terça-feira, 21 de dezembro de 2010

A humildade do Ser Humano

“Tenham entre vocês o mesmo modo de pensar que Cristo Jesus tinha: Ele tinha a natureza de Deus, mas não tentou ficar igual a Deus. Pelo contrário, ele abriu mão de tudo o que era seu e tomou a natureza de servo, tornando-se assim igual aos seres humanos. E, vivendo a vida comum de um ser humano.” (Filipenses 2:5-7) 

Eu não sou muito fã da forma como o mundo comemora o Natal. Da mesma maneira, não gosto muito dos ‘jingles’ que sempre ouço nas lojas e nas propagandas nos dias em que se aproxima o Natal. Mas, tenho algumas exceções quando as letras vão além do "tudo que eu quero no Natal é um presente do Papai Noel” e outras baboseiras. Temos muitas canções lindas que são tocadas e cantadas nessa época, mas há sempre espaço para uma reflexão ponderada sobre canções que expressam o verdadeiro sentido do Natal. Leia esta que acabei de compor "Bem-vindo ao nosso mundo": 

Espero que não se importe com a manjedoura 
Não é como eu queria Te conhecer 
Mais que muito tempo eu Te aguardo ó meu Rei 
Sinta-se em casa ó Deus 
Sinta por favor 

Frágil o bebê enviado pra curar 
Mas com a testa preparada pra sangrar 
O Seu forte coração cujo sangue salvará 
Nasce em nós ó bebê 
Nasce em nós Senhor 

Envolve-se ó Santo com a carne humana 
Venha respirar o ar que se reclama 
Lave então os pecados 
De nós seres tão imundos 
Ó perfeito Deus 
Bem-vindo ao nosso mundo.

Como se vê, algumas canções de Natal têm o foco na verdadeira alegria que essa época deveria representar para nós cristãos. É um momento alegre, cultural e espiritual, sem dúvida, mas às vezes é preciso ver o Natal ou a Encarnação de uma perspectiva diferente, isto é, do ponto de vista do céu. 

Do ponto de vista de Deus, como você acha que foi ver o Seu Filho tornar-se humano? Para dizer o mínimo, isso foi um enorme rebaixamento. A Encarnação começou com um ato de submissão e humildade da parte do Filho Jesus Cristo. O Criador-Filho concordou em se tornar uma das Suas criaturas, com sangue, suor e lágrimas. A partir da perspectiva celeste, a Encarnação foi um momento de tristeza! Uma parte da Divindade separou-se fisicamente do Pai. A canções do Natal deveriam expressar não só sinais de uma chegada de alguém especial em nosso mundo, mas também sinais de uma partida desse alguém, ainda que breve, para fora de um mundo de glória. 

Foi aí que Jesus demonstrou humildade! Isso é apenas uma das razões porque a Encarnação deve inspirar temor dentro de nós. Sim, a Encarnação oferece à humanidade um Ser celestial, mas a Encarnação também tornou necessário o sacrifício desse Ser celestial, de uma maneira que não podemos descrever. E olha que, acima de tudo, isso aconteceu antes da grande vergonha da cruz. 

O escritor Thomas Watson meditou sobre a humildade de Cristo com estas palavras: 

"Ele não veio na majestade de um rei, com um guarda-costas, mas ele veio pobre e desprezado. Não como o herdeiro dos céus, mas como um ser humano qualquer. O lugar que ele nasceu era pobre, não esplendoroso. Não nasceu na cidade de Jerusalém, capital, mas Belém, um lugar pobre, cidade obscura. Ele nasceu em uma hospedaria e uma manjedoura foi o seu berço, as teias de aranhas as suas cortinas, os animais os seus companheiros, ele nasceu de pais pobres... Ele era pobre, mas ele pode fazer-nos ricos... Ele foi colocado na manjedoura para que possamos ser colocados no Paraíso. Ele desceu do céu, para levar-nos para o céu." 

Agora reflita um pouco: Como você considera a alegria que o mundo expressa nesta época natalícia? Será que a nossa alegria, como Cristãos, deveria ser quando desembrulhamos um presente, ou comemos e bebemos regaladamente? Qual é o significado que damos para esse Advento?

A nossa alegria deveria ser espiritual, pelo primeiro sacrifício de Cristo! Portanto, tenha uma Feliz Encarnação!