domingo, 31 de outubro de 2010

Should we Beware of Halloween?

There are some Christians who believe Halloween activities are harmless and innocent fun for their children. What they may not know is its roots are firmly planted in paganism and occultism. In ancient Britain and Ireland, the Celtic festival of Samhain (the Lord of the Dead) was observed on Oct. 31. Huge bonfires were set to attract evil spirits and keep them away from homes. The souls of the dead were said to revisit their homes along with all kinds of demons, witches, and sinister characters. The Druids at Stonehenge in England performed mass human sacrifices. The Celts believed that by watching the victims die in the fire, they would be able to see signs of the future.

The ancient symbol of the jack-o-lantern actually represents a damned soul. It was named after a notorious man named Jack, who supposedly tricked the devil after making a binding contract with him.

How did the Roman Catholic Church come to accept such a day so rooted in paganism? It comes on the eve of The Catholic Church's All Saint's Day (Nov. 1), a day Rome established as a counter holiday to Halloween. As the Catholic Church absorbed the Celts into the Church, they were allowed to bring in all their pagan customs and traditions.

Today Halloween is the highest of all celebrations for Satan worshippers, witches and the occult. Christians need to be warned so they can take heed and obey the Word of God. The apostle Paul wrote, "Take no part in the unfruitful works of darkness, but instead expose them" (Eph. 5:11). "Abstain from all appearances of evil" (1 Thes. 5:22). "Whatever you do, do all to the glory of God" (1 Corinthians 10:31).

sábado, 30 de outubro de 2010

Você tem talento! Use-o para Deus!

"Irmãos, reparai, pois, na vossa vocação; visto que não foram chamados muitos sábios segundo a carne, nem muitos poderosos, nem muitos de nobre nascimento; pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus." (I Cor. 1: 26-29)

Deus pode inspirar você em tudo o que fizer! Seja o que for, você pode fazer no Espírito! E Ele pode tornar cada tarefa, seja ela qual for, uma coisa magnífica! Mesmo que você não tenha muito talento ou experiência, Deus pode usar você!

Na realidade, é normalmente assim que o Senhor trabalha: Ele pega as coisas fracas para confundir as fortes e as pessoas que realmente não são as melhores, segundo os padrões do mundo, para poder mostrar o que Ele pode fazer! E muito embora você talvez não seja o melhor aos olhos do mundo, aos olhos do Senhor você é o melhor porque esta servindo-O e obedecendo-Lhe! Além disso, Ele pode fortalecê-lo quando você está fraco para mostrar que é a força d'Ele e o Seu poder milagroso que opera! "Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós." (2 Cor. 4:7)

Mas antes de o Senhor fazer grandes milagres na sua vida e no seu ministério, você tem que perceber que não é uma coisa que vem de você, mas um dom d'Ele! O que faz você realmente grande é a grandeza que Deus lhe dá, o espírito, a inspiração! É o Senhor que está por detrás de tudo! Por detrás, por cima, por baixo e de todos os lados! Ele faz tudo através de você! Quando você reconhece isto e o admite diante de outras pessoas, então Ele pode mostrar as grandes coisas que pode fazer!

Portanto, toda a vocação é nobre quando nobremente exercida para a glória de Deus! Qual é o seu talento?

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Brincar ou não no Halloween?

Dia 31 de outubro é a data que se comemora o Halloween. Estamos diante de uma incógnita. Devemos ou não permitir que nossos filhos participem da Festa de Halloween? Afinal, o que é Festa de Halloween ou Dia das Bruxas?

“Os celtas acreditavam que na noite de 31 de outubro as leis do tempo e do espaço eram suspensas. Nesta data comemorava-se o ano novo dos feiticeiros. Por causa disto, os espíritos vagavam soltos e os mortos visitavam seus antigos lares para exigirem comida. Havia também no fim de outubro o festival da colheita, conhecido como "Samhain", também chamado de "O Senhor dos mortos", onde se faziam grandes fogueiras para assustar os espíritos. Para que estes fossem embora, as pessoas saiam pelas ruas carregando velas acesas e nabos esculpidos com rostos humanos, vestidos de modo mais assustador possível. Nos Estados Unidos o Halloween chegou no século 19, e o nabo foi substituído pela abóbora, fruto mais comum que o primeiro. Tanto o nabo quanto a abóbora são símbolos de imortalidade e juntando-se ao preto que significa a morte em muitas culturas, fazem o par perfeito para o ritualismo macabro e demoníaco. Na década de 20 a antiga tradição virou brincadeira e hoje é uma das principais festas do país. Crianças saem fantasiadas pelas ruas batendo nas portas, dizendo "trick or treat" literalmente travessuras ou bons tratos, para ganhar doces, tudo isto nos dia das bruxas.”

Não há dúvida de que a origem do Halloween é atribuída a crenças e rituais pagãos. Grupos satânicos estão ligados ao significado do Dia das Bruxas e celebra-os como um feriado especial. Muitos cristãos, principalmente nos países nórdicos, ainda diferem-se em seus pontos de vista se devem ou não participar das celebrações do Dia das Bruxas. Certamente, os cristãos não devem participar do "lado negro" de Halloween – lado que aprova o satânismo ou tem o foco na morte, no paganismo e no mal. Em vez disso, devem ter o coração grato a Deus pela provisão dada mediante uma boa colheita de alimentos ou modernamente falando, pela prosperidade material.

Na realidade, para muitas crianças, participar do Halloween significa diversão. Muitos pais dizem que o Halloween não tem qualquer ligação com práticas ocultistas e pagãs. Eu particularmente tenho muita dificuldade em dizer que não há nada de errado nisso.

Mas devemos ser sensatos. Vejamos o exemplo: Nós sabemos a verdadeira origem do Natal. Sabemos também que para muitas pessoas, o Natal é um feriado não-religioso. Cada pessoa dá ao Natal o seu próprio significado, independentemente de sua origem. Eu nunca diria que todos os que comemoram o Natal são seguidores de Cristo ou honram a Deus. O Dia das Bruxas, creio eu, é semelhante. As pessoas dão ao Halloween seus próprios significados, independentemente de suas origens. Logo, não é porque elas participam do Halloween, que significa necessariamente que estão promovendo ou incentivando práticas ocultistas e crenças pagãs.

Qualquer que for a sua convicção sobre o Halloween, eu pergunto: será que Deus está sendo glorificado com a participação de um crente nessa festa?

Pelo jeito, os cristãos estão diante de dois caminhos que podem levar a extremos: isolar-se completamente e não participar do que ‘rola’ na comunidade ou mergulhar-se totalmente nas práticas culturais sem qualquer discernimento. Isso vale para qualquer festa pagã. Temos que ser sensatos e não deixarmos que os extremos venham destruir a obra de Deus na nossa vida. Analise você mesmo: O que você acha de um crente em Jesus Cristo participar do Halloween?

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Vote com responsabilidade

Isaías 10:1 - Ai dos que decretam leis injustas, e dos escrivães que prescrevem opressão.

Hoje em dia, é muito comum ouvirmos falar de pessoas que entram na política só pensando em tirar proveito. A Bíblia condena os que fazem leis em benefício próprio, e os que governam sem se ocupar da justiça que o povo merece: “Ai daqueles que fazem leis injustas, que escrevem decretos opressores, para privar os pobres dos seus direitos e da justiça os oprimidos de meu povo”... (Isaías 10:1-2).

As leis e os governos são necessários. Eles foram idealizados para garantir harmonia e equilíbrio na vida em sociedade. Quando os governantes se esquecem disso e aprovam leis ou governam apenas para o benefício de algumas classes e partidos, em detrimento da sociedade em geral, estabelece-se o reino da injustiça. Ao proclamar o “ai” dos legisladores injustos, Isaías garante que, de uma forma ou de outra, o Senhor punirá os opressores do povo.

Diante deste quadro, cabe aos cristãos fazer duas coisas. Primeiro, cabe-nos orar pelas autoridades, pedindo ao Senhor que lhes dê visão pública e coragem para fazer o bem. Em segundo lugar, cabe-nos eleger governantes conhecidos e reconhecidos pelo respeito à causa pública. Uma vez eleitos, cabe-nos ainda acompanhar seus passos e a qualidade social dos seus projetos.

Por fim, cabe-nos não mais votar naqueles que reconhecidamente deram maus exemplos. Aqueles que provarem ser bons, podem e devem ser reeleitos. Sob este ângulo, o Senhor usa o nosso voto como castigo ou como prêmio dos governantes.

Por isso, ai dos governantes e legisladores injustos. E também, ai dos eleitores negligentes. Exerça seu direito com dignidade e responsabilidade!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Ele não se esquece de nós

Eu ouço as igrejas cantando a canção “Eu Te agradeço Deus, por se lembrar de mim...”. A melodia é linda, mas a letra parece não estar muito dentro da Palavra de Deus. Com todo respeito que tenho ao autor da música e à sua liberdade de criar, quero expressar o que sinto, quando dizem por aí que “Deus se lembra de mim”. Lembrar significa trazer à memória algo que havia sido esquecido.

Primeiramente, Deus não perde a memória. NEle reside o compromisso de não deixar para trás a sua aliança e as promessas assumidas com seu povo: “dá sustento aos que o temem; lembrar-se-á sempre da sua aliança”. (Salmos 111:5)

Em segundo lugar, a fidelidade do Senhor está refletida na história de homens e mulheres que experimentaram providência, livramento, resposta às suas orações, milagres e a presença dos céus sempre oportuna em circunstâncias inesperadas. Deus não se esqueceu de cuidar de José, o sonhador. Quem pode negar o amor divinal para com Davi, o filho de Jessé? Quem pode dizer que os caminhos de Deus não foram surpreendentes na vida de Rute? Como dizer que Deus esteve longe da rainha Ester?

Certamente, o nosso coração pode permanecer seguro e tranqüilo e a nossa mente pode experimentar a serenidade e a paz. O nosso corpo pode sentir o alívio e a ternura vindas das mãos dAquele que está ao nosso lado até “a consumação dos séculos”. Deus é companhia que nutre, edifica, encoraja e alimenta. Mesmo nas enfermidades e nas perdas, seu cuidado é real.

Se é assim, devemos nos colocar na presença do Senhor e confiar nEle. Sabemos que não há lugar melhor para descansar e sentir-nos encorajado. Em todo o tempo, Deus não precisa lembrar de nós, pois nunca nos apagou da memória.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Peregrinação

Quando estava ali no Egito, observando aquele deserto por onde Israel peregrinou 40 anos, entre vales e montes, pude meditar bastante sobre esse episódio que tanto marcou aquele povo.

A jornada do deserto, uma caminhada de quarenta anos, podia ter sido feita a pé em alguns dias; foi tempo demais, porém necessário para que o duro entendimento do homem pudesse esquecer as cebolas do Egito e desfrutar Leite e Mel de Canaã. Em quarenta anos Israel murmurava e perguntava: "E agora Senhor, exército por traz, montanhas ao lado, mar pela frente?".

Na Bíblia, 40 anos é preparo de Deus, presença, revelação e poder. Já 40 dias é fortalecimento de Jesus no deserto, tempo de Deus com Moisés no Sinai, tempo de transformação dos discípulos após a ressurreição. Tempo de orar e jejuar, tempo para mudar como Jonas em Nínive. Em minutos, um ou quarenta anos, perde-se a vida, ganha-se a eternidade, perde-se a moral, conclui-se a vitória; declara-se um grande amor, diz-se um sim, ou um não. Em segundos, abre-se um sorriso ou inicia-se um tempo de dor.

Sejam quarenta anos, dias ou minutos, queridos, precisamos lembrar o vislumbre e as vicissitudes da eterna Canaã. Como Josué e Caleb, somos convidados a não desanimar, pois até aqui nos ajudou o Senhor. Vindos do deserto ou ainda nele, possamos trazer no peito a frase: "caminho e combato o bom combate, estou guardando a fé...". Que visão você tem do seu deserto e que expectação da glória cativa o seu coração na luta do sobreviver?

Que não se precise de 40 anos para se curvar, mesmo quarenta dias, nem mesmo um minuto. Reconheçamos que bebemos da água da Rocha, sobrevivemos ao deserto abrasador, vimos a coluna de fogo, comemos do maná do céu, as nuvens nas mais diversas formas nos guardaram, atravessamos o mar com pés secos. Aceitamos o que Paulo diz: Quem era a Rocha da qual a água veio? Quem era a coluna de fogo? o maná? a serpente de metal? Tudo que Deus fez por Israel foi através de Jesus! Isto mesmo - Jesus foi cada uma destas dádivas!

"Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar... e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a Pedra era Cristo", (I Coríntios. 10:1-4).

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

A porta que Deus abre ninguém pode fechar

Apocalipse 3:8 - Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome.
De acordo com o Apocalipse, não existe sorte ou acaso. O que existe é a soberania de Cristo: “ Eis que coloquei diante de ti uma porta aberta que ninguém pode fechar”.
O Conceito de sorte, azar, coincidência, acaso ou destino – este conceito é tão comum entre nós, é tão usado em nosso vocabulário de todos os dias, que muitos cristãos acabam acreditando nele.
Cristãos não têm sorte ou azar – o que cristãos têm é a soberania e a providência divina, revelada em Cristo. Ou o Senhor causa ou o Senhor permite. Em ambos os casos, é a vontade Dele que se cumpre. E, em todos os casos, a vontade Dele é amorosa e para nosso bem.
Nem sempre entendemos porque o Senhor abriu a porta pela qual estamos entrando. Mas, se vivemos pela fé, esta será a melhor porta. Porque “Eu sou aquele que abre”.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Aceitação

Vamos falar sobre aceitação. Se você está sofrendo neste momento por qualquer motivo na sua vida, acredite, você não está aceitando e está agarrado em algo que não existe mais: alguém que morreu, a grana que sua família perdeu, seu ex emprego, seu ex amor, seu antigo corpo, sua juventude passada etc., etc. Mas veja: aceitação é bem diferente de conformismo.

Uma das lições mais difíceis que precisamos aprender durante nossa vida é a aceitação. O que quer que estejamos vivendo, por mais doloroso que seja, será mais facilmente suportado se conseguirmos aceitá-lo com todo o nosso coração.

Mas, chegar a este estágio, não é algo que aconteça repentinamente, ou sem alguma resistência de nossa parte. Ao contrário, quando um acontecimento nos causa grande sofrimento, tendemos a rejeitá-lo com todas as forças e a sermos invadidos pelos sentimentos de inconformismo e revolta.

Somente quando conseguimos alcançar um estado de consciência no qual percebemos de modo claro 'que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados segundo o Seu propósito' Rm 8:28, porque constituem lições essenciais ao nosso crescimento espiritual, é que o processo da aceitação começa a se tornar natural.

Até que isto aconteça, experimentamos inúmeras crises que, em sua maioria, tornam ainda mais duras as provas que temos de enfrentar. A maturidade e a sabedoria trazem consigo o precioso dom da aceitação. A partir do momento em que as desenvolvemos, a vida se torna um caminhar mais tranqüilo, onde vamos enxergando em cada fato uma lição a ser aprendida.

Quanto mais cedo chegarmos a este entendimento, maiores serão as chances de nos libertarmos da angústia e do inconformismo.