quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O Sete de Setembro

Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra. (2 Crônicas 7:14) 

A independência do Brasil aconteceu oficialmente em 7 de setembro de 1822, uma vez que nesse dia, às margens do riacho Ipiranga, em São Paulo, o Príncipe Regente D. Pedro teria proclamado o chamado "grito da Independência", à frente da sua escolta: "Independência ou Morte!" 

À semelhança do processo de independência de outros países latino-americanos, o de independência do Brasil preservou o status quo das elites agroexportadoras, que conservaram e ampliaram os seus privilégios políticos, econômicos e sociais. 

Ao contrário do que desejava José Bonifácio de Andrada e Silva, a escravidão foi mantida, assim como os latifúndios, a produção de gêneros primários voltada para a exportação e o modelo de governo monárquico. 

Para ser reconhecido oficialmente, o Brasil negociou com a Grã-Bretanha e aceitou pagar indenizações de 2 milhões de libras esterlinas a Portugal. A Grã-Bretanha saiu lucrando, dando início o endividamento externo do Brasil. Quando D. João VI retornou a Lisboa, por ordem das Cortes, levou todo o dinheiro que podia — calcula-se que 50 milhões de cruzados, apesar de ter deixado no Brasil a sua prataria e a enorme biblioteca, com obras raras que compõem hoje o acervo da Biblioteca Nacional. Em conseqüência da leva deste dinheiro para Portugal, o Banco do Brasil, fundado por D. João ainda 1808, veio a falir em 1829. 

Por possuir um povo corajoso e revolucionário, o nosso país se livrou heroicamente de Portugal. Entretanto, não conseguiu até hoje se livrar de muitos costumes que começaram na época que era colônia. 

Como se pode depreender da narrativa histórica, naquela época já se podia observar traços embrionários de corrupção praticada principalmente pelos governantes, visando atender aos interesses dos ricos. A corrupção (entende-se como qualquer crime, tais como extorsão, sonegação, tráfico de influência, etc.) traz um enorme prejuízo para a população pobre, pois suga desta classe o direito sagrado de usufruir das riquezas produzidas pela nação. 

Todos sabem que o Brasil é um país muitíssimo rico. Se a riqueza aqui produzida fosse bem administrada e distribuída com justiça social, o país não teria pessoas necessitadas e carentes. 

Com o tempo, ao invés de ser combatida, a corrupção tem se tornado um costume tão forte no nosso país a ponto de jornalistas estrangeiros fazerem declarações do tipo a seguir, publicada por Juan Arias no jornal espanhol El País, em 7.8.2011. 

“Que país é este que junta milhões numa marcha gay, outros milhões numa marcha evangélica, muitas centenas numa marcha a favor da maconha, mas que não se mobiliza contra a corrupção?” 

É triste ler isto, ainda mais quando escrito por um estrangeiro, que, com toda propriedade e elegância, pôs o dedo em uma ferida que nós brasileiros não queremos ver. Esse jornalista conhece bem o povo brasileiro e nós sabemos que ele disse a pura verdade. Precisamos urgentemente de um líder que conclame o povo a dizer em alto e bom som: “Basta de corrupção!” 

No contexto de 2 Crônicas 7, o sábio e grande rei Salomão, em nome da nação de Israel, havia feito um pacto de servir e adorar somente ao Deus Altíssimo. Deus correspondeu a esse pacto e, enquanto a nação permaneceu adorando e servindo ao Deus Altíssimo, ela foi uma nação poderosa, rica e invejada pelos povos vizinhos. 

Deus disse a Salomão que, se por acaso, o povo deixasse de cumprir o que havia sido pactuado, e que por causa disso Ele tivesse que fechar o céu e não deixar cair a chuva, ou ordenar aos gafanhotos que destruíssem as colheitas, ou mandar uma peste atacar o povo, bastava que o povo se arrependesse, abandonasse os seus pecados e orasse a Ele que, com a sua infinita misericórdia, os ouviria do céu, perdoaria os seus pecados e faria o país progredir de novo. 

O que o nosso Brasil precisa urgentemente é que abandonemos os pecados e voltemos para Deus, cumprindo os Seus mandamentos. Somente quando fizermos isso é que Ele intervirá e porá por terra as terríveis práticas de corrupção que assolam e destroem as riquezas dos pobres desta nação. Pense nisto!

7 comentários :

  1. Mais uma vez você conseguiu com propriedade tratar de um tema atual a ser conduzido na prática sob os olhos dos ensinamentos de Deus.
    Que Jesus Cristo derrame sempre suas bênçãos sobre você e sua família.
    Abraços, Andrea Couceiro.

    ResponderExcluir
  2. Leandro Roberto Silva07 setembro, 2011

    Difícil dizer!!! Alguns diriam alienados e sem cultura! Mas se formos observar talvez o famoso jeitinho brasileiro, que nada mais é uma ação revestida de atitudes nada éticas, está impregnado desde os mais humilhados até os mais soberbos e gananciosos... Os políticos saíram de nós mesmos, povo brasileiro, aprenderam aqui, no meio da massa, só viram que estando lá é mais fácil ainda... talvez inconscientemente não consigamos agir, uma pena!

    ResponderExcluir
  3. Realmente. A corrupção está impregnada no âmago de grande parte do povo brasileiro (quiça da maioria). Infelizmente!
    Somente Deus pode sarar esta nação, mas, para tanto, o seu povo tem que agir conforme o texto de II Crônicas 7:14.
    Muito boa a sua abordagem, meu irmão. Que o Senhor continue a lhe abençoar. Sempre

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado por seus devocionais, eles tem sido muito edificantes em minha vida.
    Que Nosso Senhor Jesus lhe de vida abundante, para continuarmos sendo abençoados por seus escritos.
    Edson
    1ª Igreja do Nazareno de Londrina

    ResponderExcluir
  5. Rosana Teixeira08 setembro, 2011

    A respeito do tema vem a lume a conhecida frase de Rui Barbosa: "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto." Nós cristãos temos um papel fundamental na mudança do Brasil. A honestidade e a honra devem ser elevadas, para que a frase de Rui Barbosa fique somente como uma remota lembrança..."

    ResponderExcluir
  6. Ednaldo Amaral08 setembro, 2011

    Um dos melhores devocionais que já li.
    Parabéns Elbão.
    Ed

    ResponderExcluir
  7. Eber, boa tarde meu irmao.
    Agradeco a meditacao sobre o dia da independencia e por sua abordagem historica da evolucao do pais.
    Concordo que o Brasil tenha que se abrir para deus e conhecer mais e mais as suas palavras, mas discordo que a atual situacao seja consequencia direta de nossos atos ou desobediencias, se fosse assim, ele teria feito que nos fossemos colonizados pela Inglaterra ou Holanda. E mesmo assim, veja o que aconteceu com a India e demais paises asiaticos colonizados...
    Considero que os Seus Planos estejam se cumprindo em sua totalidade para o Brasil e que nada que nos possamos fazer va alterar os Seus Desígnios.
    A nacao eleita e sacerdocio real ultrapassa nossas fronteiras de cor, raça e cultura. Prepare-se para morar na eternidade com nossos irmaos argentinos tambem. rsss.
    Que nos fortalecamos na Palavra de Deus e em Seu Amor na pessoa de jesus Cristo, Amem.
    Bom Dia da Independência.

    ResponderExcluir