segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

O poder de Deus nos aperfeiçoa e a Sua graça nos basta!

Paulo muito batalhou, enquanto pode, para ficar livre do seu “espinho” na carne. Após explicar ao Apóstolo que o essencial para a vida dele não era livrar-se da provação, mas agarrar-se à graça divina, o Senhor disse: "a minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza." E Paulo prontamente respondeu: "De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo." (II Coríntios 12:9) 

A graça divina deveria ser suficiente para nós. Quando, porém, insistimos em cultivar necessidades pessoais não essenciais, a graça não nos basta. Aí, fazemos como Paulo, antes da sua compreensão: oramos, oramos e oramos, pedindo coisas que interferem na estratégia divina para o nosso desenvolvimento cristão.

Espinhos, quaisquer que eles sejam, quando permitidos pelo Senhor, são instrumentos poderosos para a nossa santificação. Temos todo o direito de lutar com o Senhor, pedindo que nos livre da provação: entretanto, não aceitar a graça providencial que o Senhor nos outorga, como resultado do exercício da provação, é não entender a graça. A graça que basta.

Por Olavo Feijó