segunda-feira, 6 de junho de 2011

E Como Nascem Crianças!

O Filho brilha com o brilho da glória de Deus e é a perfeita semelhança do próprio Deus. Ele sustenta o Universo com a sua palavra poderosa. E, depois de ter purificado os seres humanos dos seus pecados, sentou-se no céu, do lado direito de Deus, o Todo-Poderoso. (Hebreus 1:3)

Uma vez um palestrante estava terminando de fazer uma palestra sobre salvação e uma senhora chegou para ele, devia ser exotérica, e ela disse para ele assim: – Não está escrito em sua Bíblia que é em Deus que nós vivemos, nos movemos e existimos? Aquele palestrante disse: – Está sim senhora.

Ela continuou: – Também não está escrito em sua Bíblia que todos nós pecamos? – Sim senhora, está escrito.

– E também não está escrito que Deus é santo? – Sim, senhora, Deus é Santo.

– Alguma coisa pode existir fora de Deus? O palestrante disse: – Não senhora, fora de Deus não existe nada. Deus é criador e sustentador de todas as coisas.

Ela disse: – Então como é que um Deus santo pode sustentar pecadores? A santidade de Deus não tinha que jogar os pecadores para fora? 

O palestrante disse: – Minha senhora, a senhora conhece alguém que já sofreu transplante? Ela disse: – Conheço.

– Mas quanto tempo a senhora conhece, só do coração, que é mais comum? Qual é o maior problema que alguém que sofre um transplante de coração tem? Ela disse: – O problema da rejeição.

– É por que se o organismo rejeitar o órgão alienígena, ele vai entrar em colapso e vai morrer. Não é isso? Ela falou: – É.

– E como é que faz para que o organismo não rejeite o coração estranho? Ela disse: – Medicação.

O palestrante respondeu: – Pois é minha senhora, entre nós e Deus também existe uma medicação. A senhora pode não ver, mas o sangue de Jesus Cristo faz a mediação entre nós e o nosso Deus. 

Isso é graça! Se você não souber disso, você não tem como louvar a Deus num mundo caído. Você não tem como louvar a Deus num mundo marcado pela violência, marcado pelas catástrofes e outras desgraças.

Deus é o supremo bem. Romper com Deus é assumir o mal. Por isso que a humanidade se tornou má. Donde vem a maldade no coração dos homens? Foi Adão e Eva - que eu chamo de humanidade - que trouxe a maldade para dentro de nós! O mal, antes da queda do Jardim do Éden, só existia na teoria. Por quê? Porque é assim: É como tese e antítese: Existia Deus, aí a antítese de Deus é o anti-Deus. Só que o anti-Deus não existia, não tinha se concretizado antes da queda. Só tinha Deus. Não tinha nada contra Deus.

Mas aí, as criaturas decidiram romper com Deus, começando com Satanás, que enganou Eva, que ofereceu o fruto proibido a Adão que deliberadamente o comeu. Quando as criaturas decidiram romper com Deus, ao que foi que elas finalmente deram vida ou existência? Ao mal. Sim porque se você rompe com Deus... 

Imagine que existisse somente uma senhora e o seu filho no Universo. Aquela senhora seria a encarnação de tudo o que é bom. E aí o filho um dia chegasse para ela, na adolescência, e dissesse assim: – Mãe, eu quero ser uma pessoa diferente de você... Qual era o único jeito de ele ser diferente daquela senhora? Ser o quê? Mau. 

Quando nós humanidade rompemos com Deus, o que foi que nós nos tornamos? Maus. Então tínhamos que ser aniquilados. Mas não fomos! Estamos aqui. A humanidade ainda existe e Deus não desistiu dela. A prova disso é que todo dia nascem crianças! E como nascem crianças! Isso acontece porque Deus, na sua infinita misericórdia, resolveu bancar e sustentar a nossa existência, apesar de toda maldade no mundo. Por isso, eu acredito num Deus bom!

Portanto, não são mensagens bonitas e palavras de otimismo que nos fazem acreditar em um Deus bom, porque, se for assim, certamente fraquejaremos quando porventura as coisas ruins vierem a acontecer conosco. Se você der ouvidos somente às palestras de auto-ajuda, às preleções de teologia da prosperidade e às palavras de efeitos que muitos líderes habilidosamente utilizam para arrancar aplausos das multidões, você corre sério risco de perder a sua fé no bom Deus. Nossa fé em Deus tem que estar fundamentada na Verdade, mesmo que ela doa. Pense nisso! 

Na próxima devocional vamos mostrar como somos dependentes de Deus. Não perca!


(*) Algumas partes do texto são adaptações das anotações de uma palestra do Pr. Ariovaldo Ramos.