quarta-feira, 27 de julho de 2011

Crise Existencial

Não pode ser meu seguidor quem não estiver pronto para me acompanhar ou para morrer como eu vou morrer. (Lucas 14:27)

Morrer aqui significa renunciar os próprios desejos. Esse é o primeiro fruto de uma pessoa que verdadeiramente aceitou o Evangelho de Cristo. Esse ‘morrer’ é um ato diário. Se uma pessoa se diz cristã, mas não ‘morre’ diariamente, significa que ela está ‘em cima do muro’, ou seja, ela não sabe se é ou se não é um cristão. Ela está em crise existencial. 

Há alguns dias eu escrevi sobre as duas doutrinas: a do cristianismo e a do existencialismo. Não é possível seguir as duas ao mesmo tempo. Se tentarmos o impossível, entraremos em crise porque essas doutrinas chocam-se entre si.

A doutrina existencialista enfatiza a necessidade que o homem tem de se realizar em todas as áreas da vida para ser feliz. Pelo lado oposto, Jesus Cristo conclamou Seus seguidores para continuamente carregarem a própria cruz. E a cruz é essa, disse Jesus: — Quem quiser me acompanhar não pode ser meu seguidor se não me amar mais do que ama o seu pai, a sua mãe, a sua esposa, os seus filhos, os seus irmãos, as suas irmãs e até a si mesmo (v.26). Essa é a cruz que o cristão precisa carregar, e mais do que isso, precisa nela morrer diariamente.

Todo homem prefere seguir seus próprios desejos, seus próprios pensamentos. Isso é natural. Mas o cristão não é um homem natural e sim espiritual, pois nasceu de novo da água e do espírito. Por isso, Cristo o desafia a abrir mão dos seus desejos pessoais. Por que isso?

Existem dois provérbios de Salomão que reforçam a mesma coisa: Há caminhos que parecem certos, mas podem acabar levando para a morte. (Provérbios 14:12 e 16:25). Esses dois versículos têm as mesmas palavras. A ideia é repetida para ficar bem claro na mente humana a importância da mensagem.

A ilustração é a de uma viagem na qual o viajante imagina estar no caminho certo, que o levará ao objetivo almejado de sucesso e de felicidade. O pecado, muitas vezes, esconde seu caráter verdadeiro e encobre seu amargo fim. O viajante descobre, tarde demais, que o caminho fácil conduz à morte prematura. A sabedoria humana (insensatez) é o 'caminho da morte', aquele em que o indivíduo decide o que é certo sem se importar com os mandamentos de Deus. O caminho da vida é a obediência submissa à vontade do Senhor. Essa é a verdadeira sabedoria.(Provérbios 1:7; 9:10).

O conhecimento humano por si só não é suficiente para nortear os planos do homem, porque a sua vontade é subjugada pela natureza pecaminosa. Quando o coração do homem quer algo, ele é capaz de loucamente perseguir o alvo sem pensar nas consequências do ato. Ele simplesmente ignora se o alvo é pecaminoso ou não, pois está obstinado pela insensatez. 

Quando o homem pensa nas consequências que podem advir do seu pecado, ele o evita. Quando o evita, renuncia algo que seria bom sob a ótica da carne, mas terrível sob o ponto de vista espiritual. Quem pode fazer isso é somente o homem espiritual. O homem natural não está disposto a renunciar seus desejos porque ele não está debaixo da doutrina de Cristo, mas da doutrina existencialista. 

Quando se evita o pecado, o homem cresce espiritualmente, descobre o caminho certo, aproxima-se mais de Deus e goza ainda mais da alegria da Sua presença. A alegria de estar na presença de Deus é saber desfrutar corretamente de todas as coisas que foram criadas por Ele, sem deixar de colocar a Sua vontade em primeiro lugar. A maior alegria do homem não provém da procura pessoal de prazer e satisfação, mas de encontrar Deus e levar aos outros a felicidade que Deus dá. 

Como está a sua vida? Você está em crise existencial? Você já decidiu ser um autêntico seguidor de Cristo? Assegure-se de colocar o desejo de Cristo em primeiro lugar e então poderá ter muita coisa boa aqui e, por fim, o Céu também!