terça-feira, 4 de outubro de 2011

Workaholic

Não adianta trabalhar demais para ganhar o pão, levantando cedo e deitando tarde, pois é Deus quem dá o sustento aos que ele ama, mesmo quando estão dormindo. (Salmos 127:2)

Eu estava curiosamente observando o meu colega de trabalho. Ele só anda apressado, não para quieto na sua mesa, quer resolver tudo muito rápido. Às vezes, chega a levantar uma discussão acalorada a respeito de determinado assunto. Frequentemente, fica após o horário para despachar com o chefe. Ele é realmente muito empolgado para trabalhar! 

Existem pessoas que são extremamente dinâmicas e ativas. Elas acham o máximo realizar várias tarefas ao mesmo tempo. Gostam de ter uma agenda cheia, de ter contato com várias pessoas, de ter lugares diferentes para ir. Variedade é definitivamente o tempero da vida dessas pessoas e, sem isso, a vida vira um tédio. 

Uma vez, cheguei para esse meu colega e comecei a conversar sobre a vida. À medida que a conversa fluía, eu ia percebendo que, mesmo em férias, o meu colega não parava. Quando não tinha nada interessante para fazer, ele ficava entediado. Finalmente, percebi que ele não descansava, nem mesmo nos finais de semana. 

Segundo Amauri Nóbrega, workaholic é uma expressão americana que teve a sua origem na palavra alcoholic, que na sua tradução para o português quer dizer alcoólatra, ou seja, é a pessoa que é viciada em trabalho. Workaholic é a pessoa que tem jornadas diárias de mais de 12 horas, fim de semana com trabalho, falta de lazer, alimentação errada, falta de exercício, não tira férias, vive em fadiga permanente, etc. Você se identificou com alguns desses pontos? Se a resposta foi "sim" para um ou mais, você tem grande possibilidade de ser um.

Muitas vezes o workaholic diz que não é viciado em trabalho. Esse é outro perigo. Não aceitar que tem um vício é um dos maiores problemas do ser humano. Tenha cuidado, porque a linha que separa o trabalho duro, que faz parte de uma vida normal, e o workaholic, é tênue.

Comece a rever a sua agenda e suas atitudes. Assuma essa responsabilidade. Coloque a qualidade de vida em sua agenda diária. Saiba administrar a pressão do dia-a-dia. Aprenda a dizer “não”, mesmo que isso possa custar o seu emprego ou a sua comissão. Sim, é isso mesmo, se o seu chefe quer que trabalhe 15 horas por dia, ele não irá mudar. Crie alternativa e repense o seu emprego atual, ou até mesmo a sua carreira. Não espere chegar aos 50 anos, estar demitido e sem saúde para aceitar que tem um problema. Busque qualidade de vida hoje.

De maneira geral, não há nada de errado em ter uma vida bem ativa. Esse ritmo de vida começa a gerar problema para saúde física quando a pessoa passa dos limites. O problema se torna maior ainda, quando a pessoa passa a não ter tempo mais para se dedicar a Deus e aí prejudica-se também a saúde espiritual e compromete a vida eterna. 

O principal sintoma da doença espiritual é a falta de percepção da finalidade da vida. A grande maioria das pessoas não sabe o que veio fazer aqui na terra e então, depois de muito trabalhar, rico ou não, percebe que a vida não faz sentido.

Mas quando estamos perto do Senhor, aprendemos que a vida faz sentido. Que a luta do dia-a-dia não é correr atrás do vento. Aprendemos com o nosso Criador o que realmente ele quer de nós e para o quê nos criou. Quando ficamos quieto, podemos ver mais claramente o que Deus está tentando nos ensinar. No final, percebemos que a vida não é um tédio, mas é muito excitante e maravilhosa. 

Quanto mais dinâmico você é, mas você necessita de parar, descansar e ficar quieto para recuperar o seu fôlego. Eu conheço muitas pessoas dinâmicas que saem regularmente para um retiro pessoal e espiritual com Deus. Eles vão para uma fazenda, deitam-se numa rede e simplesmente descansam, observando a criação e louvando ao Criador. Se for o seu caso, faça o mesmo já. Seja feliz!