segunda-feira, 27 de março de 2017

Fome e sede de justiça

"Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça." (Mateus 5:6)

Justiça é santidade, semelhança com Deus; e “Deus é amor” (1 João 4:16). É conformidade com a lei de Deus; pois “todos os Teus mandamentos são justiça” (Salmos 119:172); e o “cumprimento da lei é o amor” (Romanos 13:10). Justiça é amor, e o amor é a luz e a vida de Deus. A justiça de Deus se acha concretizada em Cristo. Recebemos a justiça recebendo-o a Ele.

Não é por meio de duras lutas ou trabalho exaustivo, nem de dádivas ou sacrifícios, que alcançamos a justiça; ela é, porém, gratuitamente dada a toda pessoa que dela tem fome e sede. “Ah! Todos vós, os que tendes sede, vinde às águas; e vós, os que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei; […] sem dinheiro e sem preço.” “O seu direito que de Mim procede, diz o Senhor” e “este será o nome com que o nomearão: O Senhor Justiça Nossa” (Isaías 55:1; 54:17; Jeremias 23:6).

Nenhum agente humano pode suprir aquilo que satisfará a fome e a sede espiritual. No entanto, Jesus diz: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo” (Apocalipse 3:20). […]

Assim como precisamos de alimento para sustentar nossas forças físicas, também necessitamos de Cristo, o pão do Céu, para manter a vida espiritual e comunicar forças para efetuar as obras de Deus. Assim como o corpo está continuamente recebendo a nutrição que sustém a vida e o vigor, também a alma deve estar constantemente comungando com Cristo, a Ele submissa, e confiando inteiramente nEle. […]

Ao entendermos a perfeição do caráter de nosso Salvador, desejaremos ser inteiramente transformados e renovados à imagem de Sua pureza. Quanto mais conhecermos a Deus, mais elevado será nosso ideal de caráter, e mais veemente o nosso anseio de lhe refletir a imagem. Um elemento divino combina-se com o humano, quando a alma se dilata, em busca de Deus, e o anelante coração pode exclamar: “Somente em Deus, ó minha alma, espera silenciosa, porque dEle vem a minha esperança” (Salmos 62:5).

Se você experimenta um sentimento de necessidade em seu coração, se tem fome e sede de justiça, isso é prova de que Cristo tem operado em seu coração.

segunda-feira, 13 de março de 2017

O que Deus pode fazer com você

"Acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos." (Atos 2:47)

Não havia, nos apóstolos de nosso Senhor, coisa alguma que lhes trouxesse glória. Era evidente que o êxito de seus esforços se devia unicamente a Deus. A vida dessas pessoas, o caráter transformado e a poderosa obra por Deus operada por intermédio delas são testemunhos do que Ele fará por todos quantos estiverem dispostos a aprender e obedecer.

Aquele que mais ama a Cristo, maior soma de bem fará. Não há limites à utilidade de uma pessoa que teve sua alma transformada pelo Espírito Santo, e vive uma vida de inteira consagração a Deus. Caso as pessoas suportem a necessária disciplina, sem queixa ou desfalecimento ao longo do caminho, Deus as ensinará a cada hora, a cada dia. Revelará Sua graça. O Senhor derramará as águas da salvação em torrentes, mediante a fé e a capacitará para a Sua obra.

Deus toma as pessoas como são e educa-as para Seu serviço. O Espírito de Deus, recebido na mente, vivificará todas as suas faculdades. Sob a direção do Espírito Santo, o intelecto é fortalecido não apenas para compreender, mas para cumprir a vontade de Deus. O caráter fraco e vacilante transforma-se em outro forte e firme. O relacionamento contínuo estabelece uma relação tão íntima entre Jesus e Seu discípulo, que o cristão se torna como Ele em espírito e caráter. Mediante ligação com Cristo, terá visão mais clara e ampla. O discernimento se tornará mais penetrante, mais equilibrado o juízo. Aquele que é chamado para ser útil a Cristo é tão vivificado pelo poder do Sol da Justiça, que é habilitado a produzir muito fruto para glória de Deus.

Pessoas da mais elevada educação em ciências e artes têm aprendido preciosas lições de cristãos de condição humilde, classificados pelo mundo como ignorantes. Contudo, esses obscuros discípulos de Cristo haviam recebido educação na mais alta das escolas. Tinham sentado aos pés dAquele que falava como “jamais alguém falou” (João 7:46)

segunda-feira, 6 de março de 2017

Somente pela graça

"Minha graça é suficiente para você, pois o Meu poder se aperfeiçoa na fraqueza." (2 Coríntios 12:9)

Por nós mesmos, é impossível escapar ao abismo do pecado em que estamos afundados. Nosso coração é mau, e não podemos mudá-lo. “Quem da imundícia poderá tirar coisa pura? Ninguém!” (Jó 14:4). “O pendor da carne é inimizade contra Deus” (Romanos 8:7). A educação, a cultura, o exercício da vontade, o esforço humano, todas essas coisas têm sua importância; porém, nesse caso, não têm poder para mudar a situação. Podem até produzir um comportamento aparentemente correto, mas não transformar o coração nem purificar as fontes da vida. É preciso que haja um poder no interior, uma vida nova vinda do alto, para que as pessoas passem do estado pecaminoso para a santidade. Esse poder é Cristo. Somente Sua graça poderá vitalizar as inertes faculdades espirituais e atrair a pessoa para Deus, para a santidade.

O Salvador disse: “Se alguém não nascer de novo”, ou seja, a menos que receba um novo coração, novos desejos, propósitos e motivos, e passe a viver uma vida nova, “não pode ver o reino de Deus” (João 3:3). A ideia de que é preciso apenas desenvolver o bem que existe naturalmente dentro da pessoa é um engano fatal. “O homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”(1 Coríntios 2:14). “Não te admires de Eu te dizer: importa-vos nascer de novo” (João 3:7). Está escrito acerca de Cristo: “A vida estava nEle e a vida era a luz dos homens” (João 1:4). Ele é o único “nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (Atos 4:12).

Não basta perceber o compassivo amor de Deus, enxergar a benevolência, a bondade paternal do Seu caráter. Não basta discernir a sabedoria e justiça da Sua lei para ver que ela está alicerçada sobre o eterno princípio do amor. O apóstolo Paulo viu tudo isso quando exclamou: “Consinto com a lei, que é boa”. “A lei é santa; e o mandamento, santo, justo e bom.” Porém, em desespero, acrescentou com o coração amargurado: “Sou carnal, vendido à escravidão do pecado” (Romanos 7:16, 12-14). Ele anelava a pureza, a justiça, coisas que, por si mesmo, não tinha forças para alcançar e clamou: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Romanos 7:24). Esse é o clamor que vem de corações atribulados em todas as terras e em todas as épocas. Para todos, existe uma resposta: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1:29)

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Amor abnegado

"Porquanto Deus enviou o Seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele." (João 3:17)

O brilho do “conhecimento da glória de Deus” vê-se “na face de Jesus Cristo” (2 Coríntios 4:6). Desde os dias da eternidade, o Senhor Jesus Cristo era um com o Pai; era “a imagem de Deus”, a imagem de Sua grandeza e majestade, “o resplendor da glória” (Hebreus 1:3). Foi para manifestar essa glória que Ele veio ao mundo. Veio à Terra entenebrecida pelo pecado para revelar a luz do amor de Deus, para ser “Deus conosco” (Mateus 1:23). Portanto, a Seu respeito foi profetizado: “Será o Seu nome Emanuel” (Isaías 7:14).

Vindo habitar conosco, Jesus deveria revelar Deus tanto aos seres humanos como aos anjos. Ele era a Palavra de Deus – o pensamento de Deus tornado audível. Em Sua oração pelos discípulos, diz: “Eu lhes fiz conhecer o Teu nome” – “compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade” – “a fim de que o amor com que Me amaste esteja neles, e Eu neles esteja” (João 17:26; Êxodo 34:6). Entretanto, essa revelação não era feita somente a Seus filhos nascidos na Terra. Nosso pequenino mundo é o livro de estudo do universo. O maravilhoso desígnio de graça do Senhor, o mistério do amor que redime, é o tema que “anjos anelam perscrutar” (1 Pedro 1:12), e será seu estudo ao longo dos séculos sem fim. Mas os seres remidos e os não caídos encontrarão na cruz de Cristo sua ciência e seu cântico. Ficará evidente que a glória que resplandece na face de Jesus Cristo é a glória do abnegado amor. Ficará evidente, à luz do Calvário, que a lei do amor que renuncia é a lei da vida para a Terra e o Céu; que o amor que “não procura os seus interesses” (1 Coríntios 13:5) tem sua fonte no coração de Deus; e que, no manso e humilde Jesus, é revelado o caráter dAquele que habita na luz inacessível ao ser humano.

No princípio, Deus Se manifestava em todas as obras da criação. Foi Cristo que estendeu os céus e lançou os fundamentos da Terra. Foi Sua mão que suspendeu os mundos no espaço e deu forma às flores do campo. Ele “converteu o mar em terra firme” (Salmos 66:6). “DEle é o mar, pois Ele o fez” (Salmos 95:5). Foi Ele quem encheu a Terra de beleza, e de cânticos o ar. E sobre todas as coisas na terra, no ar e no firmamento, escreveu a mensagem do amor do Pai.