segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

A cura para a ansiedade

"Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições…" (Filipenses 4:6)

Muitas pessoas ficam entusiasmadas com o ano novo. Algumas fazem mudanças nos planos. Outras resolvem reformar a casa, comprar um móvel novo, trocar um quadro de lugar... A verdade é que os desafios e incógnitas que nos esperam em um novo ano nos deixam às vezes ansiosos. Enquanto pensamos na lista de coisas por fazer, devemos nos lembrar das palavras escritas pelo apóstolo Paulo: “sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica” (v.7).

Se alguém pudesse estar ansioso sobre o desconhecido e desafios, teria sido Paulo. Ele naufragou, foi espancado e preso. Em sua carta à igreja de Filipos, ele encorajou seus amigos que também estavam enfrentando incógnitas, dizendo-lhes: “Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições…” (v.6).

As palavras de Paulo nos encorajam. A vida é cheia de incertezas — venham elas como uma grande transição da vida, problemas familiares, de saúde ou financeiros. Continuamos aprendendo que Deus se importa. Ele nos convida a abandonar os nossos medos do desconhecido, entregando-os a Ele. Quando o fazemos, Ele, que sabe todas as coisas, promete que a Sua paz, “que excede todo o entendimento, guardará” nosso coração e mente em Cristo Jesus (v.7). 

O cuidado de Deus por nós traz paz à mente.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2019

Mudança de rumo

E num sonho Deus os avisou que não voltassem para falar com Herodes. Por isso voltaram para a sua terra por outro caminho. (Mateus 2:12)

Agora que os presentes foram abertos, foi embora aquele clima poético, de mistério, de carinho, de manjedoura, de pastores, de estrela e cânticos. Incrível como tudo passou tão rápido. Para alguns, foi um Natal sem nada de novo. Para outros, de alegria e realização. Mas passou a agitação. Não há mais surpresas. Presentes e abraços foram dados e recebidos. Reconciliações e contribuições para "caixinhas de Natal" foram feitas. Agora, daqui para a frente, será preciso uma mudança de rumo!

Muita gente gostaria de ficar mais tempo nesse clima, ao lado da manjedoura ouvindo os cânticos de Natal, sentindo aquele clima de carinho e confraternização. A prova disso é que notamos algumas pessoas ainda desejando "Feliz Natal". Mas é interessante notar que, importante como tenha sido o acontecimento anunciado pelos anjos e acompanhado de sinais extraordinários, os Evangelhos não se demoram muito em torno do “clima poético” que acompanha o nascimento de Jesus. Somente Mateus e Lucas, no início, lhe dedicam espaço, enquanto Marcos e João só o mencionam indiretamente.

A narrativa bíblica diz que os anjos voltaram (Lc 2:15), os pastores voltaram (Lc 2:20) e os magos voltaram (Mt 2:12). Os anjos voltaram a ministrar. Os pastores sabiam que tinham de voltar para cuidar das ovelhas, encontrar pastagem para elas e prover-lhes abrigo. E os magos voltaram por um caminho diferente. Levaram consigo uma experiência nova. Tinham sido mudados pela contemplação do Deus menino, a quem adoraram.

Aqui estamos nós. O mundo, com seus desafios e compromissos, nos chamando de volta. Muitos já voltaram ao trabalho, à empresa, ao jardim, à cozinha, ao escritório, porque a luta pela sobrevivência não dá trégua.

O importante é voltar por um caminho diferente. Como pessoas renovadas. Colocar amor onde antes havia rejeição e revanchismo; tolerância no lugar de impaciência; e confiança onde demonstramos dúvida.

O encontro com Jesus tem que representar uma mudança de vida. Não nos preocupemos com os erros que eventualmente serão cometidos nessa mudança, porque eles são, no mínimo, um sinal de que estamos saindo da estrada principal e experimentando outros caminhos. (Roger Von Oech)

Você já pensou a respeito do que precisa ser mudado em sua vida? Tome agora outro rumo! Um rumo de paz e alegria advindas da presença constante do Senhor em sua vida.

terça-feira, 24 de dezembro de 2019

Graças a Deus Ele veio

"Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o governo estará sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno, Príncipe da Paz." (Isaías 9:6)


Graças a Deus Ele veio, imaginem se não tivesse vindo...

"Conta-se que um pastor adormeceu em seu escritório numa manhã de Natal e sonhou com um mundo para o qual Jesus nunca tinha vindo. Em seu sonho, viu-se andando pela casa: mas lá não havia presentes, nem árvore de Natal, nem guirlandas enfeitadas; e não havia Cristo para confortar, alegrar e salvar.

Andou pelas ruas, mas não havia igrejas com suas torres agudas apontando para o Céu. Voltou para casa e sentou-se na biblioteca, mas todos os livros sobre o Salvador tinham desaparecido.

Alguém bateu-lhe à porta, e um mensageiro pediu-lhe que fosse visitar sua pobre mãe à morte. Ele apressou-se a acompanhar o filho choroso; chegou àquela casa e disse: "Eu tenho aqui alguma coisa que a confortará". Abriu a Bíblia, procurando alguma promessa bem conhecida, mas viu que ela terminava em Malaquias. E não havia evangelho, nem promessa de esperança. E ele só pode abaixar a cabeça e chorar com a enferma, em angústia e desespero.

Não muito depois, estava ao lado de seu esquife, dirigindo o ofício fúnebre, mas não havia mensagem de consolação, nem palavra de ressurreição gloriosa, nem céu aberto; mas somente "cinza a cinza e pó ao pó" e um longo e eterno adeus.

O pastor percebeu, afinal, que "ELE não tinha vindo". E rompeu em lágrimas e amargo pranto, em seu triste sonho. De repente, acordou ao som de um acorde. E um grande brado de júbilo saiu-lhe dos lábios, ao ouvir, em sua igreja ao lado, o coro a cantar:

"Ó vinde, fiéis, triunfantes, alegres. Sim, vinde a Belém, já movidos de amor. Nasceu vosso Rei, o Cristo prometido! Oh, vinde, adoremos ao nosso Senhor!"

Regozijemo-nos e alegremo-nos hoje, porque "ELE VEIO"!

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Volta logo, Jesus!

Restaura-nos para ti, Senhor, para que voltemos; renova os nossos dias como os de antigamente. (Lamentações de Jeremias 5:21)

Quando estas palavras foram ditas pela primeira vez, elas focalizaram na restauração que Deus ia dar a Israel, que estava no exílio da Babilônia, de volta para seu lugar, sua proeminência, sua vida e seu Templo. 

Mas do nosso ponto de vista, esta oração pode ser nossa também. Restauração pode significar a volta de Cristo que nos leva para casa com Deus. Naquele dia, toda barreira entre Deus e nós cairá. Nossa mortalidade será engolida em vitória. Veremos Deus face a face e poderemos andar com ele no frescor do dia como seus filhos perfeitos. Que este dia venha logo!

Sabemos que há um grande abismo entre a perfeição de Deus e as nossa limitações. Jesus Cristo atravessou esse abismo com a sua graça. Deus nos capacita na nossa espera até essa perfeição vir em toda a sua plenitude. Ele nos equipa para as batalhas contra o Maligno e nos liberta do ataque espiritual. Deus aceita o nosso louvor limitado e humano por tudo que Ele tem feito para nos salvar até o dia que o veremos face a face.

Deus promete ao Seu povo uma história com final feliz.