sábado, 16 de abril de 2011

Os sete hábitos das pessoas espiritualmente eficazes

Os bons florescem como as palmeiras; eles crescem como os cedros dos montes Líbanos. Eles são como árvores plantadas na casa do Senhor, que florescem nos pátios do Templo do nosso Deus. Na velhice, eles ainda produzem frutos; são sempre fortes e cheios de vida. (Salmo 92:12-14)

A frase "começar com o final em mente" pode soar familiar para quem já leu o livro: "Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes". Segundo o livro, a frase é uma ótima resposta para a pergunta: "Onde eu quero chegar?" Antes de se começar qualquer projeto, é razoável que essa pergunta seja feita para que o foco seja ajustado, levando-se a trilhar o caminho correto, para que se produza uma ação efetiva e o alvo seja alcançado. O que está faltando no livro, no entanto, é a perspectiva de Deus, expressa no Salmo 92.

Se o seu alvo é somente material, o seu resultado pode ser a frustração, mesmo que você tenha trilhado corretamente o caminho traçado. As pessoas geralmente traçam seus objetivos de vida assim: eu quero ser bonito(a), eu quero ter coisas valiosas, eu quero ser um grande homem ou uma grande mulher. Todos querem ter muito tempo livre para lazer e cuidado da saúde. Nada de errado em buscar a felicidade, mas ocorre que sem Deus, a vida é retratada nas Escrituras como vazia, enganadora e sem sentido, porque os nossos sonhos brotam de um coração contaminado pelo pecado. Se quisermos ser espiritualmente eficazes na vida, temos que sonhar e começar a realizar nossos planos debaixo dos propósitos de Deus. Só assim podemos chegar à velhice produzindo bons frutos.

No Salmo 92, Deus mostra qual é a finalidade da vida e o que faz o homem feliz: "Ó Senhor Deus, os teus feitos poderosos me tornam feliz! Eu canto de alegria pelas coisas que fazes". "Os bons florescem como as palmeiras", ou seja, ele está cheio de vitalidade espiritual, mesmo no final da vida, quando a tentação de reclamar e de expressar o egoísmo é mais forte. Em vez de reclamar, os seus lábios estão cheios de louvor, declarando que Deus não foi injusto com ele.

As raízes de tal vigor da alma são tecidas ao longo dos versos anteriores desse Salmo, onde lemos sete hábitos de vida espiritualmente e verdadeiramente eficaz. São eles:

# 1 Dar graças a Deus – Ó Senhor Deus, como é bom dar-te graças! Como é bom cantar hinos em tua honra, ó Altíssimo! (v.1)

# 2 Falar do amor de Deus – Como é bom anunciar de manhã o teu amor e de noite, a tua fidelidade. (v.2) Para o homem justo, cada dia começa e termina com Deus, o que implica que Deus é o centro dos seus pensamentos durante todo o dia. O amor de Deus é expresso na sua promessa de salvação para todo homem. A fidelidade é o cumprimento da sua promessa expressa na morte do seu único filho, Jesus Cristo.

# 3 Cantar com alegria a Deus – Ó Senhor Deus, os teus feitos poderosos me tornam feliz! Eu canto de alegria pelas coisas que fazes. (v.4)

# 4 Procurar saber mais de Deus – Que grandes coisas tens feito, ó Senhor! Como é difícil entender os teus pensamentos! (v.5) Significa não ter uma visão superficial e pragmática de Deus. Não o vê apenas como um meio para conseguir outras coisas.

# 5 Reconhecer a transcendência de Deus – Pois tu, ó Senhor, estás para sempre acima de tudo e de todos. (v.8) Deus está acima de todas as suas criaturas. O justo percebe que o homem não é igual a Deus.

# 6 Descansar em Deus – Nós sabemos que os teus inimigos morrerão e que todos os maus serão derrotados. (v.9) Deus terá a palavra final sobre todos os males e injustiças. Ele tratará com justiça os inimigos da justiça.

# 7 Depender continuamente de Deus – Tu me tens tornado forte como um touro selvagem e me tens abençoado com a felicidade. (v.10)

Talvez você conheça um crente idoso que incorpora estes sete hábitos. Eu conheci o diácono João Sabino, um homem de Deus. Antes da sua morte, já de idade avançada, eu o visitei. Ele estava em uma cama de hospital e com graves problemas de saúde. Mas, durante a nossa visita, ele falou não sobre a sua dor e sobre seu prazer em ler as verdades da Bíblia. Ele me perguntou sobre minha família, meu trabalho, e que eu venho lendo e aprendendo. Ele falou de diversos hinos e canções que sempre cantava ao longo do dia. Lembramos das suas gargalhadas. Sua oração no final de nossa conversa foi cheia de gratidão e louvor ao Senhor, evidenciando um conhecimento pessoal e uma profunda confiança em Deus. Enquanto eu escutava, eu pensei comigo mesmo: este homem é o Salmo 92 em pessoa. Em vez de abençoá-lo, eu é que saí abençoado, pois ali estava uma pessoa que, pela graça de Deus, aprendeu a praticar os hábitos de uma vida espiritualmente eficaz e ainda na velhice produzia frutos.

Reflita comigo: estamos praticando regularmente os sete hábitos do Salmo 92? Como vivo hoje, vou passar o restante da minha vida nesta terra com vitalidade espiritual florescendo como as palmeiras? Se não, onde está o problema?