quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Volta logo, Jesus!

Restaura-nos para ti, Senhor, para que voltemos; renova os nossos dias como os de antigamente. (Lamentações de Jeremias 5:21)

Quando estas palavras foram ditas pela primeira vez, elas focalizaram na restauração que Deus ia dar a Israel, que estava no exílio da Babilônia, de volta para seu lugar, sua proeminência, sua vida e seu Templo. 

Mas do nosso ponto de vista, esta oração pode ser nossa também. Restauração pode significar a volta de Cristo que nos leva para casa com Deus. Naquele dia, toda barreira entre Deus e nós cairá. Nossa mortalidade será engolida em vitória. Veremos Deus face a face e poderemos andar com ele no frescor do dia como seus filhos perfeitos. Que este dia venha logo!

Sabemos que há um grande abismo entre a perfeição de Deus e as nossa limitações. Jesus Cristo atravessou esse abismo com a sua graça. Deus nos capacita na nossa espera até essa perfeição vir em toda a sua plenitude. Ele nos equipa para as batalhas contra o Maligno e nos liberta do ataque espiritual. Deus aceita o nosso louvor limitado e humano por tudo que Ele tem feito para nos salvar até o dia que o veremos face a face.

Deus promete ao Seu povo uma história com final feliz.

sábado, 2 de novembro de 2019

Cuidado com a Criação

Os céus são os céus do Senhor, mas a terra, deu-a ele aos filhos dos homens. Salmo 115:16

Quando as trutas conhecidas como “grandes marrons” estão desovando e começando o seu ritual de assentamento de outono, é possível vê-las escavando seus ninhos em águas rasas.

Os bons pescadores sabem que os peixes estão desovando e tentam não os perturbar. Evitam andar por sobre os cascalhos onde podem pisotear os ovos, ou vadear rio acima dos ninhos onde podem deslocar os detritos e vir a sufocá-los. E eles não pescam estas trutas, embora seja tentador fazê-lo enquanto elas descansam perto de seus ninhos.

Estas precauções fazem parte de uma ética que rege a pesca responsável. Mas há uma causa mais profunda e melhor.

As Escrituras enfatizam o fato de que Deus nos deu a Terra (Gênesis 1:28-30), para que dela desfrutemos, mas devemos fazer isso como pessoas que a amam.

Gosto de refletir sobre o trabalho das mãos de Deus: uma perdiz chamando outra no desfiladeiro, um alce alfa gritando à procura de fêmeas, um rebanho de antílope ao longe, uma truta de ribeiro e sua epiderme cor-de-rosa caleidoscópico, uma lontra mãe brincando em um córrego com seus filhotes. Amo muito tudo isso, pois me foram dadas para o meu deleite, fruto do grande amor de meu Pai.

E o que eu amo, protejo. — David H. Roper

O cuidado com a criação honra o Criador.


terça-feira, 15 de outubro de 2019

Por que tanta revolta?

Porque o mundo jaz no Maligno. (1 João 5:19)

Enquanto falava do amor de Deus, a pessoa que me ouvia fez a seguinte colocação: “Eu não acredito em Deus por causa da maldade. Olha a violência. Ninguém tem medo de ser preso. A impunidade impera. Os bandidos zombam das leis. O desrespeito ao próximo está em todo lugar. Motoristas bêbados, menores armados, caixas eletrônicos explodidos, sequestros relâmpagos, estupros, assassinatos, etc. Além de tudo, temos pessoas suspeitas e condenadas fazendo nossas leis. Os bandidos se revoltam contra os seus julgadores. Com tudo isso você vem me falar do amor de Deus?”

Eu disse: A lógica do seu raciocínio está invertida. Vejamos: O mal respeita algum limite? Não. O mal respeita a lei? Não. O mal respeita a ética? Não. O mal respeita a moral? Não. Então porque que o mal não tomou conta de tudo? É esta a resposta que você deveria buscar. O mal não tomou conta de tudo porque há um poder no Universo impedindo que o mal tome conta de tudo. E a Bíblia diz que esse poder é Deus, que nos ama.

Eu creio que Deus fica profundamente triste em ver a humanidade sofrendo assim. Ele gostaria muito de poder agir, mas respeita as nossas escolhas. Escolhemos afastá-lo de nossas decisões, de nossas vidas. Não queremos mais seus ensinamentos. Julgamos ultrapassados os princípios bíblicos. Achamos uma violência corrigir nossos filhos quando se comportam mal... 

Ao observamos campanhas a favor do aborto, do homossexualismo, da liberdade para usar o corpo como quiser, nós concordamos. Apoiamos as campanhas que incentivam o uso de camisinha, em vez de combatermos a prostituição e o sexo fora do casamento. Aceitamos a pornografia como direito de expressão. Elegemos políticos suspeitos e condenados. Quando aprovam leis que dão margem à impunidade e legislam em causa própria, nós dizemos “que faz parte do processo democrático”. Não nos importamos com o mau comportamento de nossos líderes e governantes – que deveriam ter reputação ilibada – e assim, “dizemos” aos nossos filhos que o que fazem é normal, é permitido.

Agora estamos nos perguntando por que tanta revolta contra aqueles que buscam o bem, por que não se distinguem entre o bem e o mal, o certo e o errado, por que cometem crimes sem nenhum pudor. Se analisarmos seriamente, perceberemos que estamos colhendo exatamente o que semeamos!

O mundo todo está debaixo do poder do Maligno, mas ainda há esperança. Ela está na educação baseada nos ensinamentos daquele que mais entende do comportamento humano: Deus.

Portanto, antes que o mal tome conta de tudo, voltemo-nos para a solução há tempos proposta pelo Criador. A solução é Jesus Cristo, e seus ensinamentos como Filho de Deus. 

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Aquiete-se

"O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio." (Salmo 46:11)

Com as redes sociais “criamos mais informações nos últimos 5 anos do que em toda a história humana prévia, e estas chegam até nós o tempo todo”, A mente organizada, Daniel Levitin (Ed. Objetiva, 2015). Levitin afirma que em “certo sentido, nos tornamos viciados na hiperestimulação”, e que as constantes notícias e o conhecimento podem dominar nossa mente. No ambiente atual de bombardeio de mídia, torna-se cada vez mais difícil encontrar tempo para ficar quieto, pensar e orar. 


O Salmo 46:10 diz: “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus…”, lembrando-nos da necessidade de termos tempo para dedicar atenção ao Senhor. Muitas pessoas acham que um “tempo de solitude” é parte essencial de cada dia, um tempo para ler a Bíblia, orar e considerar a bondade e a grandeza de Deus.

Quando nós, como o escritor do Salmo 46, experimentamos a realidade de que “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações” (v.1), isso afasta o nosso medo (v.2), desloca o nosso foco do tumulto do mundo para a paz de Deus, e cria a tranquila confiança de que o nosso Senhor está no controle (v.10).

Não importa quão caótico o mundo possa se tornar ao nosso redor, podemos encontrar quietude e força no amor e poder de nosso Pai Celestial. — David C. McCasland

Dia a dia, precisamos nos aquietar 
e ouvir o Senhor.