quarta-feira, 6 de julho de 2011

Uma Fé Diet

A diferença clara que existe entre os filhos de Deus e os filhos do Diabo é esta: quem não faz o que é correto ou não ama o seu irmão não é filho de Deus. (1 João 3: 10)

Somos amigos inseparáveis de um casal muito gente fina. Fomos seus padrinhos de casamento. Durante os churrascos de fins de semana - e agora ultimamente no meio das semanas também -, eu brinco com os costumes engraçados deles. Ele é um carnívoro voraz; ela é uma vegetariana devota. Então, quando vou servir os pedaços saborosos de picanha, eu coloco uma folhinha de alecrim na travessa e digo assim: a carne é para ele; a folha de alecrim é para ela. Isso é motivo de muita risada e diversão... 

Mas eu acho que tem hora que eu passo dos limites. Creio que temos que respeitar a escolha e o hábito de cada pessoa. É claro que nas refeições que servimos sempre preparamos, além do churrasco, uma deliciosa e crocante salada para a minha afilhada. Afinal, ela merece!

Entretanto, se perguntarmos a qualquer nutricionista, eles dirão que ser vegetariano é uma boa opção para quem busca ter uma excelente saúde. Para quem sabe saborear a delícia de uma salada - de frutas ou de legumes -, o hábito de ser vegetariano é tão prazeroso quanto saborosa é a carne para o carnívoro. Eu acredito que Deus, na Sua sabedoria, criou o homem vegetariano, e este só veio a adquirir o hábito de comer carne após o dilúvio, tendo em vista a necessidade na época.

Particularmente, também acredito que o hábito vegetariano é mais saudável, embora eu seja carnívoro desde criancinha. Por ser este um costume familiar, há muitos anos tenho tentado inutilmente mudá-lo.

Não quero aqui criar partido para defender nem um, nem outro hábito. Porém, existe uma enorme e substancial diferença entre os dois: O vegetariano, por ingerir um alimento facilmente digerível, sente-se mais leve, mas precisa repetir a dose com mais frequência durante o dia para evitar a fome. Já o carnívoro se satisfaz com uma ou duas refeições diárias, tem uma digestão complicada e muitos deles precisam até da ajuda de um antiácido.

Comparando com a alimentação espiritual, eu pergunto: Qual é o seu hábito alimentar? Você tem uma alimentação saudável? Com que periodicidade você alimenta a sua alma da Palavra de Deus? Diariamente? Semanalmente? Mensalmente? Somente nas festas religiosas anuais? Ou quando já está quase morto de fome? Você se alimenta regularmente como um vegetariano? Ou é como o carnívoro que passa tempos e tempos tentando digerir o alimento e, às vezes, necessitando de um aconselhamento, de um antiácido?

Todos nós precisamos de uma boa alimentação para crescer na fé e ter boa saúde espiritual. Precisamos ser diferentes daqueles que ainda não temem a Deus. Não se engane: Deus quer que sejamos luz do mundo e sal da terra. Jesus disse: — Vocês são o sal para a humanidade; mas, se o sal perde o gosto, deixa de ser sal e não serve para mais nada. É jogado fora e pisado pelas pessoas que passam. (Mateus 5: 13)

Precisamos refletir uma boa e sincera saúde espiritual para as pessoas que nos rodeiam. Precisamos fazer o que é correto sob a perspectiva da Palavra de Deus. Precisamos amar as pessoas e levar a paz aonde há conflitos; a esperança aonde há desespero; o amor aonde há ódio! 


Convide seus amigos para juntos estudarem a Palavra de Deus na sua casa. Se você se ativer apenas ao sermão de domingo, e talvez nem a este, certamente você não estará bem preparado para todas essas tarefas cristãs. Então, negue-se a si mesmo e comece um relacionamento saudável com Deus e a Sua Palavra. Não precisa ser diet na vida cristã. Quanto mais alimentado da Palavra de Deus, melhor!