós provavelmente aprendeu esta história na escola dominical. Podemos lembrar de que Deus havia ordenado a Jonas pregar para o povo de Nínive, mas Jonas, odiando Nínive, desobedeceu e pegou o navio para a Espanha. Depois de uma tempestade, Deus enviou um grande peixe para engoli-lo e vomitá-lo na cidade de Nínive. Chegando lá, Jonas pregou para toda a cidade, o povo se arrependeu dos seus pecados e Deus desistiu de destruir Nínive, como havia dito que destruiria. 

'Por causa disso, Jonas ficou com raiva e muito aborrecido. Então orou assim: — Ó Senhor Deus, eu não disse, antes de deixar a minha terra, que era isso mesmo que ias fazer? Foi por isso que fiz tudo para fugir para a Espanha! Eu sabia que és Deus que tem compaixão e misericórdia. Sabia que és sempre paciente e bondoso e que estás sempre pronto a mudar de idéia e não castigar. Agora, ó Senhor, acaba com a minha vida porque para mim é melhor morrer do que viver. 

O Senhor respondeu: — Jonas, você acha que tem razão para ficar com tanta raiva assim? Aí Jonas saiu de Nínive, foi para o lado onde o sol nasce e sentou-se. Depois, construiu um abrigo e sentou-se na sombra, esperando para ver o que ia acontecer com a cidade. 

Então o Senhor Deus fez crescer uma planta por cima de Jonas, para lhe dar um pouco de sombra, de modo que ele se sentisse mais confortável. E Jonas ficou muito satisfeito com a planta. Mas no dia seguinte, quando o sol ia nascer, por ordem de Deus um bicho atacou a planta, e ela secou. Depois que o sol nasceu, Deus mandou um vento quente vindo do leste. E Jonas quase desmaiou por causa do calor do sol, que queimava a sua cabeça. Então quis morrer e disse: — Para mim é melhor morrer do que viver! 

Mas Deus perguntou: — Jonas, você acha que está certo ficar com raiva por causa dessa planta? Jonas respondeu: — É claro que tenho razão para estar com raiva e, com tanta raiva, que até quero morrer! 

Então o Senhor Deus disse: — Essa planta cresceu numa noite e na noite seguinte desapareceu. Você nada fez por ela, nem a fez crescer, mas mesmo assim tem pena dela! Então eu, com muito mais razão, devo ter pena da grande cidade de Nínive, onde há mais de cento e vinte mil crianças inocentes e também muitos animais!' (Jonas 4:1-11) 

Às vezes, nós damos uma de Jonas e caímos em depressão simplesmente por não seguir os mandamentos de Deus. Como Jonas, eu havia deixado o meu orgulho e as minhas mágoas do passado ​​impedirem de cumprir o meu dever para com Deus. 

Deus não nos permite viver com rancores. E, se pensarmos que Cristo vai nos vingar amaldiçoando nossos inimigos, ficaremos ainda mais decepcionados. Em vez disso, Jesus nos ordenou viver em harmonia com nossos irmãos e irmãs e perdoar aqueles que pecaram contra nós. Afinal, foi isso que Cristo fez por nós. 

Você sente raiva de alguém? Tire algum tempo para orar por essa pessoa. Busque a paz com Deus e acabe com os momentos de fúria!

segunda-feira, 21 de março de 2011

O Jeitinho Cristão

O que é que o Senhor Deus prefere? Obediência ou oferta de sacrifícios? É melhor obedecer a Deus do que oferecer-lhe em sacrifício as melhores ovelhas. (1 Samuel 15:22)

Eu estava trafegando numa avenida movimentada. Havia carros por todos os lados. De repente, eu deparo ao meu lado com um veículo tentando mudar de faixa, querendo fazer o retorno logo em seguida. Ninguém da faixa ao lado lhe dava passagem. Então, o senhor que dirigia o veículo – em vez de procurar outro retorno mais adiante – resolveu usar o 'jeitinho brasileiro' e simplesmente parar no trânsito para esperar que lhe dessem passagem. Não deu outra, o veículo que estava à sua traseira não teve tempo de frear e o resultado foi um 'engavetamento'. Três veículos foram envolvidos no acidente. Felizmente ninguém ficou ferido, embora tenha havido muitos xingamentos.

Bem, depois de testemunhar a cena, comecei a pensar sobre a minha tendência de convenientemente desobedecer a Deus e seguir os modismos do mundo. Por que isso acontece? Porque às vezes sou desobediente, impaciente e não confio os meus planos de vida totalmente ao Senhor.

Saul, o primeiro rei de Israel era assim também. Numa certa ocasião de guerra ele seguiu o que veio na sua cabeça e perdeu a bênção que o Senhor tinha reservado para ele. Deus havia ordenado a Saul: Vá, ataque os amalequitas e destrua completamente tudo o que eles têm. Não tenha dó nem piedade... Deus queria que fossem eliminados todos os inimigos mortais dos israelitas para que esse povo não tivesse problemas no futuro.

Bastante simples, certo? Mas o que Saul fez? Bem, ele ‘convenientemente’ desobedeceu. Ele atacou os amalequitas, mas poupou o rei e os animais, pois achou um desperdício destruir tudo. Agora, por que ele fez isso? Bem, porque o ser humano é criativo e acha que pode ‘dar um jeitinho’ burlando as ordens para fazer o que lhe é mais conveniente, segundo a sua forma de pensar.

Quando Saul foi confrontado sobre o que havia feito, ele arrumou uma desculpa esfarrapada: — Os meus soldados pegaram as melhores ovelhas e o melhor gado para oferecer como sacrifício ao Senhor. Mas destruímos completamente o resto. Ora, depois que se viu no aperto, Saul espertamente inventou de oferecer sacrifícios, mas não obteve o perdão do Senhor e foi destituído do trono.

Trazendo para os dias de hoje, esse tipo de desculpa é mais ou menos assim: ‘Vou entregar a minha vida a Deus, mas esse pecadinho aqui não...’ ‘Todo mundo faz, por que não posso fazer?’ ‘Eu acho que pago imposto demais, vou sonegar um pouco!’ ‘Vou deixar minha amiga furar a fila, é na minha frente...’ ‘Não tem problema ganhar dinheiro desonestamente, pois no domingo eu entrego o dízimo e fica tudo bem,’ como se faziam no tempo do profeta Amós, quando no próprio templo do Senhor se ofereciam sacrifícios de vinho que compravam com dinheiro roubado (Amós 2:8). O que tem fazer tudo isso? Eu dou um 'jeitinho cristão' e depois é só me prostrar arrependido ao pés do Senhor! Ele perdoa mesmo!

Até quando vamos ser obedientes aos princípios bíblicos somente naquilo que nos for conveniente? Até quando vamos continuar dando um 'jeitinho cristão' para facilitar a nossa vida? Isso é uma lição difícil de aprender!

Não seja como Saul. Não tente burlar as ordens – nem as de Deus, nem as do mundo – e depois oferecer sacrifícios de arrependimento. Com Deus não se brinca! Para Ele é melhor obedecer do que sacrificar. Você não vai querer perder a sua bênção, vai?

sexta-feira, 18 de março de 2011

Deus Quer Interagir Com O Mundo

Jesus continuou: — O Reino do Céu será como um homem que ia fazer uma viagem. Ele chamou os seus empregados e os pôs para tomarem conta da sua propriedade. E lhes deu dinheiro de acordo com a capacidade de cada um: ao primeiro deu quinhentas moedas de ouro; ao segundo deu duzentas; e ao terceiro deu cem. Então foi viajar. 

O empregado que tinha recebido quinhentas moedas saiu logo, fez negócios com o dinheiro e conseguiu outras quinhentas. Do mesmo modo, o que havia recebido duzentas moedas conseguiu outras duzentas. Mas o que tinha recebido cem moedas saiu, fez um buraco na terra e escondeu o dinheiro do patrão. (Mateus 25:14-18) 

Tradicionalmente, aprendemos que essa passagem se relaciona com os nossos dons espirituais, mas acredito que o talento dessa parábola também pode ser usado para representar a nossa fé em Cristo e a forma de nos relacionarmos com o mundo. 

Às vezes, nós ficamos com medo de Deus. Achamos que Deus é severo demais e que Ele nos pediu para nos isolarmos deste mundo que se rebelou contra Ele. O temor que temos é que, se começarmos a interagir com o mundo e a apreciar as coisas saudáveis que existem, como esporte e cultura, essas coisas vão nos roubar a fé cristã. 

Então, em vez de interagir a nossa fé cristã com o mundo, nós preferimos enterrá-la na Bíblia para mantê-la segura, por medo ou por vergonha, como fez o terceiro empregado. Nós passamos nossas vidas em um constante e sem fim estudo bíblico, mas não colocamos em prática o que estudamos. Passamos a vida inteira aprendendo a pescar almas, mas nunca saímos para pescar. Passamos a vida inteira aprendendo a colher, mas nunca saímos à seara. Passamos a vida inteira estudando a forma de ser cristão, mas nunca realmente vivemos como cristão. 

O problema é que quando o Mestre retornar, quando Deus nos chamar para o acerto de contas, iremos descobrir, tarde demais, que a nossa fé não rendeu o devido fruto! E aí diremos: Fiquei com medo do mundo e por isso preferi apenas aprender. Veja! Eu sei tudo que o Senhor me ensinou. E Deus dirá: ‘— Empregado mau e preguiçoso!’, como disse o patrão para o terceiro empregado na parábola acima.

Deus quer interagir com este mundo mediante a nossa atuação. Ele quer que a gente goste de praticar esportes, de escrever histórias e poesias, de estudar matemática e ciências, de descobrir mais sobre as pessoas e falar do amor de Deus a elas. Quanto mais interagirmos com este mundo, mais chance teremos de pregar a Palavra, testemunhar de Jesus e dar exemplo de cristão. 

É verdade que temos de ter cuidado para que as coisas belas deste mundo não venham tomar o lugar de Deus em nossas vidas. Se lidarmos corretamente, dentro do plano de Deus, elas nos permitirão envolver saudavelmente com as pessoas, colocar nossa fé em prática e fazer discípulos de Jesus. 

Você tem sido instrumento para Deus interagir com o mundo? Ou você tem um medo doentio de Deus ou vergonha a ponto de não sair a campo para falar do Seu amor? Peça coragem e intrepidez que Ele te dará.

É Um Sacrifício Testemunhar!

Os mestres sábios, aqueles que ensinaram muitas pessoas a fazer o que é certo, brilharão como as estrelas do céu, com um brilho que nunca se apagará. (Daniel 12:3)

Uma senhora disse quando lhe recomendaram que ela precisava testemunhar o milagre da salvação que Deus fez na vida dela: 'Ai, isso me mata!' Bem, é exatamente o que deveria fazer! Deveria matar o seu orgulho, o seu ego, o seu egoísmo, o seu egocentrismo, e talvez até causar um considerável sacrifício e desgaste físico.

Eu afirmo a vocês que isto é verdade: se um grão de trigo não for jogado na terra e não morrer, ele continuará a ser apenas um grão. Mas, se morrer, dará muito trigo. Quem ama a sua vida não terá a vida verdadeira; mas quem não se apega à sua vida, neste mundo, ganhará para sempre a vida verdadeira. (João 12:24-25)

Não é perigoso testemunhar! É gratificante! Agora, é um risco que se corre, pois você está sujeito a ser um pouco perseguido. Mas, mesmo assim temos que testemunhar! Todos os primeiros apóstolos morreram como mártires, bem como muitos dos primeiros Cristãos, mas apesar disso outros continuaram a testemunhar com a mesma dedicação! Quando a Igreja saiu da arena e começou a sentar-se nas arquibancadas para evitar a morte na boca dos leões, Ela morreu ali de velhice! É melhor morrer como uma testemunha na boca dos leões do que de velhice na arquibancada!

Se continuarmos a suportar o sofrimento com paciência, também reinaremos com Cristo. Se nós o negarmos, ele também nos negará. (2 Timóteo 2:12)

E então, não é melhor correr o risco de sofrer um pouquinho agora e reinar para sempre?

quarta-feira, 16 de março de 2011

A Esposa Rebelde

Deus disse ao povo de Israel: — Vou seduzir novamente a minha amada e levá-la para o deserto, onde lhe falarei do meu amor. (Oséias 2:14)

Oséias teve uma tarefa muito estranha. Deus ordenou que ele se casasse com uma mulher que todos sabiam ser infiel. Ele foi e casou com Gomer e tiveram muitos filhos. Com o tempo, Gomer deixou Oséias com os filhos e arranjou amantes e, finalmente, acabou caindo no mercado de escravas do sexo.

Oséias fez o impensável. Ele foi ao prostíbulo, pagou o preço de Gomer e a trouxe de volta para sua casa. Eis a justificativa dele: — O Senhor Deus falou de novo comigo e disse: — Vá e ame novamente a esposa rebelde. Ame-a assim como eu amo o povo de Israel, embora eles adorem outros deuses. Então fui e comprei Gomer por quinze barras de prata e cento e cinquenta quilos de cevada. Eu disse a ela: — Por algum tempo, enquanto seja purificada, você vai esperar por mim. Durante esse tempo não se torne prostituta, nem se entregue a um amante novamente. E eu também esperarei por você. (Oséias 3:1-3)

Na realidade, Oséias redimiu sua esposa rebelde. Em vez de deixá-la com as consequências naturais da sua rebeldia, ele a trouxe de volta para casa, esperou um tempo, e fez uma nova aliança de casamento.

Esta história simboliza Deus e o Seu povo. Desde o início da história, o Senhor deixa claro a Oséias que a dor da traição, da ingratidão, e da natureza inconstante de Gomer era exatamente o que o próprio Deus estava experimentando com o Seu povo. A idolatria e a infidelidade haviam passado dos limites. A nação estava totalmente envolvida nos costumes pagãos, em clara desobediência a Deus. O povo estava como a esposa rebelde e seu destino seria semelhante ao de Gomer. Oséias assegurou ao povo israelita que as consequências naturais do pecado – a escravidão e a miséria – estavam chegando, mas mesmo assim o Senhor não iria abandoná-lo.

Deus disse: — Vou seduzir a minha amada e levá-la de novo para o deserto, onde lhe falarei do meu amor... Finalmente Ele disse: — Eu casarei com você, e para sempre você será minha legítima esposa. Eu a tratarei com amor e carinho.

No deserto, esvaziada de seus tesouros, de seus deuses, e de sua riqueza, a nação de Israel descobriria que não era objeto da ira de Deus, mas de Sua misericórdia, apesar da rebeldia e ingratidão. Esta é uma manifestação incrível da graça de Deus no Antigo Testamento. Veja bem, Deus poderia ter dito assim: – A nação me traiu e me abandonou, por isso vou esquecê-la e jamais irei atrás dela. Em vez disso, Ele disse: – Eu vou seduzi-la e tratar dela.

Os pensamentos de Deus estão acima dos céus. A Sua misericórdia é infinita e a razão para Deus ser assim está no seu caráter. Isso independe de quão indignos são os homens. A bondade divina aproveita a ocasião da maldade humana para tornar-se bem mais ilustre. O objetivo é ampliar a graça para aqueles que mais necessitam de piedade. Deus faz isso puramente por amor e misericórdia.

Da mesma forma que Oséias resgatou a esposa rebelde e tratou dela, Deus pode estar tratando de você em um deserto nesse momento, falando-lhe do Seu amor, para tê-lo definitivamente de volta, uma vez que você já foi resgatando pelo sangue de Jesus Cristo derramado na cruz. Você não pode esquecer de que para Deus, o deserto é um lugar de restauração.

Você está num deserto agora? Financeiramente? Relacionalmente? Espiritualmente? Tenha o conforto em saber que Deus pode te esvaziar de toda arrogância e presunção para que esteja apto a colocar o foco nEle e nunca mais O abandonar.

segunda-feira, 14 de março de 2011

O Doador Universal

Imagine que seja uma típica tarde de sexta-feira e você esteja dirigindo em direção à sua casa.Você sintoniza o rádio. O noticiário está falando de coisas de pouca importância. Você ouve que numa cidadezinha distante morreram 3 pessoas de uma gripe, até então, totalmente desconhecida. Não presta muita atenção ao tal acontecimento e esquece o assunto. 

Na segunda-feira, quando acorda, escuta que já não são 3, mas 30.000, as pessoas mortas pela tal gripe, nas colinas remotas da Índia. Um grupo do Controle de Doenças dos EUA foi investigar o caso. Na terça-feira, já é a notícia mais importante, ocupando a primeira página de todos os jornais, pois já não é só na Índia, mas também no Paquistão, Irã e Afeganistão. 

Enfim, a notícia se espalha pelo mundo. Estão chamando a doença de ‘La Influenza Misteriosa’, e todos se perguntam: Que faremos para controlá-la? Então, uma notícia surpreende a todos: A Europa fecha suas fronteiras. A França não recebe mais vôos da Índia, nem de outros países dos quais se tenham comentado de casos da tal doença. 

Por causa do fechamento das fronteiras, você está ligado em todos os meios de comunicação, para manter-se informado da situação e, de repente, ouve que uma mulher declarou que num dos hospitais da França, um homem está morrendo por causa da tal ‘La Influenza Misteriosa’. Começa o pânico na Europa. As informações dizem que, quando você contrai o vírus, é questão de uma semana de vida. Em seguida, as pessoas têm 4 dias de sintomas horríveis e morrem. 

A Inglaterra também fecha suas fronteiras, mas já é tarde. No dia seguinte, o presidente dos EUA fecha também suas fronteiras para Europa e Ásia, para evitar a entrada do vírus no país, até que encontrem a cura. No dia seguinte, as pessoas começam a se reunir nas igrejas, em oração pela descoberta da cura, quando, de repente, entra alguém na igreja, aos gritos: 

— Liguem o rádio! Liguem o rádio! Duas mulheres morreram em Nova York!. 

Em questão de horas, parece que a coisa invadiu o mundo inteiro. Os cientistas continuam trabalhando na descoberta de um antídoto, mas nada funciona. De repente, vem a notícia esperada: conseguiram decifrar o código de DNA do vírus. É possível fabricar o antídoto! É preciso, para isso, conseguir sangue de alguém que não tenha sido infectado pelo vírus. 

Corre por todo o mundo, a notícia de que as pessoas devem ir aos hospitais fazer análise de seu sangue e doar para a fabricação do antídoto. Você vai de voluntário com toda sua família, juntamente com alguns vizinhos, perguntando-se, o que acontecerá. Será este o final do mundo? De repente, o médico sai gritando um nome que leu em seu caderno. O menor dos seus filhos está ao seu lado, se agarra na sua jaqueta, e lhe diz: 

— Pai? Esse é meu nome! 

E antes que você possa raciocinar, estão levando seu filho, e você grita: 

— Esperem! 

E eles respondem: 

— Tudo está bem! O sangue dele está limpo, e é sangue puro. Achamos que ele tem o sangue que precisamos para o antídoto. 

Depois de 5 longos minutos, saem os médicos chorando e rindo ao mesmo tempo. E é a primeira vez que você vê alguém rindo em uma semana. O médico mais velho se aproxima de você e diz: 

— Obrigado, senhor! O sangue de seu filho é perfeito, está limpo, puro, o antídoto finalmente poderá ser fabricado. 

A notícia se espalha por todos os lados. As pessoas estão orando e rindo de felicidade. Nisso, o médico se aproxima de você e de sua esposa, e diz: 

— Posso falar-lhes um momento? Não sabíamos que o doador seria uma criança e precisamos que o senhor assine uma autorização para usarmos o sangue de seu filho. 

Quando você está lendo, percebe que não colocaram a quantidade de sangue que vão usar, e pergunta: 

— Mas, qual a quantidade de sangue que vão usar? 

O sorriso do médico desaparece e ele responde: 

— Não pensávamos que fosse uma criança. Não estávamos preparados....Precisamos de todo o sangue de seu filho... 

Você não pode acreditar no que ouve e trata de contestar: 

— Mas...mas... 

O médico insiste: 

— O senhor não compreende? Estamos falando da cura para o mundo inteiro! Por favor, assine! Nós precisamos de todo o sangue! 

Você, então, pergunta: 

— Mas vocês não podem fazer-lhe uma transfusão? 

E vem a resposta: 

— Se tivéssemos sangue puro, poderíamos. Assine! Por favor, assine! 

Em silêncio, e sem ao menos poder sentir a caneta na mão, você assina. 

Perguntam-lhe: 

— Quer ver seu filho agora? 

Ele caminha na direção da sala de emergência onde se encontra seu filho, que está sentado na cama, e ele diz: 

— Papai!? Mamãe!? O que está acontecendo? 

O pai segura na mão dele e fala: 

— Filho, sua mãe e eu lhe amamos muito e jamais permitiríamos que lhe acontecesse algo que não fosse necessário, você entende? 

O médico regressa e diz: 

— Sinto muito senhor, precisamos começar, gente do mundo inteiro está morrendo, o senhor pode sair? 

Nisso, seu filho pergunta: 

— Papai? Mamãe? Por que vocês estão me abandonando? 

E na semana seguinte, quando fazem uma cerimônia para honrar o seu filho, algumas pessoas ficam em casa dormindo, e outras não vêm, porque preferem fazer um passeio ou assistir um jogo de futebol na TV. 

E outras veêm, mas como se realmente não estivessem se importando. Aí você tem vontade de parar e gritar:  

— Meu filho morreu por vocês!!! Não se importam com isso? 

Talvez isso é o que Deus nos quer dizer: 

— Meu filho Jesus Cristo morreu por vocês!!! Saibam que eu os amo muito! 

Autor desconhecido.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Será O Fim Dos Tempos?

Jesus estava sentado no monte das Oliveiras. Então os discípulos chegaram perto dele e lhe perguntaram em particular: 

— Conte para nós quando é que isso vai acontecer. Que sinal haverá para mostrar que chegou o tempo de o Senhor voltar e de tudo acabar? Jesus respondeu: 

— Tomem cuidado para que ninguém engane vocês... Não tenham medo quando ouvirem o barulho de rebeliões ou notícias de guerras. Tudo isso vai acontecer, mas ainda não será o fim... Em vários lugares haverá falta de alimentos e tremores de terra. Essas coisas serão só o começo das dores. (Mateus 24) 

O verdadeiro tempo do fim que fala a Bíblia apenas está começando. Nós estamos vivendo os primeiros sinais, mas muitos acontecimentos ainda estão por vir. Muitas profecias bíblicas ainda não se cumpriram para que realmente venha o fim. 

Mas o tempo está acabando. Os tempos estão ficando cada vez piores, e os acontecimentos estão se desenrolando muito rapidamente à medida que o tempo passa. Pelo que podemos extrair da Palavra de Deus, não há dúvida que não podemos esperar que as coisas continuem assim do jeito que o mundo está por muito mais tempo! 

Então, estamos vivendo, no mínimo, tempos excitantes nos quais vão ocorrer grandes mudanças! E quanto mais rápido as coisas piorarem, mais rápido tudo vai terminar! Não adianta otimismo! Isso é bíblico! 

Sem terrorismo, quero dizer que quanto mais rápido a economia real e financeira do mundo apresentarem sinais de fraqueza, mais rápido se levantará o líder mundial previsto em Apocalipse 13. Tudo já está preparado para o controle absoluto desse líder. Pesquise você mesmo no Google sobre ‘Mondex’ e compare com Apocalipse 13:16-17. Isso tudo significa que mais rápido virá a grande tribulação e em seguida a gloriosa e tão esperada volta de Jesus Cristo. Certamente muitos dirão: ‘Vem, Senhor Jesus!’ Você também dirá isso?

O que devemos fazer? Ficar preocupados? Com medo? Nem tanto, porque ainda não é o fim dos tempos. Cabe a nós trabalhar como se tudo dependesse de trabalho e orar como se tudo dependesse de oração, como hoje dependem os japoneses e os povos do oriente médio. Amém?

quarta-feira, 9 de março de 2011

O Misericordioso Redentor

Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o pior. Mas foi por esse mesmo motivo que Deus teve misericórdia de mim, para que Cristo Jesus pudesse mostrar toda a sua paciência comigo. E isso ficará como exemplo para todos os que, no futuro, vão crer nEle e receber a vida eterna. (1 Timóteo 1:15-16) 

Paulo, autor do texto acima, é um dos discípulos de Jesus mais queridos em todos os tempos. Seu amor pelo Senhor inspira a muitos até hoje. No entanto, este homem extraordinário também era um pecador – segundo suas próprias palavras ‘o pior’. Como pode ser isso? 

Antes de se converter ao cristianismo, este homem perseguiu os cristãos. Ele fez coisas horríveis em nome da justiça. Certamente, ele sabia dos seus pecados íntimos melhor do que nós. E como ele disse, mesmo sendo o pior dos pecadores, Deus não poupou a sua misericórdia para com ele. 

Existe uma outra história muito emocionante na Bíblia – a da mulher pecadora com o vaso de alabastro. Interrompendo um jantar na casa de um fariseu, esta mulher – em um momento inoportuno – chorou aos pés de Jesus, enxugou-os com os seus cabelos e derramou o perfume valiosíssimo que estava no vaso. 

Simão, o fariseu anfitrião, ficou revoltado com essa demonstração pública de humildade, especialmente por uma mulher conhecida por ser uma pecadora. Jesus respondeu à sua indignação com a seguinte história: 

— Dois homens tinham uma dívida com um homem que costumava emprestar dinheiro. Um deles devia quinhentas moedas de prata, e o outro, cinqüenta, mas nenhum dos dois podia pagar ao homem que havia emprestado. Então ele perdoou a dívida de cada um. Qual deles vai estimá-lo mais? 

— Eu acho que é aquele que foi mais perdoado! Respondeu Simão. 

— Você está certo! Disse Jesus. Eu afirmo a você, então, que o grande amor que esta muher mostrou prova que os seus muitos pecados já foram perdoados. Mas onde pouco é perdoado, pouco amor é mostrado. 

Muitas vezes quando pensamos em nossos pecados e falhas nos sentimos envergonhados. Nós queremos esconder de Deus como fez Adão e Eva depois de comer o fruto proibido. Nós pensamos que Deus, em Sua perfeição divina, nunca poderia olhar para nós com o mesmo amor de antes. 

Talvez você até já experimentou este tipo de rejeição, mediante o abandono de um familiar ou de um ente querido. Mas não é dessa maneira que Deus atua. 

A coisa surpreendente sobre a misericórdia de Deus é a sua acessibilidade. Quanto maior o pecado, mais Deus quer derramar a Sua misericórdia e o seu perdão, ao primeiro sinal de arrependimento. A Bíblia nos diz que quando um pecador se arrepende, há festa no céu. Mediante o testemunho de Paulo podemos crer, sem dúvida, na paciência ilimitada de Cristo e no seu amor inesgotável. 

Entretanto, Deus também quer ser amado pelos pecadores, como fez aquela mulher. Não importa quantas vezes você pecou ou quão grave é o seu pecado, Ele deseja lavá-lo com a Sua misericórdia, se você estiver disposto a isso. 

segunda-feira, 7 de março de 2011

Em Nossos Passos, O Que Faria Jesus?

Pois amar a Deus é obedecer aos seus mandamentos. E os seus mandamentos não são difíceis de obedecer porque todo filho de Deus pode vencer o mundo. Assim, com a nossa fé conseguimos a vitória sobre o mundo. (1 João 5:3-4) 

Estamos vivenciando o Carnaval 2011. Os meios de comunicação concentram os holofotes nas pessoas – famosas ou não – e nas diversas maneiras de se extravasar a envolvente alegria carnal. À medida que os anos passam, percebemos que cada vez mais pessoas procuram os divertimentos disponíveis nessa época ao redor do mundo, quase como uma obrigação para não ficar fora de moda. Isso é uma tentação? Ou não? Depende. 

Como dizia um grande sábio: ‘Quando estiveres alegre demais ou triste demais, não dirija. Nesses momentos a tua razão é fraca e podes cometer erros.’ Não tenho nada contra divertimento, mas o que faria Jesus em nossos passos? 

Sabemos que a crença em Cristo nos assegura o céu na próxima vida. Mas muitas vezes esquecemos que Cristo também é quem nos livra de cedermos aos desejos carnais. É fácil cair na prática do auto-esforço e começar a pensar que cabe a nós, de alguma forma, superar o nosso instinto pecaminoso. Então, não precisamos ter medo pois quando vier a tentação a gente tira de letra. Será?

Nós não vencemos o pecado pelo nosso próprio esforço, mas pela fé. O trecho bíblico acima diz que a fé é a chave para a vitória. E a chave para a fé é Cristo. O nosso alvo na vida deve ser Cristo. Devemos imitá-Lo em tudo que Ele fez aqui na terra e seguir os seus passos. Não devemos focar somente na Sua morte na cruz, mas em todo o Seu modo de vida. Em vez de somente lembrar que Cristo é o nosso Salvador, devemos também valorizar tudo o que Ele representa: a consagração, o modelo de vida, a perfeição, o amor, a morte, a ressurreição, a ascensão, a intercessão e a promessa de nos levar para o céu. Na verdade, Cristo é a nossa verdadeira vida e, quando Ele aparecer para buscar a Sua Igreja, os salvos se ajuntarão a Ele e tomarão parte na Sua glória. 

Se nós negligenciamos a vida completa de Cristo e o Seu exemplo e nos concentrarmos apenas na parte do que Ele fez na cruz, nós não teremos uma vida cristã completa. Seremos crentes imaturos e não venceremos as tentações. Nós não temos uma fonte de energia dentro de nós mesmos para vencer o mundo. A força para superarmos os desejos mundanos é alcançada seguindo-se os passos do Senhor Jesus Cristo. E Ele deixou todo o Seu exemplo de vida escrito na Sua Palavra. Se O seguirmos, Ele nós dá a vitória que vence o mundo: a fé. 

O que faria Jesus em seus passos? Peça a Deus a graça para lembrar todo dia que a vitória sobre o pecado, sobre a dúvida e sobre o desânimo é uma dádiva exclusiva da pessoa e da obra de Jesus Cristo.

sexta-feira, 4 de março de 2011

Felizes São Os Mansos

Felizes os mansos, pois receberão o que Deus tem prometido. (Mt 5:5) 

Eu tinha uma aversão à palavra ‘manso’. Ela me fazia lembrar da época do meu último ano no ensino fundamental. Devido à má dicção, eu era um adolescente tímido, pois tinha dificuldade em pronunciar corretamente algumas palavras. Os colegas não deixavam de me zoar, principalmente quando estávamos em rodinha. Eles achavam engraçada a minha voz. 

Um certo dia, na aula de educação sexual, o professor me pediu para fazer uma apresentação sobre a lição aprendida. Eu estava indo mais ou menos bem na frente da sala até que chegou a hora de dizer a palavra ‘homosexual’. Simplesmente, eu não conseguia pronunciar essa palavra. Depois de tanto gaguejar, enfim pronunciei ‘homoxexel’. Para quê! Foi motivo de gargalhada da sala inteira, inclusive do professor. A partir daquele dia, os colegas começaram a me chamar de ‘homoxexel’. Essa atitude me irritava tanto que certa vez perdi a esportiva e comecei a esbravejar. Mas a cada vez que esbravejava, mais eles me chamavam de ‘homoxexel’. 

Chegava em casa chorando e contava isso para minha avô. Ela, com toda paciência, sempre dizia que eu deveria ser manso, porque Jesus disse que os mansos são felizes. Mas eu pensava comigo: como posso ser manso diante de tanta azucrinação que me deixa extremamente irritado? 

Numa manhã, minha avó leu esse trecho bíblico para mim e trouxe algumas reflexões que me ajudaram a olhar o mundo sob outra perspectiva. No Sermão da Montanha vemos Jesus explicar o seu verdadeiro propósito na terra. Para a decepção de muitos, ele não iria ser um rei terreno, conferindo poder e prestígio ao seu povo. Em vez disso, Jesus mostra que o plano de Deus para a humanidade inclui uma transformação interior, visando um reino eterno. Para preparar adequadamente a todos nós para este reino eterno, Jesus ensina que os valores terrenos devem ser substituídos pelos valores celestiais, e estes baseam se no amor e na misericórdia. 

É a misericórdia de Deus que transforma o nosso coração de pedra em coração de carne, tirando todo orgulho e presunção. É a humildade de Cristo que nos chama para um relacionamento saudável com o próximo e com ele. Para isso se tornar real, Jesus nos pede para aprendermos com Ele o que é ser manso e humilde de coração. Só assim encontraremos descanso para nossas almas. 

Isso não quer dizer que devemos jogar fora as virtudes como a coragem e entrepidez. Eu particularmente acho muito mais complicado aprender a ser manso e humilde do que aprender a ser ousado e corajoso, mas temos que colocar todas essas virtudes na balança e buscar um equilíbrio. É um equilíbrio difícil – mas necessário – se quisermos refletir Cristo a este mundo ferido. 

Existe alguma área na qual você precisa ser mais humilde e manso? Peça a Deus para lhe dar um coração como o de Jesus! Que sua alma seja restauranda sem que você perca a dignidade que Deus lhe deu. Seja feliz!

quarta-feira, 2 de março de 2011

Como Você Dá ‘Bom Dia’?

Quando alguém acorda um amigo de manhã bem cedo com um grito de ‘bom dia!’, o seu cumprimento soa como uma maldição. (Provérbios 27:14) Portanto, não digam palavras que fazem mal aos outros, mas usem apenas palavras boas, que ajudam os outros a crescer na fé e a conseguir o que necessitam, para que as coisas que vocês dizem façam bem aos que ouvem. (Efésios 4:29) 

Eu não gosto de levantar cedo, pois sempre vou dormir tarde e isso acaba por me segurar um pouco mais na cama. Uma certa vez eu estava em um retiro espiritual e um irmão brincalhão resolveu me despertar em uma madrugada. Então ele chegou perto dos meus ouvidos e bradou ‘Bom dia, Elbem!’ Eu não me lembro qual foi a minha resposta, mas tenho certeza que não foi boa. 

Eu respeito os que levam ao pé da letra o provérbio popular ‘Deus ajuda a quem cedo madruga’, mas fiquei encantado alguns meses depois quando descobri essa passagem de Provérbios 27:14. Eu imediatamente compartilhei com meu amigo a descoberta e nós dois chegamos à conclusão que Deus entende muito bem as pessoas que não gostam de levantar bem cedo. 

Evidentemente, esse texto bíblico diz respeito à sabedoria no falar. Provérbios traz mais uma vez o foco de volta para o poder que há em nossas palavras, quando nos relacionamos com as pessoas. A ilustração engraçada demonstra que precisamos de sabedoria para falar o que precisa ser falado, mas na hora certa. 

Nós devemos falar a verdade com espírito de amor, mas ainda assim, temos que escolher a hora certa. Mesmo a promessa confortante de Romanos 8:28 de que todas as coisas trabalham juntas para o bem daqueles que amam a Deus às vezes deve dar lugar ao luto, quando um diagnóstico de câncer é anunciado ou quando um ente querido morre. Esses são exemplos óbvios mas as situações mais sutis são inumeráveis. 

Nós devemos considerar o impacto de nossas palavras, sempre. A pessoa sábia entende que há momentos em que as palavras não resolvem, mas um simples gesto demonstra muito mais amor. Portanto, temos que reconhecer que uma palavra certa, dita na hora errada, pode muito bem ser maldição em vez de bênção. 

O que você tem falado? Você é um vizinho que grita ‘bom dia’? Vamos encorajar um ao outro com palavras saudáveis, ditas na hora certa. Não fale alto. Nosso objetivo não é impor nosso ponto de vista ou a nossa sabedoria, mas edificar uns aos outros com o amor de Cristo.