segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Esperando em Deus

"…o Senhor […] é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça…" (2 Pedro 3:9)

Estávamos no ônibus que nos transportava dentro do aeroporto para pegar o voo de conexão, quando o motorista recebeu a ordem de “não sair do lugar”. Aparentemente, perderíamos o voo, e um dos passageiros se enfureceu. Gritou com o motorista, exigindo que ele não cumprisse a ordem recebida ou “correria o risco de ser processado”. Naquele instante, um funcionário da empresa aérea veio correndo a toda velocidade, carregando uma maleta. Olhando para o passageiro furioso, ele lhe entregou a maleta com ar de triunfo. E disse tão logo conseguiu recuperar o fôlego: “O senhor esqueceu sua maleta. Ouvi o senhor mencionar que sua reunião era muito importante, e imaginei que fosse necessitar desta maleta.”


Às vezes, sinto-me impaciente com Deus, principalmente a respeito de Sua volta. E questiono: O que Ele está esperando? As tragédias ao redor, o sofrimento de quem amamos e até os estresses do dia a dia parecem maiores do que a distância entre a terra e o céu.

Então alguém me conta que acabou de conhecer Jesus ou descubro que Deus ainda trabalha em meio ao caos. E lembro-me do que aprendi naquele ônibus do aeroporto. Há histórias e detalhes que Deus conhece, e eu não. Isso me lembra de confiar nele e que a história não gira ao meu redor, pois é parte do plano de Deus dar tempo a quem ainda não conhece o Seu Filho (2 Pedro 3:9). — Randy Kilgore

Enquanto aguardamos a volta de Jesus, sejamos testemunhas dele.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Quer saber a vontade de Deus para a sua vida?

Observe os quatro círculos abaixo:



Círculo 1: Mandamentos negativos - A Palavra de Deus cita algumas proibições tais como: não matar, não furtar, não adulterar, etc... Estes mandamentos não podem ser transgredido por alguém que queira estar dentro da vontade Deus;

Círculo 2: Mandamentos positivos - São mandamentos que devem obrigatoriamente ser seguidos, tais como: amar a Deus sobre todas as coisas, amar o próximo como a si mesmo, fazer o bem aos seus inimigos, respeitar as leis da sociedade, submeter-se às autoridades, etc.;

Círculo 3: Liberdade cristã - Você pode praticar qualquer atitude lícita contra as quais não há proibição nas leis terrenas. Entretanto, nem todas essas atitudes convêm à pessoa que queira andar na vontade de Deus, pois têm motivações não cristãs, tais como: beber bebidas alcoólicas, fumar, ingerir drogas, abortar e tudo que não faz bem ao corpo que é o santuário do Espírito Santo. Também não convém ao cristão provocar invejas, ciúmes, discórdias, frequentar lugares onde Deus certamente não está, e outras coisas semelhantes, e;

Círculo 4: Indiferente para Deus - Neste círculo maior estão incluídas todas as atitudes que não se enquadram nos demais círculos. Estas atitudes são indiferentes para Deus. Normalmente se encaixam aqui os sonhos e desejos que dependem tão somente da sua fé e determinação para realiza-los, tais como: formar nesta ou naquela faculdade, morar neste ou naquele país, trabalhar neste ou naquele emprego, comprar esta ou aquela casa, etc. Entretanto, antes de praticar estas atitudes de realização dos desejos, o cristão deve responder mentalmente às seguintes questões: É benéfico para mim? É não escravizante? É útil para os meus familiares e próximos? Não me afastará daqueles a quem eu amo? Glorifica a Deus? Não me afastará da comunhão com os irmãos na fé? etc...

Siga esses passos e certamente você estará dentro da vontade de Deus.

domingo, 2 de dezembro de 2018

O culto que agrada a Deus

"…apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional." (Romanos 12:1)

Você já questionou qual é o culto que agrada a Deus? Aquele mais longo, mais curto, mais barulhento, mais silente? Tudo isso tem a ver com o que nos agrada e, muitas vezes, dizemos que é isso que agrada a Deus.

Paulo “coloca o dedo na ferida” quando declara que precisamos prestar um culto racional, lógico (como diz no grego), ou seja, um culto que tem sentido. Se há algo que não faz sentido é uma igreja que se reúne para adorar e depois cada um vai cuidar da sua vida, ficando o reino de Deus esquecido.

O culto em Israel era marcado pelo sacrifício de animais, para perdão dos pecados. Jesus é o Cordeiro que foi sacrificado para nos purificar de nossos pecados. Por isso, o sacrifício que prestamos, como Paulo ensina, é vivo e santo na forma de uma vida totalmente consagrada ao Senhor.

Paulo continua sua súplica (“rogo-vos”) dizendo “não se amoldem” a este século. Não devemos compactuar com o modo de pensar próprio da cultura e dos costumes comuns aos homens. Somos semelhantes a qualquer ser humano, exceto pelo fato de que abraçamos os valores de Jesus. Permitamos que a mente renovada pelo lavar da Palavra nos confira os padrões que Cristo dá.

Todos que agem assim experimentam a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. O Senhor tem prazer em revelar Sua vontade para todos os que o temem (Salmo 25:12) e o adoram verdadeiramente. — Juarez Marcondes Filho

"Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra…" (Colossenses 3:2)

sábado, 24 de novembro de 2018

Nosso estilo de vida

"…somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou…" (Efésios 2:10)

Fiquei impressionado com uma frase que ouvi ser citada de uma tradução contemporânea da Bíblia. Ao pesquisar a frase “nosso estilo de vida” para localizar a passagem, os resultados enfatizavam algo que as pessoas sentiam estar ameaçando seu modo de vida esperado. Destacavam-se entre as ameaças percebidas: as alterações climáticas, o terrorismo e as políticas governamentais.
Qual é, realmente, o nosso estilo de vida como seguidores de Jesus? — questionei. É o que nos deixa confortáveis, seguros e felizes ou é algo mais?

Paulo lembrou aos cristãos de Éfeso a maneira notável como Deus havia transformado a vida deles: “…Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, — pela graça sois salvos” (Efésios 2:4,5). O resultado é que somos “criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas” (v.10).

Fazer boas obras, ajudar os outros, doar, amar e servir em nome de Jesus — esse deve ser o nosso estilo de vida. Essas não são atividades opcionais para os cristãos, mas a exata razão pela qual Deus nos deu vida em Cristo. Não são a causa da nossa salvação, mas a consequência dela.

Neste mundo repleto de mudanças, Deus nos chamou e nos capacitou para buscarmos uma vida que abençoa os outros e o honra. — David C. McCasland

"…brilhe […] a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus." (Mateus 5:16)